Nova ferramenta antecipa regiões sensíveis a incêndios e desmatamento na Amazônia

Sobre a Vale

29/10/2020

Nova ferramenta antecipa regiões sensíveis a incêndios e desmatamento na Amazônia

​​

O Fundo Vale está investindo R$ 250 mil em um projeto que visa a antecipar a identificação de regiões sensíveis a incêndios e desmatamento na Amazônia a partir de inteligência artificial. A iniciativa é desenvolvida pelo Imazon e conta com a parceria da Microsoft. As informações serão disponibilizadas aos órgãos públicos para ações preventivas de combate e controle e têm potencial de avaliar as melhores áreas para a restauração florestal e a conservação ambiental, colaborando com a Vale no alcance de sua meta florestal.

A ferramenta analisará diversos dados, como a abertura de estradas ilegais em regiões florestais e informações de imagens de satélite, para identificar possíveis tendências de mudança no uso do solo. A previsão é que a tecnologia esteja disponível na próxima estação seca da Amazônia, em julho de 2021.

Desde 2008, o Imazon reporta mensalmente o ritmo de desmatamento e de degradação florestal na região por meio do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), que teve o apoio do Fundo Vale em sua implementação. O atual projeto é uma evolução desse sistema.

A Vale atua há mais de três décadas no estado do Pará, investindo na conservação da Floresta Amazônica. Apenas por meio do Fundo Vale, que completa dez anos de criação em 2020, apoiamos mais de 70 iniciativas de instituições socioambientais e startups para a proteção de mais de 23 milhões de hectares de floresta.

Confira mais informações sobre o trabalho da Vale na Amazônia

A Vale também anunciou novas medidas para o combate ao aquecimento global, alinhadas com o Acordo de Paris. Dentro do pacto mundial, a empresa vai investir ao menos US$ 2 bilhões para reduzir 33% de suas emissões absolutas diretas e indiretas (escopos 1 e 2) até 2030. Outra meta é proteger e recuperar 500 mil hectares de floresta nativa em dez anos, além de buscar alcançar a autossuficiência em energia renovável.

Conheça nossas iniciativas para a conservação do bioma

O S11D, o maior e mais recente projeto de mineração, fica na região sul do estado, em Canaã dos Carajás, e já conta com processo de extração e produção automatizados. Na fabricação de 1 tonelada do minério, reduzimos 50% das emissões de gases de efeito estufa e 93% da utilização de água.

Também apoiamos o ICMBio na conservação do conjunto de seis unidades protegidas que formam a maior área de Floresta Amazônica contínua do sul e do sudeste do Pará. Essa parceria em prol da conservação ambiental ganhou, neste ano, o reforço do Projeto Horizontes, que deverá contribuir com o reflorestamento e o uso sustentável de setores no entorno dessas unidades.

Nossa empresa também anunciou novas medidas para o combate ao aquecimento global, alinhadas com o Acordo de Paris. Dentro do pacto mundial, a Vale vai investir ao menos US$ 2 bilhões para reduzir 33% de suas emissões absolutas diretas e indiretas (escopos 1 e 2) até 2030. Outra meta é proteger e recuperar 500 mil hectares de floresta nativa em dez anos, além de buscar alcançar a autossuficiência em energia renovável.

​​

Nova ferramenta antecipa regiões sensíveis a incêndios e desmatamento na Amazônia