Centro de Desenvolvimento Mineral | Vale

Iniciativas

Centro de Desenvolvimento Mineral | Vale

Centro de Desenvolvimento Mineral - A tecnologia por trás da mineração

Há quase 50 anos, os laboratórios localizados em Santa Luzia (MG) são o berço da maioria dos projetos minerais da Vale

Há quase 50 anos, nossos laboratórios localizados em Santa Luzia (MG) são o berço da maioria dos projetos minerais da Vale.

No topo de uma montanha, quilômetros abaixo da superfície ou até mesmo em meio à Cordilheira dos Andes. Independente de onde a Vale for operar, a pesquisa vai começar no nosso Centro de Desenvolvimento Mineral (CDM). Nele, a Vale investiga os métodos de produção e beneficiamento dos diversos tipos de minério.

Há quase 50 anos, os laboratórios localizados em Santa Luzia (MG) são o berço da maioria dos projetos minerais da Vale. Engenheiros, químicos, geólogos e diversos outros especialistas realizam estudos e fazem testes para garantir a viabilidade dos projetos.

Essa pesquisa inicial levanta informações fundamentais para a implantação e a operação:
- Qual a qualidade e a concentração dos minerais?
- Qual o tempo previsto de vida útil da mina?
- Como desenvolver tecnologias ambientalmente sustentáveis?
- Que tipo de tecnologia deve ser usada para a extração e o escoamento?

Conheça os minerais pesquisados pela Vale em mais de 70 anos:

Gráfico

O CDM é considerado o mais sofisticado e completo complexo laboratorial voltado à pesquisa e desenvolvimento na área mineral da América Latina e um dos mais modernos centros de desenvolvimento de tecnologia mineral do mundo. Foi o primeiro do gênero a receber a certificação ambiental ISO 14001 e o primeiro centro de pesquisa da Vale no Brasil a receber a certificação da ISO 17025.

O CDM está pesquisando técnicas de biolixiviação – que utiliza bactérias para extrair minerais em metais de baixa concentração, como o níquel e o cobre. Os micro-organismos, que já existem no solo, são procriados em incubadoras nos nossos laboratórios. A ideia é usá-los para 'comer' o rejeito, ao invés de produtos químicos.

O CDM está pesquisando técnicas inovadoras de biolixiviação, que utiliza bactérias para extrair metais, como o níquel e o cobre, contidos em minérios hoje não processados. Os micro-organismos, que já existem no solo, são procriados em incubadoras nos nossos laboratórios. A ideia é usá-los como "aceleradores" das reações químicas, ajudando a reduzir o consumo de reagentes e de água.

Há quase 50 anos, os laboratórios localizados em Santa Luzia (MG) são o berço da maioria dos projetos minerais da ValeUma das pesquisas em curso no CDM é sobre os minerais terras raras. Apesar da sua abundância na natureza em comparação a outros minérios, eles são mais difíceis de extrair, devido em parte às suas composições químicas. Esses metais são matérias-primas da indústria de alta tecnologia, comumente usados na produção de tecnologias verdes, como catalisadores, peças para turbinas eólicas e até em carros híbridos.

Uma das pesquisas em curso no CDM é sobre os minerais terras raras. Apesar da sua abundância na natureza em comparação a outros minérios, eles são mais difíceis de extrair, devido em parte às suas composições químicas. Esses metais são matérias-primas da indústria de alta tecnologia, comumente usados na produção de tecnologias verdes, como catalisadores, peças para turbinas eólicas e até em carros híbridos.

Na época da criação do CDM, as reservas de hematita da Mina do Cauê, a primeira mina da Vale, estavam cada vez mais profundas, o que comprometia a viabilidade da operação. Era necessário, então, criar uma tecnologia que permitisse a extração e o aproveitamento do minério de alto teor, com baixos custos, e ainda beneficiar o itabirito, com baixo teor de ferro. O CDM indicou o caminho e a Vale apostou na utilização pioneira dos separadores magnéticos. Quer saber mais sobre como a Vale está utilizando tecnologia e conseguiu expandir o tempo de vida útil da sua 1ª mina? Clique aqui

Pesquisa mineral na Cordilheira dos Andes

Sempre em busca pela inovação, a Vale tem usado painéis fotovoltaicos para substituir o consumo de diesel de geradores em um dos projetos de pesquisa mineral pelo mundo, que tem a cooperação do CDM.

Localizado em plena Cordilheira dos Andes, na região do Atacama, no Chile, a mais de 4 mil metros de altitude, a energia solar é usada principalmente para a calefação das acomodações do acampamento, onde cerca de 70 pessoas trabalham. Descubra curiosidades na galeria de fotos.