29/11/2016

Vale apresenta planejamento estratégico para 2017

Como já é tradição, a diretoria executiva tocou o sino na abertura do Vale Day em Nova York. Assista!

A Vale apresentou hoje as perspectivas para o próximo ano em encontro com investidores e jornalistas em Nova York. O diretor-presidente Murilo Ferreira abriu o encontro, transmitido ao vivo pela internet, destacando que 2016 foi um ano muito importante para a empresa, que alcançou níveis sem precedentes de eficiência operacional e produtividade. Para isso, a empresa se baseou em quatro iniciativas principais.

  • Licenças ambientais

    Melhora do processo de licenciamento ambiental, que resultou em mais de 300 licenças desde 2011.

  • Implementação de projetos

    Entrega de 18 grandes projetos de investimento desde 2012, sendo que os principais foram entregues dentro do orçamento e no prazo planejado

  • Redução de custos e despesas

    Redução de mais de 30% em custos e mais de 80% nas despesas desde 2012, apesar do aumento de volume e das pressões inflacionárias.

  • Gestão de portifólio

    Decisão estratégica de otimizar o portfólio de ativos através de desinvestimentos que somaram aproximadamente US$ 13 bilhões em ativos non-core nos últimos seis anos.

Apesar de celebrarmos os progressos alcançados, ainda não estamos satisfeitos. Nosso foco principal segue sendo o fortalecimento do nosso balanço. Queremos alcançar uma dívida líquida de US$15 a US$17 bilhões, mantendo nosso compromisso com o retorno aos acionistas e dividendos. Estou confiante de que, mais do que nunca, a Vale está bem posicionada para gerar grandes retornos para seus acionistas”

Murilo Ferreira - diretor-presidente da Vale.

O executivo ressaltou que a Vale pagará dividendos este ano, pois confia no resultado das iniciativas em curso e nas perspectivas mais amplas do mercado. Segundo ele, isso reforça o compromisso da empresa com seus acionistas, mas não afasta o objetivo de reduzir a alavancagem no curto prazo.

Downloads e replays

Assista ao replay da webcast e faça download da apresentação.

Veja os destaques abaixo:

Recursos Humanos e Sustentabilidade

Dir. Clovis Torres

  • Saúde e segurança

    Gestão da segurança: 18% de redução na taxa de incidentes

    Gestão de risco: 17% de redução no número de incidentes com alto impacto potencial

    Zero Dano nas nossas operações é o nosso principal objetivo

  • Meio ambiente

    Recursos hídricos: 85% de reciclagem e reuso no processo

    Emissões atmosféricas: 19% de redução na emissão de partículas nas plantas pelotizadoras

    O S11D é referência de sustentabilidade aplicada a projetos de grande escala

  • Desenvolvimento local

    Investimento socioambiental: US$ 800 milhões investidos

    Estímulo à economia regional: 8% de aumento de compras locais, totalizando 72%

    Fundação Renova tem trabalhado diligentemente para remediar e compensar os danos da ruptura da barragem da Samarco

Ferrosos

Dir. Peter Poppinga

  • Avanço na implementação de projetos

    Desenvolvimento contínuo do Projeto S11D, que irá alcançar sua capacidade máxima em 2018

    O projeto S11D será a operação de menor custo de minério de ferro do mundo

    Entrega do berço norte no Pier IV, em Ponta da Madeira

    Avanço consistente no ramp-up de projetos estratégicos, como o Sistema Norte e Itabiritos

  • Ganhos de produtividade

    Ganhos substanciais de produtividade por toda a cadeia integrada de valor

    A recuperação global melhorou de 45% nos 9M15 para 48% nos 9M16

    O volume de blendagem aumentou de 18 Mt em 2015 para 40 Mt em 2016

    A realização de preço melhorou em relação aos competidores em 2016, eliminando a antiga diferença competitiva entre a Vale e seus pares

  • Melhoria na margem

    Melhorias significativas na margem

    Redução do custo caixa C1 em reais de 23% no 3T16 vs. 4T14

    O caixa break-even de minério de ferro e pelotas reduziu 53% no 3T16 vs. 4T14

    A realização de preço melhorou para 110% da média do Platts IODEX 62% no 1S16

Metais básicos

Dir. Jennifer Maki

  • Entrega de projetos

    Produção de níquel aumento 21% e a de aumentou 24% desde 2013

    Produção da Nova Caledônia acima de 140%

    Produção de Salobo aumentou 173%

    Sudbury está em transição para operação de forno único com redução de custo direto permanente de US$ 42 milhões em 2018

  • Otimização da cadeia de suprimentos

    Ganhos de produção em toda a cadeia de suprimentos

    Os custos de VNC diminuíram US$110 milhões em relação a 2015

    Redução de US$17 milhões de custos de Salobo comparado a 2015, enquanto a produção aumentou 14%

  • Aumento de margem

    Diminuição significativa de custos e despesas desde 2013

    Custos unitários de níquel caíram 31% e de cobre 58%

    Despesas diminuíram em 75%

Carvão

Dir. Roger Downey

  • Entrega de projetos

    Corredor Logístico de Nacala é uma realidade, permitindo uma expressiva redução de custos

    Aumento da produção de Moatize contribuirá para novas reduções de custos e aumentos de geração de caixa

  • Ganho em produtividade

    Melhorias na disponibilidade, utilização e produtividade de equipamentos resultaram em produção recorde em setembro de 2016 (756 kt)

    Produção de Moatize aumentou 4% ano contra ano e 40% trimestre contra trimestre

  • Aumento de margem

    Redução de 14% (ano contra ano) nos custos e despesas, apesar do aumento dos volumes de vendas de carvão

    EBITDA ajustado das operações em Moçambique melhorou mais de 30% ano contra ano, de -US$ 366 milhões nos 9M15 para -US$ 247 milhões nos 9M16

Fertilizantes

Dir. Roger Downey

  • Preço

    Redução acentuada dos preços médios em 9M16 vs 9M15

    MAP: -28% e TSP: -25%

    Potássio: -16% e Ureia: -29%

  • Volume de vendas

    Aumento nas vendas de Potássio, Nitrogênio e DCP (ração animal)

    Queda para Rocha Fosfática, MAP e SSP nos 9M16 vs9M15

    Potássio: 7%, nitrato de amônio: +3%, DCP: +10%

    Rocha Fosfática: -5%, MAP: -1%, SSP: -11%

  • Projeto de substituição

    Progressão do projeto de reposição de ROM de fosfatados

    Capex dentro do orçamento

    Início planejado para 1S17

Finanças

Dir. Luciano Siani Pires

  • Competitividade

    Esforços contínuos para reduzir custos e despesas ajudaram no ganho de competitividade em 2016

    Redução da diferença competitiva em minério de ferro e metais básicos

    Recuperação das operações com resultados negativos

  • Capex

    Conclusão do ciclo de investimentos

    Capex da Vale volta para o patamar dos competidores

    Redução dos investimentos de capital e manutenção com contínua disciplina na alocação de capital

  • Alavancagem financeira

    Foco contínuo na redução da alavancagem por meio da geração de caixa e desinvestimentos

    Meta de dívida líquida de US$ 15-17 bilhões em 2017

Confira fotos do Vale Day

​​​​​

Vale apresenta planejamento estratégico para 2017