Protetores da Floresta

Sustentabilidade

Protetores da Floresta

1 sem título
A floresta fala.
Mas antes de ouvi-la,
nós precisamos
enxergá-la de perto.

Durante décadas, a ação humana desestabilizou o perfeito equilíbrio entre flora e fauna. Nesta jornada Amazônia adentro, vamos reconstruir a história para encontrar o caminho da conexão com a natureza e descobrirmos quem são os Protetores da Floresta.

Pelo olhar detalhista de cada uma das pessoas que atuam para manter a floresta nativa de pé, a série documental idealizada pela Vale mostra os projetos, pesquisas e, principalmente, quem são as pessoas que dedicam tempo integral à conservação da Amazônia, com seus relatos e experiências únicas. A série é dividida em quatro episódios temáticos: “Conservação”, “Ciência e Pesquisa”, “Parcerias Institucionais” e “Recuperação”. A iniciativa resultará em um documentário de 47 minutos, veiculado nos canais Discovery.

Episódio 1

Conservação: Guiados pelo biólogo André Rezende e pelo parabotânico Delmo, conheceremos a biodiversidade existente na Floresta Nacional de Carajás, o Parque Zoobotânico Vale e, entre as espécies, a famosa Ararajuba, ameaçada de extinção.

Episódio 2

Parcerias institucionais: Em uma viagem de helicóptero, o episódio mostra parcerias importantes que contribuem para a conservação da floresta.

Episódio 3

EM BREVE - Recuperação: A castanheira é um ícone da Floresta Amazônica, mas restrita a algumas unidades de conservação. Pesquisadores nos mostram a complexa operação para manutenção desta espécie em um episódio sobre a recuperação de áreas degradadas.

Episódio 4

EM BREVE - Ciência e Pesquisa: É hora de conhecer o DNA da Floresta, os códigos genéticos que revelam informações importantes e apontam novos e promissores caminhos para a ciência.

Saiba como a
Vale está atuando
Arraste
Parcerias institucionais

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Vale trabalham para a proteção da maior área de floresta contínua nas regiões sul e sudeste do Pará. A preservação deste espaço contribui para o combate ao aquecimento global, em virtude da manutenção do estoque de carbono florestal. Este é só um dos exemplos de parcerias feitas pela Vale em prol da Amazônia.

+
Conheça outros projetos parceiros
Recuperação

A Vale está promovendo o reflorestamento de áreas de pastagens que adquiriu em Serra Sul, no Pará, criando verdadeiros corredores ecológicos e restabelecendo a fauna e a flora da região. Desde a criação do projeto, 1.045 hectares foram reflorestados e 3.853 estão em regeneração, por meio de parcerias estabelecidas pelo Fundo Vale.

+
Conheça outros projetos de biodiversidade
Ciência e pesquisa

Por meio do Instituto Tecnológico Vale (ITV), a empresa investiu R$ 792 milhões em pesquisas em áreas como biodiversidade, estudo dos genomas de espécies e mudanças climáticas. O ITV realiza pesquisas com ênfase no desenvolvimento sustentável e mineração, com estudos que ajudam a entender cenários de acordo com as mudanças climáticas, prever o desaparecimento ou a permanência de florestas e perceber os tipos de vegetação que compõem originalmente uma região.

+
Conheça o ITV
Conservação

O Parque Zoobotânico, mantido e administrado pela Vale, está localizado dentro da Floresta Nacional de Carajás, em uma Unidade de Conservação Federal. Criado em 1985, ele abriga exclusivamente espécies nativas da fauna e flora amazônicas em uma área preservada de 30 hectares. Ali, espécies de aves, cutias  e macacos vivem livremente nas áreas de visitação, proporcionando aos visitantes uma experiência única de imersão na floresta amazônica.

+
Saiba mais sobre o Parque Zoobotânico
Depoimentos
A biodiversidade é importante para a humanidade porque é dela que vêm os remédios e os serviços ecossistêmicos, que, até pouco tempo atrás, não se dava tanto valor. Essa é uma das últimas áreas conservadas do sudeste do Pará, com mais de um milhão de hectares. Certas espécies ameaçadas, como o gavião-real, só ocorrem aqui.
André Cardoso
Biólogo
Quando começamos o trabalho no ambiente de cangas na Floresta Nacional de Carajás, pensamos que existiam cerca de 200, 300 espécies que habitavam aquele lugar e acabamos por identificar mais de 1.100 espécies. Fazemos o trabalho de estudo genético com as plantas, os animais, os peixes e a água, que tem uma particularidade porque ela que capta toda a informação da floresta. O DNA de toda essa biota que a gente vê ao redor está na água. É um trabalho que chamamos de metagenômica ou metabarcode, quando a gente extrapola do estudo de uma espécie e tenta captar toda a informação de biodiversidade com uma amostra ambiental. Não podemos perder esse patrimônio genético antes de entendê-lo
Guilherme Oliveira
Gerente de Conhecimento Científico do ITV.
O sistema florestal maduro é resultado de milhões de anos de aprendizado por seleção natural que estão acumulados ali. Quando a gente pega esse sistema e aprende por meio dele, a gente consegue criar sistemas produtivos que nos servem. É por isso que essa prática é tida agricultura regenerativa, por essa característica de regenerar a vida no solo e, a partir dele, a gente crescer.
Marco Oliveira Bellotti
Engenheiro agrônomo Earth University e consultor nos Sistemas Agroflorestais em Canaã dos Carajás.
O extrativismo é vida: a gente vive da mata e com a mata, vivemos em harmonia com ela. O meu sonho é um dia ver a cooperativa como referência, não só para as cooperativas paraenses mas para as cooperativas mundiais. Na floresta também tem gente e que sobrevive dela em pé.
Ana Paula Ferreira
Presidente da Cooperativa Extrativista da Flona Carajás.
Amazônia
É urgente manter a floresta de pé, valorizar e promover oportunidades de desenvolvimento sustentável para as populações locais. A Vale está há mais de 30 anos na Amazônia, ajudando a proteger cerca de 800 mil hectares de floresta, área equivalente a cinco vezes a cidade de São Paulo. Conheça outras iniciativas para conservação do meio ambiente na região