Relatório de Sustentabilidade 2015

Sobre a Vale

Relatório de Sustentabilidade 2015

​​


Atuação Global

Video ínicio

Sustentabilidade é um dos nossos pilares estratégicos. Buscamos respeitar a diversidade, privilegiar a saúde e segurança dos nossos empregados e estabelecer uma relação aberta e de desenvolvimento com as comunidades onde atuamos. Desde 2007, acionamos, anualmente, mais de mil empregados ao redor do mundo para coletar informações e construir o nosso Relatório de Sustentabilidade.

O ano de 2015 trouxe grandes desafios para a Vale. Passamos por um cenário externo desfavorável, cheio de incertezas, que levou à queda vertiginosa dos preços de nossos principais produtos. O acidente com a barragem de Fundão, da Samarco, em novembro do ano passado, foi motivo de grande tristeza. "Quem conhece a política de Saúde e Segurança estabelecida na Vale pode ter a dimensão de quão devastadora foi para nossa empresa a perda de 19 vidas* em decorrência do acidente", disse nosso diretor-presidente, Murilo Ferreira. A Vale reitera que continuará apoiando a Samarco em tudo o que for necessário para minimizar a dor das vítimas e os danos ambientais, e que faremos tudo o que for possível para estabelecer os mais altos parâmetros de segurança na indústria da mineração.

E, com o objetivo de prestar contas à sociedade de nossas ações, resultados e compromissos, lançamos o nosso 9º Relatório Anual de Sustentabilidade, elaborado de acordo com as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) e adota, pela primeira vez, a versão G4 em sua integralidade, na opção Abrangente.

Navegando pelo menu acima, você consegue, em um clique, conferir os destaques dos subtemas de seu interesse.

Para fazer o download do relatório completo basta clicar em “Links e Downloads”.

* 18 fatalidades e 1 pessoa ainda desaparecida

Destaques 2015

Aplicamos

US$ 800,1 milhões
em dispêndios socioambientais

71%
em ações ambientais

29%
em ações sociais

85%

Metas alcançadas de acordo com o KPI de Sustentabilidade, contemplado no programa de remuneração variável da Vale

130

licenças/autorizações ambientais

Recordes de produção

Em minério de ferro,
a produção foi de

345,9* milhões de toneladas

com recorde em Carajás
de 129,6 milhões de toneladas.

*Excluindo a produção atribuível à Samarco

Em metais básicos,
foram atingidas

291 mil toneladas

de níquel e

423,8 mil** toneladas

de cobre.

**Incluindo a produção atribuível à Lubambe

A produção de ouro foi de

420 mil onças

e a de cobalto, 4,5 mil toneladas
o que também configuram
recordes anuais.

Além do Relatório de Sustentabilidade
Iniciativas

Iniciativas

Conheça nossas iniciativas de sustentabilidade de uma forma multimídia:

Saiba mais
Ouvidoria

Ouvidoria

Nossa atuação é pautada em rígidas normas de ética e conduta. Conheça nosso canal de Ouvidoria.

Saiba mais

Entrevista

Gleuza Jesué, diretora de Meio Ambiente, fala sobre áreas protegidas e biodiversidade.



Comunidades

Acreditamos que o relacionamento pautado pela ética e transparência com as comunidades é fundamental para a sustentabilidade dos negócios. Para operarmos com segurança e convivermos bem com as comunidades, especialmente as vizinhas de nossas operações, procuramos gerenciar e mitigar os riscos e os impactos sociais, bem como entender suas necessidades e demandas, para construirmos juntos soluções que sejam sustentáveis para todos.

Alguns destaques:

Modelo de Gestão Integrada

5.132

demandas e reclamações das comunidades registradas, das quais 786 estão em tratamento, 257 não cabiam à empresa atender e as demais foram devidamente tratadas no decorrer do ano

90%

das compras foram realizadas nas localidades onde atuamos, gerando renda para as regiões

Fundação Vale

Aliada à nossa missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável, a Fundação Vale busca avanços nas dimensões econômica e social nos territórios onde atuamos.

Interface com 49 comunidades tradicionais e
12 povos indígenas, no Brasil,

com os quais mantemos acordos, programas de mitigação
de impactos ou ações de relacionamento

Cases

Pronatec

Em 2015, firmamos uma parceria com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) para possibilitar que instituições de ensino formem e qualifiquem mão de obra de nível operacional, o que resultou na oferta de 790 vagas no âmbito do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec – Setor Produtivo).



