Sustentabilidade

Amazônia

Amazônia

A Amazônia abriga 50% da floresta tropical do mundo, a maior bacia hidrográfica, um quinto da água doce, 400 bilhões de árvores, 20% da diversidade de espécies da Terra e armazena entre 150 e 200 bilhões de toneladas de carbono.

A Vale está há mais de 30 anos na Amazônia, ajudando a proteger, em parceria com o ICMBio, cerca de 800 mil hectares de floresta, área equivalente a cinco vezes a cidade de São Paulo, que representam um estoque de 490 milhões de toneladas de carbono equivalente.

Protetores da Floresta
Por Dentro do ITV
Plano de Gestão da
Biodiversidade de Carajás
Imagem de um homem com uma águia

Protetores da Floresta: uma jornada Amazônia adentro pelos olhos de quem atua diariamente mantendo a floresta viva.

A floresta faz uma conexão profunda entre flora e fauna integradas em perfeito equilibrio. Durante décadas, a ação humana desequilibrou esse sistema. Agora, centenas de protetores da natureza atuam para conservar a vegetação, brasileira. Vem aí a série Protetores da Floresta: uma jornada Amazônia, adentro pelos olhos de quem atua diariamente mantendo a floresta viva.

Veja mais

Dentro de um laboratório ou no meio da floresta amazônica, pesquisadores do Instituto Tecnológico Vale Desenvolvimento Sustentável, localizado em Belém, desbravam o universo da ciência e pesquisa na nova etapa da série "Por Dentro do ITV". A segunda temporada é narrada pelos pesquisadores do Instituto que mostram ao público a importância da pesquisa científica em projetos e iniciativas para a conservação da biodiversidade amazônica.

Assista abaixo os 4 episódios lançados em 2021.

Bioeconomia e pesquisa científica DNA da Amazônia

Águas de Carajás Polinizadores da Floresta (em breve)

Com o Plano de Gestão da Biodiversidade de Carajás a Vale demonstra o seu compromisso com a gestão da Biodiversidade em suas operações. O documento é vivo e traz as ações da empresa para evitar, mitigar, restaurar e compensar os possíveis impactos das operações. Mas vamos além, queremos mostrar nossa contribuição para conservação da fauna e flora no Mosaico de Carajás e seus serviços ecossistêmicos, fundamentais para a vida das pessoas e as futuras gerações.

Conheça em breve os cinco episódios da série.

Cenário

Todos os anos, a floresta desaparece em taxas alarmantes como consequência das queimadas, da grilagem e da extração ilegal de madeira. Com isso, compromete-se a biodiversidade.

São 25,5 milhões de habitantes, cerca de 325 mil são indígenas que há milhares de anos vivem na Amazônia.

É urgente manter a floresta de pé, valorizar e promover oportunidades de desenvolvimento sustentável para as populações locais. É também fundamental fomentar a bioeconomia e criar um ambiente de negócios favorável para a conservação e valorização das florestas nativas.

Imagem animada de um mapa visual da ocupação do solo da amazônia entre os anos de 1973 e 2019 Imagens de satélite mostram a evolução do uso e ocupação do solo da região e que apenas a área protegida permanece conservada

Unidades de conservação

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Vale trabalham para a conservação da maior área de floresta contínua nas regiões sul e sudeste do Pará. A importância desta parceria pode ser evidenciada em uma linha do tempo que demonstra a evolução do uso e a ocupação do solo e mostra que a paisagem de áreas florestadas na região está restrita às unidades de conservação nas quais a Vale atua junto com o órgão ambiental e terras indígenas.

A conservação deste espaço contribui para o combate ao aquecimento global, em virtude da manutenção do estoque de carbono florestal, evitando emissões de gases que causam o efeito estufa por desmatamento e degradação florestal.

Essas unidades de conservação integram uma área de mais de 1 milhão de hectares de floresta que a Vale protege, ajuda a proteger e a manter em parceria, o que representa um estoque de carbono de aproximadamente 600 milhões de toneladas de CO2e.

Fundo Vale na Amazônia

O Fundo Vale completou a trajetória de dez anos de atuação no Bioma Amazônico em 2020. É o território que contou com a maior contribuição do Fundo e onde a organização construiu uma rede de relacionamentos que envolve mais de 30 instituições de referência na área socioambiental. Conheça as ações do Fundo Vale em www.fundovale.org

Combate ao desmatamento

O Fundo Vale em conjunto com a Microsoft e o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) apoiou o desenvolvimento da ferramenta PrevisIA, lançada em junho de 2021, que antecipa informações de regiões com maior risco de desmatamento e incêndios na Amazônia por meio de Inteligência Artificial (IA).

A PrevisIA analisará dados diversos, como topografia, cobertura do solo, infraestrutura urbana, estradas oficiais e não oficiais e dados socioeconômicos para identificar possíveis tendências de conversão da floresta pelo desmatamento. As informações serão divulgadas publicamente em um painel de controle da iniciativa e poderão ser usadas por órgãos públicos para o planejamento e execução de ações preventivas, de combate e controle do desmatamento.

