Negócios

Resultado Financeiro 1T21

A Vale divulgou nesta segunda-feira, 26 de abril, seu resultado financeiro referente ao primeiro trimestre de 2021. No 1T21 avançamos no de-risking da Vale, apesar do agravamento da situação da Covid-19 em algumas regiões em que operamos.

“Estou confiante de que nossos resultados financeiros positivos refletem nossa consistência no cumprimento de nossas promessas do de-risking da Vale. Nos primeiros três meses do ano, o Acordo Global de Brumadinho entrou em vigor em um processo conduzido com transparência, legitimidade e segurança jurídica. No mesmo período, concluímos a venda de nossas operações da Vale Nova Caledônia, um marco importante no desinvestimento de ativos non-core e, logo em seguida, nosso Conselho de Administração aprovou um programa de recompra de ações demonstrando a confiança da administração no potencial da Vale de criar e compartilhar de forma consistente valor

Eduardo Bartolomeo, Diretor-Presidente

Reparação de Brumadinho

O Acordo Global, assinado em fevereiro e certificado por decisão judicial em abril, garante a continuidade das iniciativas em implementação desde 2019 e provê um plano concreto de reparação dos danos coletivos socioambientais e socioeconômicos decorrentes da ruptura da barragem B-1. Além dos pagamentos diretos a serem feitos pela Vale, a companhia também tem um portfólio de projetos a serem executados, parte deles já definidos e em implantação e outra parte que resultará das demandas das comunidades.

Doações para o combate ao Covid-19

Com o agravamento da pandemia da Covid-19 no Brasil, a Vale e um conjunto de empresas juntaram forças e doaram 3,4 milhões de medicamentos críticos para intubação. Os sedativos, neuro bloqueadores musculares e analgésicos opioides, importados da China, estão sendo integralmente doados ao Governo Federal para posterior distribuição por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Desde o 2T20, a Vale doou US$ 111 milhões para a luta contra a Covid-19 nas regiões onde atua

Primeiro Relato Integrado

A Vale publicou seu primeiro Relatório Integrado, com resultados alcançados em temas materiais, selecionados após consulta aos nossos principais stakeholders. A adesão ao padrão do Integrated Reporting Council (IIRC) em adição ao padrão Global Reporting Initiative (GRI) - adotado desde 2007 pela empresa para seu Relatório de Sustentabilidade - visa tornar mais clara a conexão ESG da Vale com seu modelo de negócio.

Melhorias na segurança de barragens

Após a conclusão das obras de melhorias de estabilidade no 1T21, as barragens de Itabiruçu, Capim Branco, Menezes II e Taquaras, todas elas no estado de Minas Gerais, tiveram seus protocolos de emergência de nível 1 removidos e suas Declarações de Condição de Estabilidade positiva emitidas. Estamos trabalhando nas melhorias de segurança das demais 29 instalações de armazenamento de rejeitos que permanecem em Nível de Emergência e esperamos gradualmente atingir condições satisfatórias de segurança para todas até o final de 2025.

Imagem Relatório Financeiro

Resultados

No 1T21, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma de US$ 8,467 bilhões, um recorde para um primeiro trimestre, com volumes sazonalmente menores parcialmente compensados por preços mais altos de comodities.

O desempenho no trimestre foi impulsionado principalmente pelo EBITDA de Minerais Ferrosos (US$ 7,811 bilhões) ficando US$ 989 milhões abaixo do 4T20; pelo EBITDA de Metais Básicos (US$ 1,011 bilhões) ficando US$ 160 milhões menor do que o 4T20; pelo EBITDA do Carvão (US$ 159 milhões negativos), um aumento de US$ 132 milhões e pelo EBITDA de Outros, que melhorou em US$ 381 milhões.

O lucro líquido foi de US$ 5,546 bilhões no 1T21, ficando US$ 4,807 bilhões acima do 4T20, principalmente devido às despesas de Brumadinho, aos encargos de impairment nos ativos dos negócios de níquel e carvão, ambos no 4T20, e ao maior resultado financeiro, apesar do impacto da desvalorização cambial do Real em 9,6% na marcação a mercado de nossas posições de derivativos.