Negócios

Relatório Financeiro 2T22

A Vale divulgou nesta quinta-feira, 28 de julho, seu resultado financeiro referente ao segundo trimestre de 2022. No 2T22, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma das operações continuadas de US$ 5,534 bilhões, ficando US$ 840 milhões abaixo do 1T22.

Ao comemorarmos nossos 80 anos de atuação no Brasil, aproveitamos para refletir sobre nossa jornada, desafios e evolução. Estamos reinventando a maneira como operamos, comprometidos em nos tornar uma das companhias mais seguras e confiáveis do setor no mundo. Seguimos em frente com a convicção de que a mineração é essencial para o desenvolvimento da sociedade e que só cumpre seu propósito gerando prosperidade para todos e cuidando do planeta. Nesse sentido, continuamos avançando em nossa agenda de descarbonização e fortalecendo o relacionamento com nossas comunidades vizinhas. Com o substancial re-shaping de nossos negócios, como a venda do Sistema Centro-Oeste, a empresa está muito mais preparada para entregar sua agenda de retomada de produção. Continuamos comprometidos com uma alocação disciplinada de capital e com a geração e retorno de valor aos nossos acionistas, conforme evidenciado pelo anúncio de pagar US$ 3 bilhões em dividendos.

Eduardo Bartolomeo, CEO

Nossas operações

A Vale está posicionada de forma única para prosperar com as tendências de crescimento estrutural da mineração, e continuamos avançando com nossos planos para melhorar nossa posição.

  • Na frente de descarbonização do aço, garantimos o fornecimento de gás natural para nossa planta de pelotização em São Luís (Maranhão) o que permitirá o uso de gás natural em 100% de nossas plantas de pelotização até 2024. Este é um grande passo em direção à nossa meta de reduzir as emissões dos escopos 1 e 2 em 33% até 2030.
  • Como parte de nosso programa Powershift, recebemos nossa segunda locomotiva 100% elétrica a bateria. O equipamento funcionará inicialmente no pátio de manobra do Terminal Ponta da Madeira, em São Luís (MA), com autonomia para operar até 10 horas sem paradas para recarga.
  • Em abril, assinamos um MoU com a Nippon Steel Corporation para buscar soluções para a siderurgia focadas no processo de produção carbono neutro de aço, em linha com nosso compromisso de reduzir 15% das emissões líquidas de Escopo 3 até 2035.
  • Em julho, em parceria com a Shagang e o Porto de Ningbo Zhoushan, começamos a implementar o Projeto Zhongzhai de Pre-blending para desenvolver instalações de silos de blendagem no Terminal de Minério de Zhongzhai na Província de Zhejiang, China.
  • Também avançamos em nossa agenda de combustíveis alternativos no transporte marítimo com a obtenção de uma Approval in Principle (AIP) para um projeto pioneiro de tanques multicombustíveis em navios de minério de ferro. O sistema permitirá que os navios sejam adaptados para armazenar gás natural liquefeito (GNL), metanol e amônia.
  • Em nossas operações de Metais Básicos, realizamos avanços importantes no de-risking com a conclusão da manutenção planejada dos smelter e refinaria de Copper Cliff e as refinarias de Long Harbour, Clydach e Matsusaka. Concluímos a reforma do Forno 4 da PTVI e os procedimentos para retomada de produção foram iniciados em meados de junho.
  • Além disso, concluímos o estudo de pré-viabilidade de um projeto de 110ktpa de sulfato de níquel, composto químico usado para produzir baterias de íon-lítio à base de níquel.
Nossos comprometimentos com a reparação e a sociedade
  • Em julho, comemoramos 40 anos de relacionamento com o povo indígena Xikrin do Cateté. Recentemente assinamos um acordo histórico encerrando controvérsias de 15 anos e iniciando uma nova fase com a comunidade Xikrin, pautada pelo diálogo constante e construção conjunta.