Pessoas

Reafirmamos o compromisso de valorizar e apoiar o desenvolvimento de nossos empregados. Por meio de práticas, processos e, fundamentalmente, de nossa Política de Recursos Humanos, reforçamos os princípios de promoção da meritocracia, colaboração, melhoria contínua e valorização dos empregados.

Alguns destaques:

Distribuição dos empregados próprios e terceiros por região

Empregados por região

Mais de

166 mil

empregados próprios e terceirizados,
sendo 78% no Brasil

72%

dos empregados contratados localmente

Distribuição dos empregados próprios por estado brasileiro

Empregados por estado

Cerca de

18% de redução

em relação ao ano anterior, de volume de empregados sem escolaridade básica

Cases

Em Omã, treinamento visa à
redução de impacto ambiental

Alinhado aos valores globais da Vale “Valorizar quem faz a nossa empresa”, “Cuidar do nosso planeta” e “Fazer acontecer”, o Departamento de Engenharia da empresa em Omã conduziu recentemente iniciativas de formação de colaboradores para que aperfeiçoem seus conhecimentos a respeito do Hosch D2 Raspador, utilizado pela primeira vez nas operações da Vale, e que será expandido globalmente. O equipamento integra um conjunto de soluções desenvolvido para melhorar os sistemas de limpeza de correias transportadoras. O treinamento (teórico e prático), ministrado aos 36 profissionais da área de manutenção e inspeção,além de prestadortes de serviço, possibilitou conhecer as características da inovação para uma atuação em equipe, de forma mais otimizada e segura, também no sentido de minimizar os impactos ambientais de suas atividades.



Saúde e Segurança

Para nós, a vida é mais importante do que a produção e, por isso, investimos em políticas e procedimentos elaborados para minimizar riscos e proteger vidas. Durante nosso Dia de Reflexão, disseminamos internamente o conceito do Cuidado Ativo Genuíno, que tem como princípio a interdependência em saúde e segurança e significa cuidar de si próprio, cuidar do outro e permitir que os outros cuidem de você. Para assegurar a perda zero, temos investido continuamente no nosso bem mais precioso: as pessoas. “Cuidar das pessoas” é um de nossos cinco pilares estratégicos e “A vida em primeiro lugar” é um dos nossos valores.

Cuidado Ativo Genuíno

O conceito significa cuidar de si, cuidar do outro e deixar que os outros cuidem de você e foi disseminado em nossas ações de engajamento no ano

106 mil

Mais de

3 mil

Empregados e contratados que participaram do Dia de Reflexão sobre as fatalidades para intensificar os esforços coletivos para atingirmos a Zero Dano

líderes participaram em treinamentos relacionados à tomada de decisão visando à prevenção de acidentes

Sistema de Gestão de Saúde e Segurança e Meio Ambiente

A Vale iniciou em 2014, o trabalho de integração do Sistemas de Gestão de Saúde, Segurança e Meio Ambiente, lançando em 2015 o Manual do Sistema de Gestão Integrado (SGI) de SSMA. A aderência ao Sistema de Gestão integrado foi de 66,6%, superior à meta de 59,9%, definida no ano anterior.

Taxa de lesões com afastamento *

*Número de acidentes com afastamento/ HHT X 1 MM

Cases

Projeto Ferro Carajás S11D

O projeto S11D, no Complexo Minerador de Carajás (PA), previsto para entrar em operação em 2016, é um exemplo do nosso compromisso com o uso de tecnologias operacionais inovadoras. Uma delas é o sistema Truckless, que será adotado para o transporte do minério de ferro da mina até a usina.

Com ele, em vez dos 100 caminhões que seriam necessários para cumprir a tarefa, uma estrutura composta de escavadeiras e britadores móveis extrairá o produto e alimentará 37 quilômetros de correias transportadoras, que levam o minério até a usina de processamento.

Essa substituição reduzirá a quantidade de trabalhadores expostos ao risco, além de oferecer uma operacionalização mais segura, já que a operação de equipamentos móveis, na qual se incluem os caminhões, é a atividade mais crítica para a ocorrência de acidentes fatais em nossa empresa.

Saiba mais sobre o S11D



Mudanças Climáticas e Energia

Em 2015, as negociações globais relacionadas a mudança do clima avançaram com a adoção do Acordo de Paris, a Vale pretende contribuir com esse empenho coletivo por meio de ações e compromissos expressos em sua Politica Global de Mitigação e Adaptação as Mudanças Climáticas.

