Interdição de ferrovia

Interdição de Ferrovia

Bloquear uma ferrovia como forma de protesto causa graves prejuízos econômicos e sociais à região onde ela está inserida. No caso da Estrada de Ferro Carajás, que passa por 27 municípios e desempenha um importante papel econômico e social nos estados do Maranhão e Pará, as interdições podem prejudicar muita gente.

Conheça os principais impactos
de uma interdição

Pessoas são impedidas de ir e vir

Diariamente, 1.300 pessoas usam o Trem de Passageiros, que tem menor custo e é o único meio de transporte em muitas comunidades do interior do Maranhão em período de chuvas. Já imaginou quanta gente não consegue chegar a consultas médicas, entrevistas de emprego e até mesmo ao trabalho quando a ferrovia é interditada?

A circulação de mercadorias é prejudicada

E isso vai muito além de minério de ferro! A ferrovia é utilizada também para transportar grãos e combustível. Quando ela é interrompida, esses produtos também não chegam ao destino, prejudicando o setor de alimentos e, também, quem precisa abastecer seu veículo. Em um único dia de interdição 6 milhões de litros de combustível deixam de chegar às distribuidoras.

Diminui o volume de impostos recolhidos

A interdição de ferrovias compromete também a contribuição da Vale às comunidades por meio de impostos como CFEM, ICMS e ISS. Esses tributos são importantes para áreas como educação e saneamento básico dos municípios vizinhos à ferrovia.

A possibilidade de acidente aumenta

Graves acidentes podem acontecer quando há interdições porque os trens não possuem um sistema de frenagem como os veículos automotores e precisam de, aproximadamente, 1,5 km para conseguir frear completamente. De maneira geral, os trens são veículos pesados que podem chegar a 20 mil toneladas. Com tanto peso, é impossível frear um trem imediatamente em situações de emergência.

Pessoas são
impedidas de
ir e vir

Diariamente, 1.300 pessoas usam o Trem de Passageiros, que tem menor custo e é o único meio de transporte em muitas comunidades do interior do Maranhão em período de chuvas. Já imaginou quanta gente não consegue chegar a consultas médicas, entrevistas de emprego e até mesmo ao trabalho quando a ferrovia é interditada?

A circulação de mercadorias é prejudicada

E isso vai muito além de minério de ferro! A ferrovia é utilizada também para transportar grãos e combustível. Quando ela é interrompida, esses produtos também não chegam ao destino, prejudicando o setor de alimentos e, também, quem precisa abastecer seu veículo. Em um único dia de interdição 6 milhões de litros de combustível deixam de chegar às distribuidoras.

Diminui o volume
de impostos
recolhidos

A interdição de ferrovias compromete também a contribuição da Vale às comunidades por meio de impostos como CFEM, ICMS e ISS. Esses tributos são importantes para áreas como educação e saneamento básico dos municípios vizinhos à ferrovia.

A possibilidade
de acidente
aumenta

Graves acidentes podem acontecer quando há interdições porque os trens não possuem um sistema de frenagem como os veículos automotores e precisam de, aproximadamente, 1,5 km para conseguir frear completamente. De maneira geral, os trens são veículos pesados que podem chegar a 20 mil toneladas. Com tanto peso, é impossível frear um trem imediatamente em situações de emergência.

Interditar a ferrovia é crime!

Um acidente ferroviário pode ser muito grave. Por isso, o Código Penal Brasileiro prevê àqueles que ocupam a linha férrea de forma ilegal multa e até detenção de 2 a 5 anos.

Ficou com alguma dúvida?
Entre em contato com o

Alô Ferrovia -
0800 285 7000

A ligação é gratuita e o
atendimento é 24 horas.

Além dos serviços, como o transporte de passageiros, uma ferrovia traz muitos benefícios para uma comunidade. Sua interdição, por outro lado, pode prejudicar muita gente.

Saiba mais sobre isso na entrevista com o gerente executivo de Sustentabilidade da Vale, João Coral.

Clique aqui para acessar