Nova fase da mina de Igarapé Bahia

Nova fase da mina de Igarapé Bahia

10/07/2002

Nova fase da mina de Igarapé Bahia

Rio de Janeiro, 10 de julho de 2002 – A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) informa que, após doze anos de intensa atividade, foi encerrada a exploração da reserva de minério de ouro da mina de Igarapé Bahia, em Carajás. Igarapé Bahia produziu ao longo deste período um total de 3.119 mil onças troy de ouro.

A partir de 08 de julho de 2002, esta unidade operacional passou a integrar o Departamento de Operações Carajás da CVRD, que dará início ao projeto Igarapé Bahia Fase IV. De acordo com estudo de pré-viabilidade em andamento, o depósito tem capacidade de produção anual de 36,0 mil toneladas de cobre e 83,6 mil onças troy de ouro. Estima-se que o desenvolvimento da mina terá início em meados de 2003 e início de produção em 2004.

A usina de beneficiamento existente no local, anteriormente utilizada para produção de ouro, será adaptada ao processamento do cobre, assim como parte da infra-estrutura já existente no local (fornecimento de energia, escritórios etc.). A estimativa preliminar de investimento neste projeto é de US$ 54 milhões, com previsão de desembolso, em sua maior parte, ao longo de 2003 e 2004.

Em um nível mais profundo deste depósito mineral, está localizado o depósito de cobre do Alemão, com capacidade anual de produção estimada de 150,0 mil toneladas anuais de cobre em concentrado e 218,6 mil onças troy anuais de ouro. A CVRD prevê que o projeto Alemão comece a produzir em 2006.

A produção de ouro da CVRD prevista para 2002 é de 305,4 mil onças troy de ouro, através da exploração das minas Fazenda Brasileiro (Bahia) e Itabira (Minas Gerais), contra 514,4 mil onças troy produzidas em 2001.

Estima-se que o montante total de ouro produzido pela Companhia possa atingir em 2007, cerca de 950,0 mil onças troy por ano, portanto significativamente maior do que a produção média dos últimos anos. A recuperação dos níveis de produção se dará a partir do desenvolvimento dos projetos de cobre de Carajás, tendo o ouro como subproduto. Tais projetos estão em diferentes fases de estudo ou implantação, como é o caso de Sossego.

 

Para mais informações, contactar:
+55-21-3485-3900

André Figueiredo: andre.figueiredo@vale.com
André Werner: andre.werner@vale.com
Carla Albano Miller: carla.albano@vale.com
Fernando Mascarenhas: fernando.mascarenhas@vale.com
Samir Bassil: samir.bassil@vale.com
Bruno Siqueira: bruno.siqueira@vale.com
Clarissa Couri: clarissa.couri@vale.com
Renata Capanema: renata.capanema@vale.com

Esse comunicado pode incluir declarações que apresentem expectativas da Vale sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações quando baseadas em expectativas futuras, envolvem vários riscos e incertezas. A Vale não pode garantir que tais declarações venham a ser corretas. Tais riscos e incertezas incluem fatores relacionados a: (a) países onde temos operações, principalmente Brasil e Canadá, (b) economia global, (c) mercado de capitais, (d) negócio de minérios e metais e sua dependência à produção industrial global, que é cíclica por natureza, e (e) elevado grau de competição global nos mercados onde a Vale opera. Para obter informações adicionais sobre fatores que possam originar resultados diferentes daqueles estimados pela Vale, favor consultar os relatórios arquivados na Comissão de Valores Mobiliários – CVM, na U.S. Securities and Exchange Commission – SEC, e na Autorité des Marchés Financiers (AMF) em particular os fatores discutidos nas seções “Estimativas e projeções” e “Fatores de risco” no Relatório Anual - Form 20F da Vale.

​​


Nova fase da mina de Igarapé Bahia