Alguns destaques:

5%

Meta de redução de emissões diretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) em 2020

Selo Ouro

Selo Ouro

Pela sexta vez consecutiva, tivemos nosso Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) classificado com o selo Ouro do Programa Brasileiro do GHG Protocol

Aumento de 5%

na participação de fontes de
energia renovável nos
últimos 3 anos

25%

da nossa matriz energética é composta por energia renovável

Redução em cerca de 1,0 milhão de tCO2e

Considerando a carteira dos projetos da Meta Carbono e adicionais, em 2015 a Vale reduziu suas emissões diretas em cerca de 1,0 milhão de tCO2e, implantou 8 projetos e manteve 18 em andamento

Case

Engajamento reduz consumo de óleo e evita custos

Visando à redução de perdas de produção e desperdício, passou a ser adotado, na Operação de Mina do Complexo Taquari Vassouras, em Rosário do Catete (SE), o método Floor Management Development System (FMDS, sigla em inglês para Sistema de Desenvolvimento do Gerenciamento do Chão de Fábrica).

A ferramenta dá suporte ao gerenciamento da rotina, à exposição dos problemas e ao desenvolvimento e engajamento das equipes internas para solucionar os gaps detectados.

A partir de um plano de capacitação para a condução da iniciativa, foram ministradas mais de 1,1 mil horas de treinamentos, o que resultou no envolvimento dos operadores e mantenedores para a aplicação de mais de 300 kaizens (pequenas melhorias) em suas atividades.

Assim, foi possível reduzir o consumo anual de óleo hidráulico em 29%, o que corresponde a um custo evitado de U$ 160 mil e a um aumento das horas trabalhadas de 22,8%. Essa economia de recursos e tempo contribuiu para a elevação de 13,8%, em relação ao ano anterior, do run-of-mine (ROM), ou seja, a produção bruta, movimentada em 2015.

Economia de combustível na EFC

Uma ferramenta visual de auxílio à tomada de decisão para o controlador de tráfego foi criada pela equipe do Centro de Controle Operacional da Estrada de Ferro Carajás (EFC) para reduzir o número de paradas de trens carregados em pátios onde há alto consumo de combustível. Ela permite uma redução estimada de consumo de 800 mil litros de combustível por ano, com a ferrovia operando em condições normais, o que equivale à quantidade necessária para abastecer 14 mil carros populares.

Ao longo da ferrovia, alguns trechos, em especial os de aclive, demandam maior consumo de combustível. Por meio de uma escala de cores, a ferramenta indica exatamente quais são esses locais e, assim, possibilita aos controladores ajustarem a programação de trens para evitar paradas neles.

Em apenas uma escolha feita pelo controlador, é possível gerar redução de até 708 litros de combustível por trem.



Água

Buscamos garantir a conservação da água por meio de iniciativas que vão além do atendimento aos requisitos legais. Atuamos em diferentes instâncias: do desenvolvimento de tecnologias inovadoras à participação na construção de instrumentos legais de gestão de recursos hídricos.

Alguns destaques:

US$ 161 milhões

Investimentos direcionados ao gerenciamento de recursos hídricos, equivalentes a 28% dos nossos dispêndios ambientais

82%

Água recirculada e reutilizada em nossas operações em 2015, o que equivale a 1,6 bilhão de m³ de água

Recursos hídricos

Investimos em tecnologias e ações de controle da demanda total dos recursos e em
iniciativas que ultrapassam o atendimento aos requisitos legais

80%

de água reutilizada com o sistema robotizado de lavagem dos caminhões fora de estrada, na região Norte do Brasil

Redução de

1,8 milhão

de m³ de água utilizada em nossos processos em relação a 2014

Cases

Redes Integrada e Consorciada de Monitoramento
da Qualidade das Águas Superficiais

A rede tem como objetivo otimizar e ampliar o monitoramento dos recursos hídricos das bacias dos rios das Velhas, Paraopebas, Piracicaba, Carmo e Santo Antônio, onde estão localizadas unidades operacionais da Vale. Estabelecemos parcerias com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas e com as Superintendências Regionais de Regularização Ambiental (SUPRAMs).O projeto também foi desenvolvido no âmbito da Diretoria de Ferrosos Norte e do Projeto S11D, bacia hidrográfica do rio Itacaiúnas.



