Negócios

Resultado Financeiro 4T21

A Vale divulgou nesta quinta-feira, 24 de fevereiro, seu resultado financeiro referente ao quarto trimestre de 2021. No 4T21, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma de US$ 6.959 bilhões, US$ 150 milhões abaixo do 3T21. O Lucro Líquido no 4T21 foi de US$ 5,4 bilhões, US$ 1,5 bilhão superior ao 3T21, principalmente devido ao maior resultado financeiro (US$ 3,5 bilhões), principalmente devido a reclassificação da variação cambial acumulada no patrimônio líquido.

Em um ano ainda marcado pelos persistentes efeitos da pandemia de Covid-19 e volatilidade dos mercados, fomos capazes de atingir significantes marcos na criação de valor sustentável a nossos stakeholders. Em linha com nosso novo pacto com a sociedade, avançamos na reparação de Brumadinho e Mariana e reforçamos nosso apoio à luta contra a pandemia. Também anunciamos nossos investimentos em redução de emissões e definimos nossa ambição social de criar um legado de educação, saúde e renda nas comunidades em que operamos. Estamos trabalhando de forma mais segura através da implementação do VPS, do descomissionamento de nossas barragens a montante e o alinhamento com os padrões do GISTM. Estamos também recuperando nossa capacidade de produção em minério de ferro e metais básicos, estabelecendo as fundações para criar e distribuir valor de forma consistente.

Eduardo Bartolomeo, Presidente

Nossas operações

- No negócio de Minerais Ferrosos, nós atingimos uma capacidade de produção de cerca de 340 Mtpa no final de 2021 vs. 322 Mtpa no final de 2020. Esperamos chegar a 370 Mtpa de capacidade ao final de 2022.

- Nós produzimos 315.6 Mt de finos de minério de ferro em 2021, 5.1% acima do ano anterior, principalmente devido a (a) a retomada de produção em Serra Leste, (b) melhora de desempenho em Itabira e Timbopeba, (c) maior produção de produtos de alta-sílica em Brucutu e Fábrica, e (d) maior volume de compra de terceiros. Estes fatores foram parcialmente compensados pelo desempenho de S11D, impactado pela maior relação estéril/minério e menor produtividade da mina, ocasionada pela maior incidência de jaspilito no corpo mineral. Para 2022, esperamos um aumento de produção para 320-335 Mt.

- Nossa produção de pelotas totalizou 31,7 Mt em 2021, 6,8% acima do ano passado, principalmente devido a retomada das operações nas plantas de pelotização de Vargem Grande no início do ano. Para 2022, esperamos aumentar a produção para 34-38 Mt.

- Em Metais Básicos, produzimos 168,0 kt de níquel, 8,5% abaixo do ano passado, e 296,8 kt de cobre, 17,6% abaixo no mesmo período. O desempenho foi afetado por diversos eventos one-off, como a paralização dos trabalhos em Sudbury e as atividades de manutenção em Salobo, Sossego, Matsuzaka e Onça Puma. Apesar disso, entramos em 2022 de forma mais positiva, com as operações de Ontario concluindo o ramp up da produção após as interrupções em Sudbury e a mina de Totten retomando as atividades de içamento no início de fevereiro. A refinaria de Matsuzaka e Onça Puma também tiveram um forte quarto trimestre após as atividades de manutenção. No cobre, a movimentação na mina de Salobo deve continuar melhorando durante o ano. Para 2022, esperamos produzir 175-190 kt de níquel e 330-355 kt de cobre.

- Nossa produção de carvão aumentou 44,6% em 2021 com relação ao ano anterior, para 8,5 Mt, devido a maior produtividade da planta remodelada.

- Avançamos na implementação de nosso sistema de gestão (VPS), um sinal concreto de nossos esforços para a transformação cultural que irá entregar resultados de forma segura e consistente. As operações que estão mais maduras no VPS apresentaram maior aderência aos planos de manutenção e estabilidade operacional. Uma consequência direta é que o desempenho de segurança melhorou em toda a companhia e atingimos a menor Taxa Total de Frequência de Lesões Registráveis (TRIFR) de nossa história.

- Simplificamos nosso portfólio de ativos significativamente. Nós concluímos a venda de VNC e evoluímos na saída responsável do negócio de Carvão em Moçambique. Também desinvestimos do negócio de ferroligas de manganês, da nossa participação de 50% na CSI e de nossas ações da Mosaic.

Nossos comprometimentos com a reparação e a sociedade

Avançar nas iniciativas de reparação continua sendo uma de nossas prioridades

- Em Brumadinho, o Acordo de Reparação Integral, assinado em fevereiro de 2021, trouxe legitimidade e certeza legal às iniciativas de reparação. Nós destinamos R$ 23,0 bilhões à reparação nos últimos três anos incluindo os acordos para indenização individual com 12,7 mil pessoas. Dentre as iniciativas de 2021, pagamos R$ 4,4 bilhões como parte da implementação do Programa de Transferência de Renda. Também concluímos o comissionamento do sistema de adutoras e reservatórios para assegurar a demanda atual da região de Belo Horizonte.

