Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Untitled 1

Brumadinho

No dia 25 de janeiro de 2019, a Barragem I, na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), se rompeu. Desde as primeiras horas após o rompimento da barragem, a Vale tem dado apoio aos atingidos e às suas famílias. Diversas ações para reparação têm sido realizadas nos âmbitos social, ambiental, de infraestrutura e de segurança. Seguimos investindo em iniciativas que visam ao desenvolvimento de uma mineração sustentável, reduzindo impactos e atuando com a sociedade, de maneira transparente, para mitigar ainda mais os riscos associados às nossas operações.

Sobre a barragem:

A Barragem I da Mina Córrego do Feijão tinha como finalidade a disposição de rejeitos provenientes da produção e ficava situada em Brumadinho (MG). A mesma estava inativa (não recebia rejeitos), não tinha a presença de lago e não existia nenhum outro tipo de atividade operacional em andamento. Naquele momento, encontrava-se em desenvolvimento o projeto de descaracterização da barragem.

A barragem foi construída em 1976, pela Ferteco Mineração (adquirida pela Vale em 27 de abril de 2001), pelo método de alteamento a montante. A altura da barragem era de 86 metros e o comprimento da crista era de 720 metros. Os rejeitos dispostos ocupavam uma área de 249,5 mil metros quadrados e o volume disposto era de 11,7 milhões de metros cúbicos.

Sobre as investigações:

Painel de Especialistas

No dia 12 de dezembro de 2019, o Painel de Especialistas, contratado pelo assessor jurídico externo da Vale para avaliar as causas técnicas do rompimento da Barragem I da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, divulgou seu relatório. O Painel de Especialistas, cuja composição foi divulgada em 8 de fevereiro de 2019, foi instruído a utilizar sua experiência profissional e julgamento para investigar e relatar sobre as causas técnicas da ruptura da barragem. O relatório do Painel de Especialistas, dez apêndices integrantes do documento e um breve vídeo explanatório estão disponíveis em  http://www.b1technicalinvestigation.com/pt/.

Relatório do Comitê de Apuração (CIAE-A)

Anunciado em 27 de janeiro de 2019, o Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração (CIAE-A) foi constituído pelo Conselho de Administração da Companhia, sob a coordenação da ex-ministra Ellen Gracie, dedicado à apuração das causas e responsabilidades do rompimento da barragem B1, da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

Em 2019, o Comitê se reuniu 49 vezes e, desde a sua criação, realizou diversas atividades de verificação — como entrevistas com pessoas-chave para entender o evento, análise de documentos, visitas ao local do rompimento, entre outras. O Comitê também se envolveu com as autoridades responsáveis por outras investigações relacionadas e monitorou o trabalho das várias comissões parlamentares estabelecidas, a fim de obter informações relevantes de diversas fontes. O trabalho do Comitê de Apuração também foi monitorado diretamente pelo Conselho de Administração e pelo Conselho Fiscal da Vale, por meio de relatórios periódicos. Para qualquer eventualidade, a independência do Comitê — que ainda possui sua própria alocação orçamentária — é salvaguardada.

O resultado do trabalho foi disponibilizado em de um relatório ao Conselho de Administração e seu resumo foi divulgado ao mercado para garantir a prestação de contas à sociedade. Esse relatório contém recomendações de natureza técnica e de governança. A maioria das recomendações refere-se a temas que já estão sendo abordados pela Vale por meio de várias iniciativas para aprimorar seus controles internos. O resumo executivo do relatório está disponível aqui​.

A Vale definiu os prazos para as ações de atendimento às recomendações trazidas pelo relatório do CIAE-A. O cronograma de implementação prevê que 95% destas ações estejam concluídas até o fim de 2020 e que todas as ações estejam concluídas até dezembro de 2022. 

Para acessar o cronograma completo, clique aqui.

Programa de Reparação Integral

Diretoria de Reparação:

Missão

Reparar integralmente os danos às pessoas e territórios atingidos, com engajamento social e atuação transparente, sendo um vetor de aprimoramento das políticas e processos da Vale.

Visão

Reparar até 2025 todos os danos às pessoas e aos territórios atingidos, nos aspectos ambientais, sociais e econômicos, com legados positivos, acordados e apropriados por estes territórios.

Objetivos

  • Comprometer-se com a construção de acordos por meio de processos de diálogo que garantam a reparação integral a todas as pessoas e territórios atingidos;
  • Reparar os danos aos atingidos de forma digna e respeitosa;
  • Reparar ambientalmente os territórios atingidos;
  • Contribuir para a melhoria das condições de vida e do bem-estar nos territórios atingidos;
  • Fomentar a sustentabilidade econômica dos territórios atingidos;
  • Influenciar a melhoria das políticas e dos processos internos da Vale;
  • Influenciar a indústria da mineração como um todo, para adoção de processos e de práticas mais seguros.

Plano de Reparação de Brumadinho:

O plano de reparação e desenvolvimento de Brumadinho e municípios da Bacia de Paraopeba é baseado em três pilares:

1- Ambiental

Meio biótico

Proteção dos biomas atingidos, com foco em proteção da fauna e flora, monitoramento, gestão, reparação e conservação ambiental.