Áreas protegidas
e Biodiversidade

Desenvolvemos nossa estratégia global para a biodiversidade alinhada à nossa Política de Desenvolvimento Sustentável, de forma a mitigar os impactos do uso da terra, recuperando e conservando territórios nas regiões onde atuamos. Para isso, consideramos serviços ecossistêmicos relevantes associados à água, a mudanças climáticas, à energia e comunidade, bem como às especificidades das regiões visando à busca do impacto líquido positivo no longo prazo.

Alguns destaques:

5,3 vezes

É quanto a área que protegemos, entre iniciativas próprias e por meio de parcerias, supera o total de nossa área operacional

8,2 mil km2

de áreas naturais protegidas

>

Desse total,

95,8%

foram protegidas por meio de parcerias

279 mil km2

de áreas naturais protegidas

Contribuição do Fundo Vale para proteção e/ou desenvolvimento sustentável em 7 estados do Brasil

600 mil mudas

De 63 espécies diferentes, em desenvolvimento na biofábrica instalada pela Vale no Quadrilátero Ferrífero, focada exclusivamente na preservação da biodiversidade vegetal

70%

das nossas áreas operacionais*, avaliadas com relação ao risco para a biodiversidade considerando critérios definidos de acordo com a localização em relação as áreas globalmente relevantes, são classificadas como alto e médio risco para a biodiversidade

* Esses números correspondem às Unidades Operacionais da Vale, considerando atividades de exploração mineral e processamento, produção industrial, transporte de minérios.

Case

Programa de Áreas Protegidas e
Biodiversidade do Fundo Vale

Com foco na conservação e contenção do desmatamento ilegal, o Programa atua por meio de parcerias com instituições socioambientais, governo e comunidades locais para a gestão integrada das áreas protegidas, apoiando ações de fortalecimento da governança ambiental, a formação de cadeias de valor da sociobiodiversidade e o monitoramento estratégico do território.

Samarco
e barragens

A Vale como acionista da Samarco, tem, desde o primeiro momento do acidente da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana (MG), adotado comportamento ético e socialmente responsável, não poupando esforços para apoiar no atendimento principalmente das pessoas afetadas. Além disso, investimos continuamente em processos, sistemas e instrumentos para automação do monitoramento das nossas barragens. Assim, vem reduzindo ano a ano a geração de resíduos minerometalúrgicos.

99%

das famílias de Mariana e Barra Longa impactadas pelo acidente estão em casas alugadas ou de familiares

R$ 100 mil

Antecipação de indenização para cada família com pessoas desaparecidas ou falecidas em decorrência do acidente

Cerca de 800

pessoas afetadas em Mariana e Barra Longa tiveram o perfil profissional levantado pela Samarco, para reintegração às funções anteriores

Clique aqui para saber as últimas informações sobre o acidente

US$ 78,4 milhões

Investimentos direcionados à gestão de resíduos, equivalentes a 13,7% dos nossos dispêndios ambientais

Barragens

A empresa investe continuamente em melhoria de processos, sistemas e instrumentos para automação do monitoramento de barragens

Redução de 85 milhões de toneladas

de resíduos minerometalúrgicos nos últimos três anos

Cases

Uso de resíduos na indústria de cimento

O projeto busca a reutilização de rejeitos ricos em sílica na indústria cimenteira. O material tem potencial para ser usado como elemento corretivo e substituir a areia primária, não renovável, no processo produtivo do cimento. Nos últimos anos, a indústria cimenteira do Brasil produziu cerca de 70 milhões de toneladas anuais, utilizando de 0,7 a 3,5 milhões de toneladas de corretivo de sílica.

O produto é vital para minimizar variações químicas durante a produção do clínquer, otimizando o controle de três importantes indicadores: Fator de Saturação de Cal, Índice de Sílica e Índice de Alumina. Em muitos casos já testados, o teor de sílica nos rejeitos da Vale excede o teor de sílica de fontes primárias, o que pode representar vantagem competitiva para as empresas cimenteiras.

Além do corretivo de sílica, as unidades de cimento utilizam materiais ricos em ferro, como a pirita, para controlar os níveis de óxido de ferro. Os três indicadores que reduzem as variações químicas precisam de alguma quantidade de óxido de ferro. O fato de os rejeitos ricos em sílica também conterem minério de ferro residual, portanto, pode representar outra vantagem em relação a fontes primárias de areia e fontes secundárias de sílica. Por outro lado, minério de ferro residual em excesso pode prejudicar o controle de qualidade nas plantas de cimento e, assim, rejeitos ricos em sílica (e mais pobres em ferro) são mais apropriados.