Quer conhecer as operações da Vale no sudeste do Pará?

Venha fazer uma visita virtual e conhecer de perto como atuamos com uma mineração responsável na Amazônia. https://visiteavale.com.br/

Projeto Horizontes

Esta parceria em prol da conservação ambiental ganhou, em 2020, um reforço com o Projeto Horizontes, que deverá contribuir com a recuperação e com o uso sustentável de áreas do entorno dessas unidades de conservação no Pará, formando importantes corredores. Isso será feito por meio da implantação de sistemas agroflorestais, nos quais o plantio de árvores e arbustos são consorciados com culturas agrícolas ou criação de animais que, além de gerar renda para as comunidades, formam corredores ecológicos que favorecem a proteção da biodiversidade.

Assim, o projeto une conservação com geração de renda e preservação dos rios, além de contribuir para a mitigação de emissões de gases de efeito estufa através do “sequestro” de carbono.

Para realizar o projeto Horizontes, a atividade da Vale está baseada em cinco subprojetos interligados:

Ilustração de mão segurando planta

Licenciamento ambiental

O fortalecimento da gestão do conhecimento a respeito do licenciamento ambiental trará celeridade, assertividade e efetividade às condições específicas.

Ilustração de pá com terra e uma planta nascendo nele

Diversificação do uso do solo

Ampliação da matriz econômica da região, com foco em atividades agroflorestais e agroextrativistas. Isso gerará renda a pequenos agricultores com o plantio de culturas agrícolas consorciado a florestas, por exemplo.

Ilustração de gotas de água

Conservação de recursos hídricos

Para trabalhar com a Bacia do Rio Itacaúnas, a principal da região, é importante tratar os diversos usos do solo de forma sustentável.

Ilustração de um caderno estilo agenda com uma caneta ao lado

Regularização fundiária

Há necessidade de gerir o uso do solo para solucionar possíveis entraves ligados à ocupação de áreas.

Ilustração de uma arara em cima de um galho

Monitoramento da biodiversidade

Trata da ampliação do conhecimento acerca das Unidades de Conservação, incentivando a geração de pesquisas.

Conheça outras iniciativas para conservação do meio ambiente na região

Recuperação de áreas degradadas em Canaã dos Carajás (PA)
Ilustração de árvores

Estamos promovendo o reflorestamento das áreas de pastagens que adquirimos em Serra Sul, criando verdadeiros corredores ecológicos, restabelecendo a fauna e a flora da região.
Desde a criação do projeto foram plantados 1.045 hectares e 3.853 estão em regeneração.

Produção de mudas para recuperar as áreas de preservação permanentes (APP)
Ilustração de plantas

O processo de revegetação é feito com o plantio de espécies nativas da Flona de Carajás. O Viveiro Florestal da Vale em Carajás produz cerca de 200 mil mudas por ano, atingindo uma média de 120 espécies.

Pesquisas do Instituto Tecnológico Vale
Ilustração de um microcoscópio

O ITV realiza pesquisas com ênfase no desenvolvimento sustentável e mineração. Dentre os projetos, está o Capital Natural: uma iniciativa que lida diretamente com o estoque de carbono na Floresta Nacional de Carajás. As pesquisas buscam estabelecer uma relação entre a regulação do microclima nas áreas das florestas e as possíveis implicações em caso de perda de vegetação. Esses estudos ajudam a entender futuros cenários de acordo com as mudanças climáticas, prever o desaparecimento ou a permanência de florestas e perceber os tipos de vegetação que compõem originalmente uma região.

Parcerias e investimentos

Na última década, por meio do Fundo Vale, a empresa apoiou mais de 70 iniciativas de instituições de pesquisa, governos, ONGs e startups para a proteção de mais de 23 milhões de hectares de floresta.

Com a Fundação Vale, foram realizados investimentos em projetos sociais no Pará e no Maranhão, nas áreas de saúde, educação, cultura e geração de renda.

E, com o Instituto Tecnológico Vale, a empresa investiu em pesquisas em áreas como biodiversidade, estudo dos genomas de espécies e mudanças climáticas. Todas estas iniciativas somadas representaram R$ 792 milhões em investimentos.

Metas e próximos passos

Além das ações mencionadas, a empresa anunciou novas medidas para a mitigação do aquecimento global, alinhadas com o Acordo de Paris. Serão investidos ao menos US$ 2 bilhões em iniciativas de redução de emissões nos próximos 10 anos. O objetivo é diminuir em 33% as emissões absolutas diretas e indiretas (escopos 1 e 2) em 2030. Além disso, a Vale assumiu os compromissos de proteger e recuperar 500 mil hectares de florestas e de alcançar a autossuficiência energética através de fontes renováveis - no Brasil em 2025 e, globalmente, em 2030.

Leia o manifesto da Vale pelo dia da Amazônia

Clique aqui
Amazônia