Mês do orgulho LGBTQIA+: leia depoimento de gerente executiva da Vale sobre a importância de celebrar as diferenças

Sobre a Vale

18/06/2020

Mês do orgulho LGBTQIA+: leia depoimento de gerente executiva da Vale sobre a importância de celebrar as diferenças


A Vale está vivendo um processo de evolução cultural, e diversidade é uma alavanca para acelerar essa transformação. Neste cenário, a empresa celebra, junto a toda comunidade, o mês do orgulho LGBTQIA+. Entendemos que diferenças de pensamentos, de experiências e principalmente de pessoas contribuem para criação de um ambiente saudável, seguro e criativo. Por isso, a nossa equipe conta com profissionais diversos, dentre eles, líderes ativos na causa LGBTQIA+. Esse é o caso da Francinne Hansen, gerente executiva de Recursos Humanos para Metais Básicos, que fez questão de marcar a data com um artigo.

Diferente de outras indústrias, sabe-se que a mineração ainda é predominante masculina, por isso a Vale quer acelerar a abertura para a diversidade, a fim de evoluir junto com a sociedade. Um exemplo disso é a meta estipulada este ano de dobrar a força de trabalho feminina até 2030, passando de 13% de seus empregados para 26%. Outra iniciativa é o incentivo dado a criação de grupos de afinidade que estimulem o debate na empresa. Até o momento, há dois grupos de mulheres que abordam questões de equidade de gênero, e um de LGBTQIA+.

“Eu estou aqui há um ano e estou amando as pessoas, o trabalho e a oportunidade de fazer da Vale uma empresa verdadeiramente inclusiva e ótima para se trabalhar. Esta semana estamos lançando o mês Internacional do Orgulho LGBTI. Orgulho é sinônimo de igualdade e aceitação. É acolher quem somos e viver de maneira autêntica, independente de orientação sexual, gênero, capacidade, etnia, religião e assim por diante. Portanto, enquanto dedicamos um tempo para celebrar o quanto nossas diferenças agregam valor a cada um de nós, a nossas equipes e a toda a empresa, permitam-nos também refletir sobre como a aceitação dessas diferenças nos conecta de maneira real e autêntica. É quando descobrimos que temos mais características comuns do que aquelas que nos separam”, conclui Francinne.

Para conhecer mais sobre o posicionamento da Vale em relação a este tema, acesse a Política de Direitos Humanos e o Guia de Direitos Humanos.

Clique aqui e acesse o artigo completo da Francianne

O que significa LGBTQIA+?

Significa Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros, Intersexuais, Assexuais e o + engloba outras identidades. A letra Q significa "queer", um termo guarda-chuva pra definir quem vive sua sexualidade ou gênero fora das "regras" que a sociedade impõe.

Lésbicas e gays são pessoas que têm atração amorosa e sexual predominante pelo mesmo gênero. Já as bissexuais são aquelas que têm atração sexual por ambos os gêneros definidos pela sociedade (masculino e feminino).

Transexual é a pessoa que se identifica com um gênero diferente do que está na certidão de nascimento, e isso não está relacionado ao gênero pelo qual possui atração sexual. Intersexual é uma pessoa que nasce com as características genitais e/ou cromossômicas diferentes das definições de macho ou fêmea (exemplo: nascer com as duas genitálias ou com elementos dos dois sistemas reprodutores).

Já os assexuais são pessoas que não têm desejo sexual por nenhum gênero, mas podem ou não ter atração amorosa.

Quer saber mais? Clique aqui e confira um guia com explicação deste e muitos outros termos relacionados a comunidade LGBTQIA+

Por que o orgulho LGBT é celebrado em junho?

Imagine que você está em um bar com amigos e amigas e, de repente, a polícia chega no local e começa a agredir e prender boa parte das pessoas. Essa era a realidade no Stonewall Inn, bar frequentado pela comunidade LGBTQIA+ na década de 60 em Nova Iorque. Na época, era motivo de prisão se um homem não estivesse usando até três peças de roupa consideradas "masculinas" e o mesmo valia para mulheres com peças consideradas "femininas". Pessoas trans e drag queens eram presas automaticamente.

Na madrugada do dia 28 de junho de 1969, a polícia resolveu fazer mais uma batida no bar. Era a terceira vez em um espaço curto de tempo que policiais faziam essa ação em bares gays da região onde ficava Stonewall. Treze pessoas foram detidas, o que começou a gerar revolta pelos clientes e culminou na Revolta de Stonewall - um movimento civil pelos direitos LGBTQIA+. Foi esse episódio que abriu as portas para os primeiros grupos de ativismo LGBTQIA+ organizados nos EUA, no Brasil e no mundo. Por isso, o dia 28 de Junho até hoje é considerado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+.


Mês do orgulho LGBTQIA+: leia depoimento de gerente executiva da Vale sobre a importância de celebrar as diferenças