Brumadinho: balanço das ações até 25/2

Sobre a Vale

25/02/2019

Brumadinho: balanço das ações até 25/2

Números: 395 localizados; 179 mortos; 131 desaparecidos.

Ações humanitárias

Desde as primeiras horas após o rompimento da Barragem I, na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), a Vale tem dado todo o suporte aos atingidos e suas famílias. A assistência humanitária inclui, entre outras ações, o acolhimento com apoio psicossocial e atendimento médico emergencial; alojamento em hotéis, pousadas e moradias provisórias; e o fornecimento de alimentação, itens de higiene pessoal e primeira necessidade, medicamentos, vestuário e transporte. Abaixo, seguem dados das ações da Vale na região:

  • R$ 2,6 milhões repassados à Prefeitura de Brum​adinho para a compra de equipamentos emergenciais e para a contratação de profissionais das áreas de saúde e psicossocial, com o objetivo de ampliar a ajuda humanitária do município aos atingidos;
  • R$ 6,5 milhões investidos em equipamentos de ponta para o Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte;
  • Doação de R$ 100 mil para cada uma das famílias atingidas que têm vítimas do rompimento: 264 pagamentos efetuados;
  • Doação de R$ 50 mil, por imóvel, a quem residia na Zona de Autossalvamento: 57 pagamentos efetuados;
  • Doação de R$ 15 mil para quem teve negócios impactados (início do cadastramento);
  • R$ 118 milhões usados para aquisição de medicamentos, de água, equipamentos e outros custos logísticos;
  • 1,4 mil profissionais trabalhando em 11 postos de atendimento aos atingidos Brumadinho, Belo Horizonte, Nova Lima e Itabiritos;
  • 5 mil atendimentos médicos e psicológicos realizados;
  • 35 mil itens de farmácias comprados;
  • Mais de 12 milhões de litros de água para consumo humano, animal e para a irrigação agrícola foram distribuidos para 15 municípios;
  • 10 hospitais e unidades de saúde mobilizados para atender aos atingidos;
  • 322 acomodações disponibilizadas;

Indenizações emergenciais

  • Acordo com autoridades competentes permite antecipar pagamento de indenizações emergenciais a moradores de Brumadinho e pessoas que vivem próximas do leito do Rio Paraopeba, entre Brumadinho e Pompéu, na represa de Retiro Baixo;
  • Valor das indenizações: um salário mínimo por adulto; 1/2 salário mínimo por adolescente; e 1/4 para crianças, a partir de 25 de janeiro, pelo prazo de um ano;
  • Manutenção do pagamento de 2/3 dos salários de todos os empregados próprios e terceiros que faleceram até que seja fechado um acordo de indenização definitivo;
  • Manutenção dos salários dos que estão desaparecidos;
  • Garantia de emprego ou salário para os empregados de Brumadinho, inclusive os terceirizados, até 31/12/2019;
  • Garantia de emprego ou salário para os empregados de Brumadinho, inclusive os terceirizados, até 31/12/2019;
  • Compromisso de arcar com plano médico para os familiares dos trabalhadores próprios e terceirizados, no regime de credenciamento, com abrangência em todo o Estado de Minas Gerais, sendo vitalício para as viúvas (os) ou companheiras (os) e até 22 anos para os dependentes;
  • Atendimento psicológico aos trabalhadores até a alta médica;
  • Auxílio-creche de R$ 920 considerando os filhos de trabalhadores de até 3 anos;
  • Auxílio-educação de R$ 998 para filhos de trabalhadores até a data em que completarão 18 anos.

Meio Ambiente

  • 48 pontos de coletas diárias de água e sedimento ao longo do rio Paraopeba, reservatório Três Marias e rio São Francisco;
  • Duas estruturas de hospital e abrigo de fauna;
  • 348 animais resgatados;
  • 73 peixes resgatados;
  • 184 profissionais (entre veterinários, biólogos e técnicos) atuando no resgate à fauna local.

Obras de retenção de rejeitos

  • Trecho 1 (até 10 Km do local do rompimento da Barragem I):
    • Será construído um dique de enrocamento (composto por blocos de rocha compactados) para a retenção dos rejeitos mais grossos e pesados. No momento, está em andamento o transporte e estocagem das rochas que serão usadas na construção da estrutura;
    • Está prevista a instalação de mais barreiras hidráulicas, diques de pequeno porte, para auxiliar no processo de contenção de rejeitos;
    • A Vale estuda a implantação de uma Estação de Tratamento de Água (ETA) para redução de turbidez da água do córrego Ferro-Carvão. O objetivo é devolver a água clarificada para o curso do rio Paraopeba;
    • Foi iniciada a remoção de rejeitos que bloquearam um trecho da Avenida Alberto Flores e a instalação de uma barreira metálica para impedir que o material volte a cobrir a via;
    • Construção de ponte metálica de 50 metros para restabelecer o acesso das comunidades de Parque da Cachoeira e Córrego do Feijão à área central de Brumadinho.
  • Trecho 2 (faixa entre 10km e 30km, até o município de Juatuba):
    • Mobilização e instalação de equipamentos para dragagem do material mais grosso, como areia e pedras. Os principais objetivos são a limpeza e o desassoreamento da calha do rio Paraopeba;
    • O material será recolhido por duas dragas e acondicionado para destinação adequada fora da Área de Preservação Permanente (APP) do rio
  • Trecho 3 (faixa de 170km do rio Paraopeba entre Juatuba e a Usina de Retiro Baixo):
    • Instalação de cinco barreiras (membranas) antiturbidez: três na região de Pará de Minas e outras duas na altura dos municípios de Betim e Juatuba, antes da Usina Termelétrica de Igarapé;
    • Monitoramentos específicos para esse fim demonstram, até o momento, que a eficiência das barreiras instaladas implica em uma redução de 10% a 15% da turbidez da água do rio.

Barragens

  • 10 barragens a montante, hoje inativas, serão descaracterizadas em até três anos;
  • A descaracterização pressupõe uma intervenção com o objetivo de fazer a estrutura perder por completo as características de barragem, que deixa de se enquadrar na legislação pertinente;
  • Por determinação da Agência Nacional de Mineração, a Vale elevou para Nível 2 o alerta de emergência das barragens Sul Superior (Barão de Cocais); B3/B4 e Vargem Grande (Nova Lima); Forquilha I, II e III e Grupo (Ouro Preto);
  • A Vale realocou cerca de 700 pessoas que vivem na Zona de Autossalvamento (área até 10 quilômetros a jusante da barragem) nos municípios de Barão de Cocais, Nova Lima e Ouro Preto;
  • Deste total, cerca de 500 estão hospedadas em hotéis e as demais optaram por casa de parentes;
  • Em Brumadinho, o total de abrigados é de 286. Destes, 208 estão hospedados em pousadas, hotéis e casas alugadas pela Vale; e 78 hospedadas em casa de parentes e amigos, respeitando suas escolhas;
  • Detalhamento de pessoas acolhidas por barragem:

    Barão de Cocais, Nova Lima e Ouro Preto:
    • Sul Superior: aproximadamente 450
    • Forquilhas I, II e III: 4 pessoas
    • B3/B4: aproximadamente 250 pessoas
    • Vargem Grande: cerca de 40

    Brumadinho:
    • Barragem I: 286



Veja outras notícias

Brumadinho: balanço das ações até 25/2