Relatório de Sustentabilidade 2018

Sobre a Vale

Relatório de Sustentabilidade 2018

Relatório de Sustentabilidade

2018

Sobre o
Relatório

O Relatório de Sustentabilidade da Vale sempre foi centrado na apresentação de nossos desafios, realizações e estratégias para lidar com a nossa missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. No entanto, o rompimento da Barragem I da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, no estado de Minas Gerais, no dia 25 de janeiro de 2019, tornou urgente a necessidade de prestarmos contas e refletirmos com nossos stakeholders sobre o ocorrido.

Por isso, em sua 12ª edição, o nosso relatório foi dividido em duas partes. Na primeira delas, trazemos o relato das atividades e os desdobramentos relacionados ao rompimento da barragem, bem como à descrição do processo de gestão das barragens, prevenção de acidentes e resposta a emergências.

desdobramentos relacionados ao rompimento da barragem, bem como à descrição do processo de gestão das barragens, prevenção de acidentes e resposta a emergências.

Na segunda parte, apresentamos as principais informações institucionais da Vale e o reporte de nossos temas materiais - conteúdo que garante que essa edição foi preparada de acordo com o Global Reporting Initiative (GRI) Standards e do seu Suplemento Setorial de Mineração e Metais.

Faça o download do relatório em pdf

Rompimento
da barragem do
Córrego do Feijão

Desde o rompimento da Barragem I, em 25 de janeiro de 2019, todos os nossos esforços estão voltados para o apoio aos atingidos, um trabalho em conjunto com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil, que segue até o momento da publicação deste relatório. Inúmeras atividades já foram realizadas, confira abaixo alguns destaques.

Diretor-presidente (CEO),
Eduardo Bartolomeo

Nossa obrigação é extrair lições dessa tragédia para transformar a Vale em uma empresa mais humana, mais segura e mais sustentável. Para isso, empenharemos todos os esforços e repensaremos métodos e processos, sem jamais esquecer as nossas responsabilidades com Brumadinho. Vamos trabalhar incansavelmente para garantir a segurança das pessoas e das operações da empresa.

Hoje, o nosso compromisso é fazer ainda mais do que já fizemos até aqui para, assim, transformar a Vale em uma empresa que seja tão reconhecida pelos cuidados com a vida e o meio ambiente quanto pelo seu valor de mercado. É esse o objetivo que vamos perseguir daqui em diante.”

Confira na íntegra a carta do
diretor-presidente da Vale

Balanço
das ações
de reparação

R$1,3 bilhão usado para aquisição de medicamentos, água, equipamentos e outros custos logísticos​
  • R$29 milhões em doações ao Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Polícia;
  • 76 mil pessoas beneficiadas pelo Termo de Ajuste Provisório;
  • R$9,3 bilhões provisionados para acordos preliminares e indenizações emergenciais;
  • 67 pontos de monitoramento com análises de água e sedimentos;
  • 5 membranas instaladas para reter os sedimentos;
  • Investimentos na Estação de Tratamento de Água Fluvial (com capacidade de tratar 2 milhões de litros de água por hora) para restringir o impacto ambiental.
  • Atendimento de cerca de 630 animais.

Investimento em
processamento a seco

A Vale vem buscando alternativas e desenvolvendo projetos que levam em conta tecnologias que reduzem a dependência de barragens. A empresa investiu quase R$66 bilhões para instalar e ampliar o uso do processamento a seco do minério de ferro produzido em suas operações no Brasil nos últimos 10 anos. Por não usar água no processo, o método não gera rejeito e, portanto, não utiliza barragens. Nos cinco próximos anos, a estimativa é aplicar mais R$11 bilhões em instalações de processamento similares. Hoje, cerca de 60% da produção da Vale ocorre a seco e a meta é chegar a até 70%.

2008 - 2018 R$66bi
2019 - 2024 R$11bi
70% da produção a seco até 2024

Destaques do
relatório de 2018

Estamos em constante processo de evolução, trabalhando para transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável. Confira a seguir alguns destaques da atuação da Vale no ano de 2018.

Ambiental

reutilização de 83% da água

demandada para a produção, volume equivalente a 956 milhões de m3

proteção de 8,5 mil km² de áreas naturais

equivalentes a 6 vezes o total da área ocupada pelas unidades operacionais

remoção de 30,4 mil toneladas de CO2 da atmosfera

por meio da revegetação de áreas impactadas e/ou de compensação, um aumento de 34% em relação à 2017

redução de 85% das emissões de SOx

da fundição em Copper Cliff, com o projeto Clean AER, no Canadá

US$ 459,8 milhões aportados em ações ambientais

Social

124,9 mil empregados

(70,3 mil próprios e 54,6 mil terceiros), dos quais 95,6 mil alocados no Brasil

US$ 116,5 milhões em ações sociais destinadas,

em grande parte, à infraestrutura urbana e mobilidade, comunidades tradicionais, povos indígenas e geração de trabalho e renda.

Mais de 1,4 milhões de pessoas foram transportadas ao ano

pelos trens de passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas e Estrada de Ferro Carajás.

Desenvolvimento social de 4.777 crianças e adolescentes

e suas famílias por meio de 5 Estações Conhecimento MA, MG, ES, PA) e do Centro de Treinamento de Deodoro (RJ), que têm como principal mantenedora a Fundação Vale.

US$ 13,4 milhões investidos pela Fundação Vale em seus programas e espaços socioculturais

em 67 municípios do Pará, Maranhão, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro

Conheça algumas das nossas iniciativas:​

Socorro aos atingidos pelo ciclone Idai
Biopalma da Amazônia
Meta Carbono

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 1,85 milhão de pessoas foram afetadas apenas em Moçambique pelo ciclone Idai, em março de 2019. Em solidariedade às vítimas e no âmbito da nossa responsabilidade social, a Vale e empresas do Corredor estão dando suporte aos atingidos. Entre as inciativas, estão:

  • Doação emergencial de valor monetário ao Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC);
  • Isenção do pagamento de tarifas portuárias no Porto de Nacala para embarque de contentores de alimentos do Programa Mundial de Alimentação nas Nações Unidas (agências da ONU) para a Beira e para o Malawi;
  • Doação de produtos de saúde e higiene pública a mais de 2.000 mil famílias em Moatize;
  • Diálogo com ONGs e outros organismos para identificar novas prioridades e continuar a contribuir de forma efetiva;
  • Apoio de empregados via Programa de Voluntariado da empresa arrecadando produtos não perecíveis, vestuário, produtos de higiene e utensílios domésticos.
  • Assinatura, em maio, de um memorando de entendimento com a Cruz Vermelha de Moçambique (CVM) que assegura a aplicação dos fundos doados pela empresa às vítimas dos ciclones Idai e Keneth.