Sobre a Vale

10/08/2018

Canadá: Helicópteros sobrevoarão a Bacia de Sudbury em busca de novas jazidas

Até setembro, a Bacia de Sudbury, no Canadá, será sobrevoada por helicópteros com instrumentos para levantamentos, - entre eles um que parece um porco voador -, para identificar potenciais áreas para futuras operações. O objetivo é descobrir jazidas minerais de cobre e níquel.

Este é um dos equipamentos que será usado na busca e que se parece com um “porco voador”

“Estamos usando tecnologias mais recentes para verificar se podemos avaliar áreas que não foram exploradas anteriormente ou que tenham sido exploradas com tecnologias ultrapassadas”, comenta Jason Letto, geólogo, que trabalha em Sudbury. Com os levantamentos aéreos, as equipes podem percorrer áreas maiores e com maior eficiência do que fariam se estivessem a pé. A questão principal é: como identificar um potencial depósito de minério lá de cima?

“Os instrumentos que usamos medem o campo magnético da Terra e as variações locais das rochas ou criam um campo eletromagnético e monitoram a reação a diferentes tipos de materiais condutores”, explica Jason. O equipamento não pode determinar com precisão absoluta o que as rochas podem conter, pois existem muitos tipos de rocha, mas pode auxiliar as equipes a delimitar onde procurar.

O objetivo principal

Depois que a equipe de geofísica reunir e analisar os resultados dos levantamentos, os geólogos poderão examinar as áreas recomendadas para um estudo mais aprofundado. Assim, com o conhecimento da geologia local e regional, é possível identificar os locais que devem ser investigados para determinar se existe uma área de interesse econômico. Certamente, o objetivo principal é encontrar uma jazida mineral que valha a pena, o que não é uma tarefa fácil, mesmo em uma área rica em metais como a Bacia de Sudbury. Em épocas de orçamentos reduzidos, o desafio torna-se ainda maior, pois a escassez de recursos e mão de trabalho pode significar anos para finalizar os levantamentos e identificar os locais de perfuração.

“Normalmente, nossa equipe de exploração analisa centenas ou mesmo milhares de áreas para identificar aquelas que atendam às condições para uma investigação aprofundada. Com o aumento do orçamento deste ano, a equipe de geofísica poderá conduzir os levantamentos aéreos em áreas maiores, interpretar os dados, entregá-los aos geólogos e ainda ter orçamento suficiente para perfuração por diamante, em um prazo relativamente curto”, afirma Jason.

No caminho certo

Depois que a Mina Stobie chegou ao fim do seu ciclo de vida e foi paralisada no ano passado, é fundamental usar os recursos para desenvolver novas minas e jazidas minerais, enquanto ainda podem ser incorporadas na operação já existente. Afinal, quando uma nova jazida mineral é identificada, pode demorar de 10 a 20 anos para que uma nova mina comece a produzir.

“Estamos no caminho certo para incluir os recursos existentes e trabalhar com o objetivo de encontrar novas jazidas minerais. Sudbury tem uma história de sucesso em mineração há mais de 100 anos, mas muitas áreas com alto potencial geológico continuam inexploradas. Já tivemos muito sucesso aqui e a dimensão da Bacia de Sudbury significa que nossas chances de sucesso são ainda maiores”, comenta Jason.

O aumento da atividade representa foco na descoberta de recursos e, acima de tudo, confiança em nosso sucesso de longo prazo na Bacia de Sudbury. Quando “porcos” voam, não há limites para o futuro.


​​
​​

Canadá: Helicópteros sobrevoarão a Bacia de Sudbury em busca de novas jazidas