Negócios

Resultado Financeiro 1T22

A Vale divulgou nesta quarta-feira, 27 de abril, seu resultado financeiro referente ao primeiro trimestre de 2022. No 1T22, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma das operações continuadas de US$ 6.374 bilhões, US$ 483 milhões abaixo do 4T21.

Apesar do trimestre desafiador em nossas operações, estamos no caminho certo para cumprir nossos compromissos para 2022. No 1T22, enfrentamos fortes chuvas em Minas Gerais, atrasos de licenciamento no Norte e desempenho abaixo do esperado em alguns ativos. No entanto, aproveitamos os volumes sazonalmente menores para realizar atividades de manutenção que nos levarão a operações mais seguras e produção sólida à frente. Confiantes das perspectivas para nossos negócios, estamos anunciando um terceiro programa de recompra, como uma alavanca adicional de geração de valor para nossos acionistas.

Eduardo Bartolomeo, Presidente

Nossas operações

- Em março, firmamos um acordo plurianual para fornecer produtos de níquel de baixa emissão de carbono para a produtora sueca de baterias de lítio Northvolt AB, reforçando nosso compromisso com a sustentabilidade na cadeia de veículos elétricos e a eletrificação da indústria de mineração e reafirmando nossa posição como um os principais fornecedores para a crescente indústria de veículos elétricos.

- Em abril, iniciamos as obras de construção da primeira planta comercial da Tecnored no estado do Pará. A Tecnored é 100% de nossa propriedade e se concentra no desenvolvimento de um processo de ferro-gusa de baixa emissão de carbono por meio de fontes de energia que emitem menos CO2 do que carvão e coque, os métodos tradicionais de fabricação de ferro-gusa. A planta terá inicialmente uma capacidade de 250 ktpa de ferro-gusa verde e poderá chegar a 500 ktpa no futuro. Planejamos o start-up para 2025, com investimento estimado de aproximadamente R$ 1,6 bilhão.

Nossos comprometimentos com a reparação e a sociedade

- As ações previstas no Acordo de Reparação Integral estão em andamento. Após autorização judicial, a Vale iniciou o detalhamento de informações para implantação de 9 projetos de reparação socioeconômica, selecionados pelas partes com base nos resultados de consulta popular. Esses projetos fazem parte do Pacote de Resposta Rápida e abrangem as áreas de saúde, desenvolvimento social, infraestrutura, agricultura e agropecuária, em Brumadinho e nos outros 25 municípios da bacia do Paraopeba. O detalhamento do escopo de cada projeto será avaliado pelas demais partes do Acordo de Reparação Integral e, uma vez aprovado, permitirá a efetiva execução dos projetos.

Segurança de barragens

- Em fevereiro, assinamos um acordo com o estado de Minas Gerais, agências reguladoras e ministérios públicos estaduais e federais, estabelecendo um cronograma e reforçando o compromisso de descaracterizar todas as nossas estruturas a montante no Brasil. O acordo traz mais segurança jurídica e técnica ao processo, estendendo o prazo original para a conclusão e refletindo as ações necessárias para aumentar a segurança durante as obras. Concordamos em contratar uma consultoria independente para confirmar a viabilidade técnica dos prazos para a descaracterização de cada estrutura incluída em nosso plano. Também contribuiremos com um valor de R$ 236 milhões para investimentos em projetos sociais e ambientais, com desembolso ao longo de oito anos.

- Em abril, iniciamos a descaracterização do Dique Auxiliar da Barragem 5, na Mina de Águas Claras, em Nova Lima (MG). O dique é uma das cinco estruturas a montante a serem eliminadas em 2022. Até o final do ano, a Vale espera ter eliminado um total de 12 estruturas a montante no Brasil como parte do Programa de Descaracterização.

Foco nos nossos principais negócios

- Em fevereiro, concluímos a venda da participação de 50% que detínhamos na California Steel Industries – CSI para a Nucor Corporation e, em abril, concluímos com sucesso o desinvestimento da mina de carvão de Moatize e do Corredor Logístico de Nacala para a Vulcan Resources, após a conclusão de todas as condições precedentes.

- Em abril, também celebramos um contrato vinculante para venda de nossos ativos de minério de ferro, minério de manganês e logística no Sistema Centro-Oeste. Nos termos acordados, o enterprise value da transação é de aproximadamente US$ 1,2 bilhão para um conjunto de ativos que produziu 2,7 Mt de minério de ferro e 0,2 Mt de manganês, e que contribuíram para a Vale com US$ 110 milhões de EBITDA ajustado em 2021. No fechamento, esperamos receber aproximadamente US$ 150 milhões, além de transferir as obrigações relacionadas aos contratos de take-or-pay de logística, sujeito ao consentimento das contrapartes aplicáveis e condições precedentes usuais.

Compartilhando a criação de valor

- Alinhado ao nosso compromisso de entregar valor superior aos nossos acionistas, pagamos dividendos de US$ 3,5 bilhões e avançamos com nosso programa de recompra de ações, que está 84% concluído na data deste relatório.

- Em continuidade aos programas de recompra de ações de 2021, nosso Conselho de Administração aprovou um novo programa de até 500 milhões de ações, equivalente a aproximadamente 10% das ações da empresa atualmente em circulação, a ser executado nos próximos 18 meses e após a conclusão do programa atual. Após a conclusão do terceiro programa de recompra, a participação dos acionistas da Vale nos resultados da empresa terá aumentado mais de 22% desde a aprovação do primeiro programa em 2021.



Imagem Relatório Financeiro

Os principais fatores que contribuíram para o desempenho do 1T22 em relação ao 4T21 foram: o menor volume de vendas de minério de ferro e pelotas, principalmente devido à intensa estação chuvosa no 1T22 e o desempenho mais fraco do Sistema Norte (US$ 2,192 bilhões) e os maiores preços realizados para minério de ferro e pelotas (US$ 1,812 bilhão), seguindo o aumento de US$ 32/t no preço de referência 62% Fe e o maior prêmio de qualidade, compensando parcialmente os volumes mais fracos de minério de ferro.

O lucro líquido no 1T22 foi de US$ 4,458 bilhões, US$ 969 milhões abaixo do 4T21. O EBITDA sazonalmente menor e os maiores resultados financeiros do 4T21 explicam a queda, que foi parcialmente compensada pelo impacto positivo de US$ 1,1 bilhão do acordo vinculante para venda das operações de minério de ferro e manganês do Centro-Oeste e as provisões para descaracterização de barragens e Fundação Renova registradas no 4T21.

No 1T22, investimos US$ 1,1 bilhão em projetos de crescimento e manutenção, US$ 615 milhões abaixo do 4T21, devido a maior intensidade dos projetos durante a estação mais seca no final do ano.

A dívida bruta e arrendamentos totalizaram US$ 14,0 bilhões ao final do 1T22, em linha com o 4T21. A dívida líquida expandida aumentou para US$ 19,4 bilhões, principalmente devido ao efeito da valorização do real sobre os compromissos denominados em moeda local, parcialmente compensado pelos ganhos de marcação ao mercado nas posições de hedge cambial. Durante este trimestre, revisamos e aprovamos com nosso Conselho de Administração uma mudança em nossa alavancagem ótima de US$ 15 bilhões para um range entre US$ 10 e 20 bilhões, sob o conceito de dívida líquida expandida.