Sobre a Vale

17/01/2022

Vale atualiza sobre operações e estruturas em Minas Gerais

​​

A Vale, em atualização ao comunicado “Vale informa sobre impacto de chuvas em Minas Gerais” de 10 de janeiro de 2022, informa que retomou de forma parcial e gradual suas operações em Minas Gerais após serem reestabelecidas as condições adequadas de segurança findo o período de chuvas intensas que atingiram a região.

No Sistema Sudeste, a circulação de trens na Estrada de Ferro Vitória a Minas foi retomada no trecho Rio Piracicaba - João Monlevade, permitindo, portanto, a expedição gradual da produção de Brucutu e Mariana, não havendo mais produção da Vale paralisada nesse Sistema em decorrência das chuvas. O ramal de BH, responsável pelo transporte de carga geral, encontra-se paralisado, sendo estudadas alternativas logísticas para o retorno definitivo do ramal e para o escoamento da carga geral enquanto o ramal permanecer paralisado.

No Sistema Sul, foram liberados alguns acessos rodoviários e viabilizados outros alternativos, permitindo a circulação de empregados/terceiros às minas do Sistema, e consequentemente, os trabalhos de adequação da infraestrutura das frentes de lavra das minas. Vários trechos da MRS Logística tiveram sua circulação de trens liberada e com previsão de liberação de novos trechos ao longo da semana. Desta forma, foram retomadas, nos últimos dias e de forma gradual, as usinas de Abóboras, Vargem Grande, Fábrica e Viga, que representam cerca de metade da capacidade atual do Sistema Sul. As demais usinas deverão ser retomadas nos próximos dias, após trabalhos adicionais de reestabelecimento das condições operacionais adequadas e normalização das circulações de trens.

Em função das paralisações em Minas Gerais estima-se um impacto de aproximadamente 1,5 Mt na produção e compra de minério de ferro. A Vale considera o impacto sazonal do período chuvoso em todas as operações e, portanto, reitera seu guidance de produção de minério de ferro de 320-335 Mt para 2022.

Segurança de barragens

A Vale permanece com a gestão e o monitoramento contínuo de suas barragens e estruturas geotécnicas, realizados por meio dos Centros de Monitoramento Geotécnicos, pelas equipes especializadas da Vale e pelos Engenheiros de Registro. Baseada em postura proativa, a Companhia informa alteração nas condições de segurança de duas estruturas, associadas às fortes chuvas que atingiram Minas Gerais.

  • Barragem Área IX: elevação do protocolo de emergência de nível 1 para nível 2, após alterações piezométricas na ombreira direita da estrutura. A estrutura está desativada e é contemplada no Programa de Descaracterização de Barragens a Montante da Vale.
  • Dique Elefante: início do protocolo de emergência em nível 1, após erosão na ombreira direita da estrutura, sem o comprometimento de sua estabilidade global. O dique de contenção de sedimentos está em descaracterização.

A Companhia já iniciou estudos e ações corretivas em ambos os casos. Não há a ocupação permanente de pessoas nas Zonas de Autossalvamento correspondentes e não se faz necessária evacuação adicional.

A Vale ressalta que informações continuamente atualizadas sobre suas barragens estão disponíveis em seu Portal ESG.

Confira outros posicionamentos da Vale sobre as chuvas em Minas Gerais:

Confira as informações oficiais sobre Macacos, em Nova Lima

Vale informa sobre impacto de chuvas em Minas Gerais

Confira atualizações deste domingo sobre as barragens da Vale em Minas Gerais

Atualização sobre as barragens da Vale em Minas Gerais

​​

Vale atualiza sobre operações e estruturas em Minas Gerais