Sobre a Vale

06/03/2020

Dia Internacional da mulher: conheça 8 mulheres que fizeram sua carreira na mineração



Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive na mineração. Na Vale, contamos com mulheres em diferentes áreas – desde operadoras de equipamentos até diretoras e presidentes da empresa em outros países. A empresa ainda tem a meta de dobrar a força de trabalho feminina até 2030, passando de 13% de seus empregados para 26%.

 

No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, homenageamos as empregadas que fazem parte no nosso time, trazendo um pouco das histórias e mensagens de algumas delas, que há muito tempo decidiram traçar sua carreira dentro da Vale.






“A Vale foi meu primeiro emprego, entrei aqui quando tinha apenas 20 anos. Na época, minha família ficou preocupada se eu conseguiria trabalhar diante de desafios como necessidade de força física, condições de tempo variáveis - já que meu trabalho é ao ar livre - e se eu me daria bem trabalhando em escalas de turno de dia e à noite. Quando comecei, ainda existia muito preconceito na indústria em geral, mas tive a sorte de encontrar pessoas que me ajudaram e acreditaram no meu potencial.

A minha turma de trainees foi a segunda com mulheres e a primeira que está até hoje trabalhando na área operacional. Aqui conquistamos nosso espaço e o respeito de nossos colegas e líderes.”









Curiosidade: Tracy ocupou diferentes cargos na Vale, até ocupar este cargo.

“Sinto-me honrada por ter meu trabalho reconhecido pela empresa e por ter a oportunidade de ter assumido funções que me proporcionaram testemunhar de perto o rápido desenvolvimento econômico da China.

Não sou a primeira nem a única mulher em nossa empresa a ocupar uma posição de liderança. O que aprendi ao longo do tempo é que você precisa ter confiança no valor que gera. Promover pessoas com base em alto desempenho e meritocracia é essencial para alcançar o nível desejado de diversidade.”









Curiosidade: Gabrielly opera um equipamento de grande porte por meio de joysticks. Essa função existe somente na operação da mina de ferro de Carajás Serra Sul (S11D), onde a Vale possui minas autônomas.

“Trabalho com equipamentos que demandam muita responsabilidade, pois precisam de inspeções diárias e constante atenção e foco. Trabalhar aqui me possibilitou mostrar que com foco e dedicação todos conseguem: sou mulher, sou pequena e sou capaz de operar estes gigantes! Procuro sempre buscar mais conhecimento e tenho como sonho chegar em um cargo maior, talvez um dia gerente”.









Curiosidade: Theresa nasceu no Zimbábue, emigrou para o Canadá quando era ainda jovem, onde se formou em engenharia. Ela é a autora do livro “Underground! My Mining Adventure”, que conta a história de uma menina que explora o mundo da mineração com sua mãe.

“Eu estudei em uma escola para meninas, optei por um curso na universidade que não contava com tantas mulheres e trabalhei principalmente com homens na maior parte da minha carreira. O que sei é que quando você trabalha com pessoas com experiência e perspectiva diferentes, é importante estar aberto para aprender a se comunicar de uma maneira que permita que ambas as partes se entendam. Vejo oportunidades incríveis para as mulheres na mineração por meio de educação e orientação. Quanto a mim, quero continuar contribuindo com iniciativas que aprimoram a indústria junto com o Instituto Canadense de Mineração, Metalurgia e Petróleo (CIM), pretendo avançar no diálogo sobre diversidade e inclusão neste setor e escrever ainda alguns livros!”









Curiosidade: O trabalho na Vale ajudou a orientar a carreira delas. Izabel, formada em Engenharia de Produção, faz pós em Engenharia de Segurança. Já Miriam, está se formando em Gestão de Qualidade e quer fazer pós-graduação em Pedagogia Industrial.

"Somos responsáveis por treinamentos de RAC's (Requisitos de Atividades Críticas), PRO's (procedimentos) e Ambientação para novos empregados.A primeira coisa que gostamos de mostrar na ambientação é a nossa história na empresa. Aqui, temos o desafio de conscientizar as equipes de que trabalhamos em uma área de risco e precisamos sempre evoluir nosso comportamento para voltar para casa no fim do dia em segurança.

Nós mulheres, gostamos de ser desafiadas. A gente sabe que está em um meio de trabalho que temos que mostrar que somos capazes. Temos força, cuidado e paixão pelo que fazemos.”









“Quando comecei a trabalhar aqui eu estava com medo, mas depois de receber os treinamentos sobre operação e segurança, logo me acostumei com o trabalho e isso passou. O que mais gosto no trabalho é que posso interagir com colegas da mesma equipe e atingir a meta de produção sem acidentes. Como empregada mulher, espero que cada vez mais mulheres tenham a oportunidades de desenvolver suas carreiras, quaisquer que sejam elas.”









“Entrei na Vale como trainee em 1998, no Brasil, e ao longo dos anos sempre senti que a Vale oferecia diversas oportunidades de aprendizado, no país e no exterior, conhecendo pessoas diferentes e trabalhando em várias áreas. Vemos muitas mudanças positivas não apenas na Vale, mas também na indústria. Quando me mudei para o exterior, em 2005, dificilmente encontrava colegas do sexo feminino nas empresas e atualmente este cenário é diferente.

Entre os principais desafios pela frente estão alcançar a igualdade total, não apenas em gênero, mas em termos de inclusão em geral, sem rótulos. Penso que empoderamento feminino nas empresas deve incluir uma discussão sobre o papel dos homens também (ou parceiros), especialmente quando filhos entram em cena. Quando os gestores incentivam um tratamento igualitário de responsabilidades, as possibilidades de inclusão efetiva se ampliam.”


Dia Internacional da mulher: conheça 8 mulheres que fizeram sua carreira na mineração