- Em Mariana, estamos comprometidos com a Fundação Renova, através de seus órgãos de governança e provendo profissionais especializados para a implementação dos programas de reparação. O restabelecimento do direito a moradia para 107 famílias progrediu e, após a adoção do processo simplificado, dobramos o número de indenizações, chegando a 51,8 mil pessoas. Após novas decisões judiciais sobre a compensação individual para residentes nas cidades impactadas pela barragem de Fundão, nós complementamos a provisão relacionada à Fundação Renova em US$ 1,1 bilhão no 4T21. Estas decisões alteraram e expandiram principalmente o conceito de dano, categorias, valores indenizáveis e municípios afetados.

- Nos associamos ao Movimento Unidos pela Vacina para aprimorar a estrutura operacional de vacinação no Brasil. Continuamos com nossas iniciativas de apoio humanitário, doando 1 milhão de cestas básicas para famílias em necessidade no país. Desde 2020, doamos cerca de R$ 830 milhões para o combate ao Covid-19.

Segurança de barragens

Em 2021, nós melhoramos a segurança de nossas estruturas geotécnicas.

- Nosso plano de descaracterização avançou e, até o final de 2021, havíamos concluído as obras em 7 das 30 estruturas.

- Nós melhoramos as condições de segurança nas barragens de Doutor, Sul Inferior e Norte Laranjeiras, permitindo a reclassificação para nível de emergência 1. Adicionalmente, o nível de emergência foi removido nas barragens de Marés I e Forquilhas IV.

- Nós concluímos a construção das estruturas de contenção a jusante para as barragens Forquilhas I, II e III e IV e Grupo, próximas a mina de Fábrica. Com isso, todas as estruturas atualmente em nível de emergência 3 contam com estruturas de contenção a jusante implantadas.

- Iniciamos a remoção de rejeito das barragens B3/B4 em Nova Lima (MG) e Sul Superior em Barão de Cocais (MG) utilizando equipamentos não-tripulados operados remotamente.

- Estabelecemos um Independent Tailings Review Board para cada sistema operacional do negócio de Minério de Ferro, em linha com o Global Industry Standard for Tailings Management (GISTM) e outras referências da indústria.

- Estamos comprometidos com a implementação do GISTM. Como resultado de autoavaliação, estávamos mais de 60% aderentes ao padrão em dezembro de 2021. Esperamos atingir 90% de aderência em 2022, 100% das estruturas de armazenamento de rejeito com consequências potenciais extremas ou muito altas até agosto de 2023 e 100% para as estruturas restantes em agosto de 2025, em linha com os prazos estabelecidos pelo ICMM.

- Iniciamos as operações de uma planta de filtragem no complexo de Vargem Grande e o comissionamento de duas plantas de filtragem no complexo de Itabira em 2021. Em 2022, esperamos concluir a última planta em Brucutu, alinhado com nosso comprometimento de reduzir nossa dependência do uso de barragens.

- No 4T21, nós aumentamos a provisão para descaracterização das barragens a montante em US$ 1,7 bilhão após a atualização de nossas estimativas considerando novas soluções de engenharia e geotécnicas, incluindo novos conceitos de gestão de riscos, o uso de equipamentos operados remotamente e o reforço dos planos de contenção em certas barragens.

Compartilhando a criação de valor

- Nosso EBITDA ajustado proforma foi de US$ 33,8 bilhões em 2021, US$ 11,8 bilhões superior ao ano anterior, principalmente devido a maiores preços realizados nos negócios de minerais ferrosos e cobre, parcialmente compensados maiores custos relacionados a preços de commodities e frete.

- O lucro líquido foi de US$ 22,4 bilhões em 2021, US$ 17,6 bilhões superior ao ano anterior, principalmente devido ao maior EBITDA ajustado proforma e sólidos resultados financeiros.

Desde 2021, a remuneração dos acionistas chegou a US$ 23,0 bilhões:

- Em março, junho e setembro de 2021, pagamos US$ 13,5 bilhões em dividendos e juros sobre capital próprio para o ano de 2020 e antecipação do resultado de 2021.

- Hoje, nosso Conselho de Administração aprovou dividendos de US$ 3,5 bilhões. O valor é baseado no desempenho no segundo semestre de 2021, de acordo com nossa Política de Remuneração ao Acionista, incluindo um dividendo extraordinário de US$ 0,7 bilhão. O pagamento será feito em março de 2022.

- Até a data deste relatório, pagamos US$ 6,0 bilhões na recompra do equivalente a 6,3% de nossas ações em circulação, beneficiando diretamente nossos investidores em uma base por ação.



Imagem Relatório Financeiro

No 4T21, a Vale reportou um EBITDA ajustado proforma de US$ 6.959 bilhões, US$ 150 milhões abaixo do 3T21.

Os principais fatores da diferença de desempenho do 4T21 em relação ao 3T21 foram menores preços de venda realizados (US$ 2,075 bilhões); a queda de US$ 19,9/t do preço realizado de finos de minério de ferro é explicada principalmente pela acentuada queda de US$ 53,3/t no preço de referência do 62% Fe.

O efeito negativo do preço foi parcialmente compensado por maiores volumes de vendas (US$ 1,433 bilhão) com vendas de finos de minério de ferro e pelotas crescendo 23,3%.

Terminamos o trimestre com dívida bruta e arrendamentos totalizando US$ 13,8 bilhões, e a dívida líquida totalizando US$ 1,9 bilhão, ambos em linha com o 3T21. A dívida líquida expandida aumentou para US$ 15,1 bilhões, principalmente devido às provisões adicionais registradas no trimestre para a descaracterização das barragens a montante e da Fundação Renova.