Alcançamos marcos importantes na descaracterização de nossas barragens:

  • Em julho, concluímos as descaracterizações de Baixo João Pereira e do Dique 4, as duas primeiras de cinco estruturas a serem eliminadas este ano.
  • As obras estão avançando nas outras três estruturas. Esperamos que 40% do programa de descaracterização esteja concluído até o final de 2022. Em Ipoema, a descaracterização começou em julho, e esperamos concluir as obras até o final de 2022. 
  • Em Itabira, concluímos a estrutura de contenção a jusante de Coqueirinho, aumentando a segurança durante as atividades de descaracterização do Dique Minervino e Cordão Nova Vista, que esperamos eliminar até 2029. 
  • Retiramos aproximadamente 40% dos rejeitos da barragem B3/B4, atualmente em nível 3 de emergência, e esperamos finalizar sua descaracterização até 2025.
Foco nos nossos principais negócios
  • Nossa agenda de reshaping avançou com a conclusão da venda dos ativos de minério de ferro, manganês e logística do Sistema Centro-Oeste.
  • Também celebramos, juntamente com nossos sócios Posco e Dongkuk, um acordo vinculante com a ArcelorMittal para a venda da Companhia Siderúrgica do Pecém – “CSP”.
  • Em Metais Básicos, PTVI, Huayou e Ford Motor Co. assinaram um memorando de entendimento para criar uma colaboração entre as empresas na Indonésia para processar minério de níquel extraído pela PTVI no Pomalaa Block, Kolaka, Sudeste de Sulawesi. O novo acordo adiciona ao acordo de cooperação para o projeto Pomalaa HPAL, assinado em abril pela PTVI e Huayou, reafirmando nosso compromisso com uma operação sustentável na Indonésia e em benefício da economia local.
Disciplina na alocação de capital e compartilhamento de valor
  • Como parte de nosso programa de gestão de passivos, concluímos com sucesso a oferta pública para recompra de US$ 1,3 bilhão de nossos bonds em junho que, juntamente com a renegociação de empréstimos bilaterais, reduziu as necessidades de liquidez dos próximos cinco anos e estendeu o prazo médio de nossa dívida.
  • Nosso Conselho de Administração aprovou hoje (28/07/2022) US$ 3,0 bilhões em dividendos e juros sobre capital próprio a serem pagos em setembro. O valor distribuído foi calculado com base nos resultados do primeiro semestre do ano, em linha com nossa Política de Remuneração aos Acionistas.
  • Avançamos com nosso terceiro programa consecutivo de recompra de 500 milhões de ações. O programa, que está 23% concluído, reflete a confiança da administração em criar e compartilhar valor com nossos acionistas.


Imagem Relatório Financeiro

No 2T22, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma das operações continuadas de US$ 5,534 bilhões, ficando US$ 840 milhões abaixo do 1T22, refletindo a queda nos preços de minério de ferro e cobre no final do trimestre, mas parcialmente compensado por maiores volumes de vendas de minério de ferro.

No 2T22, investimos US$ 1,293 bilhão em projetos de crescimento e manutenção, um aumento de US$ 157 milhões em relação ao 1T22, principalmente devido aos avanços nas obras de construção e aquisição de equipamentos nos projetos Sol do Cerrado, Salobo III e VBME.

O Fluxo de Caixa Livre das Operações aumentou US$ 1,066 bilhão t/t, atingindo US$ 2,295 bilhões, uma conversão de caixa de mais de 41% do EBITDA proforma. O melhor resultado é explicado principalmente pelo impacto positivo do capital de giro no 2T e pelo imposto de renda sazonalmente maior pago no 1T22.

A dívida bruta e os arrendamentos totalizaram US$ 12,608 bilhões em 30 de junho de 2022, US$ 1,407 bilhão menor t/t, devido, principalmente, à oferta pública de compra dos títulos da Vale. A dívida líquida expandida diminuiu para US$ 18,558 bilhões, atribuída principalmente ao efeito da depreciação do real sobre os compromissos denominados em moeda local, parcialmente compensado pelas perdas de marcação a mercado nas posições de hedge cambial.