Pesquisadores capturam pela primeira vez uma onça-pintada em Linhares

Sobre a Vale

12/08/2019

Pesquisadores capturam pela primeira vez uma onça-pintada em Linhares

Bióloga acaricia onça capturada na mata
Bióloga junto à onça capturada na Reserva Natural Vale

Pesquisadores realizaram, no dia 3 de julho, a primeira captura de uma onça-pintada em território capixaba e uma das poucas já efetivadas na Mata Atlântica brasileira. A ação foi realizada na Reserva Natural Vale em Linhares (ES). O Bloco Linhares-Sooretama, localizado na porção Norte do Espírito Santo, abriga atualmente a última população de onças-pintadas deste estado, sendo esta uma das últimas populações da espécie em toda Mata Atlântica. Além das onças-pintadas, esse grande bloco de vegetação nativa abriga também onças-pardas, entre outras espécies de felinos de menor porte.

A captura foi realizada pelo Projeto Felinos, um projeto de pesquisa, iniciado em 2005, que tem como objetivo a geração de informações científicas e a realização de atividades de sensibilização para conservação de felinos e suas presas. O desafio atual do projeto, coordenado pela bióloga Ana Carolina Srbek de Araujo, é investigar os mecanismos ecológicos que permitem a manutenção e a coexistência de onças-pintadas e onças-pardas na Mata Atlântica de Tabuleiro do Espírito Santo, além de avaliar o estado geral de saúde das populações estudadas. Para isso, foram iniciadas, em 17 de junho de 2019, as atividades para captura de grandes felinos na Reserva Natural Vale.


Nós concentramos os esforços neste indivíduo porque conhecemos bem seu padrão de deslocamento e os locais utilizados por ele com maior frequência, o que nos permitiu planejar bem as atividades em campo. Embora seja esperado que as onças-pintadas da Mata Atlântica sejam mais arredias do que em outros biomas em função do histórico de interferência humana nos remanescentes florestais, a captura do macho demandou um esforço ainda maior da equipe. Isso se deu porque, além de desviar das armadilhas, ele assumia comportamento desconfiado e mais cauteloso sempre que nos aproximávamos.

Ana Carolina, bióloga


Para auxiliar na seleção dos locais mais favoráveis à captura e nortear as atividades de campo, foram empregados dados coletados ao longo de dois anos de pesquisa e que permitiram, por exemplo, conhecer em detalhes aspectos da ecologia comportamental do macho dominante de onça-pintada presente na reserva.

Após a captura, o animal foi aparelhado com um colar-transmissor, que permitirá seu monitoramento via satélite com grande precisão, e foi realizada a coleta de dados biométricos, a avaliação clínica geral e a coleta de amostras para exames laboratoriais mais detalhados.

A pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (FAPES) e pela Vale, sendo desenvolvida por meio de uma parceria entre pesquisadores das instituições brasileiras, Universidade Vila Velha e Universidade Federal de Viçosa, e do Consejo Superior de Investigaciones Científicas / Estación Biológica de Doñana, da Espanha.

​​​​

Pesquisadores capturam pela primeira vez uma onça-pintada em Linhares