Meio físico

Contenção, remoção e gestão dos rejeitos provenientes do rompimento, monitoramento, gestão, reparação e conservação ambiental.

Apoio à atividade de descaracterização de estruturas

Apoio à operação no processo de descaracterização de estruturas na região.

2- Infraestrutura e gestão pública

Arquitetura e urbanismo

Intervenções diversas para melhoria das condições urbanas.

Ressignificação dos territórios

Fortalecimento dos vínculos de pertencimento e de identidade das comunidades atingidas.

Infraestrutura e saneamento

Investimentos em infraestrutura pública e viária, saneamento, segurança hídrica e apoio ao Corpo de Bombeiros.

3- Socioeconômico

Assistência humanitária e indenizações

Garantia dos Direitos Humanos, assistência humanitária, acesso à saúde e indenizações.

Educação

Investimentos e custeio de programas e infraestrutura de educação.

Saúde e bem-estar

Melhoria do atendimento básico e preventivo de saúde e capacitação em saúde.

Emprego e Renda

Programas para a retomada econômica das regiões afetadas, com foco em capacitação, geração de emprego, renda e incentivo ao turismo.

Agropecuária

Fornecimento emergencial de água e fomento às atividades agropecuárias.

Fundiário

Regularização fundiária para a realização das obras e para as indenizações.

Relacionamento com Comunidade

Construção de relacionamento e engajamento com as comunidades atingidas.

Desenvolvimento Sustentável

Fomento de atividades direcionadas ao bem-estar e pelos princípios de desenvolvimento sustentável.

Cultura

Fomento ao desenvolvimento do turismo cultural na região.

Programa de Apoio Integral aos Atingidos

Programa de apoio e assistência na aplicação dos recursos recebidos como compensação pelas pessoas atingidas e na retomada produtiva.

Dados da Reparação

Resultado das buscas:

395 pessoas localizadas

270 pessoas falecidas

11 pessoas seguem sendo buscadas

Compensações econômicas e não econômicas:

109.314 mil beneficiários recebem a indenização emergencial.

2.838 acordos civis assinados, envolvendo 6.186  pessoas.
.

650acordos trabalhistas de indenização, envolvendo 1.628
 pessoas.

10 postos de registro de indenização disponíveis em municípios afetados




Números atualizados até a terceira semana de agosto de 2020.

Apoio imediato às vítimas e famílias:

7 postos de atendimento às famílias disponíveis em Brumadinho e em Belo Horizonte

10 hospitais e unidades de saúde mobilizados para atendimento aos atingidos

+18.000 atendimentos médicos e acolhimentos psicossociais

R$ 30 milhões direcionados para a assistência social e de saúde das comunidades

185 mil itens de farmácia adquiridos e disponibilizados


R$ 6,5 milhões em equipamentos para o Instituto Médico Legal de Belo Horizonte

+ 750 milhões de litros de água fornecidos à população

211 indígenas Pataxós receberam pagamentos emergenciais e apoio à saúde

276 pessoas receberam a doação
de R$ 100 mil

100 pessoas receberam a doação
de R$ 50 mil

91 pessoas receberam a doação
de R$ 15 mil

Apoio aos municípios:

R$ 80 milhões repassados à prefeitura de Brumadinho
como compensação financeira

R$ 258,7 milhões em aportes financeiros aos 10 municípios
com operações de mineração paralisadas

R$ 107 milhões adicionais repassados ao Governo do
Estado de Minas Gerais como compensação
pela redução de recolhimento de ICMS

Apoio às entidades públicas no esforço de busca e resgate:

R$ 20 milhões doados ao Corpo de Bombeiros
do Estado de Minas Gerais

R$ 5 milhões doados à Defesa Civil do
Estado de Minas Gerais

R$ 4 milhões doados à Polícia Militar do
Estado de Minas Gerais

Apoio ao resgate de fauna:

+9.800 animais resgatados

+48.800 atendimentos veterinários

2hospital e abrigo de fauna

204 animais adotados 

724 Profissionais, incluindo veterinários, biólogos, técnicos e equipes de campo, envolvidos no resgate de fauna

600 animais seguem sob os cuidados da Vale

Social

Assistência às pessoas e às famílias atingidas

A Vale oferece assistência às famílias dos atingidos nos pontos de atendimento, com múltiplos profissionais à disposição, incluindo médicos, assistentes sociais e psicólogos. . Acesse as informações atualizadas.

Pessoas sem contato

A Vale atualiza periodicamente a listagem de pessoas sem contato até o momento, conforme são localizadas. Acesse a lista de divulgação atualizada.

Óbitos

A Vale atualiza, periodicamente, a listagem de óbitos identificados até o momento pelo Instituto Médico Legal – IML. Acesse a lista de divulgação atualizada.

Compensações econômicas e não econômicas:

  • Indenizações emergenciais: termo de acordo preliminar firmado em fevereiro de 2019 com representantes do Ministério Público Federal, Defensoria Pública Federal, Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, Advocacia Geral da União e Advocacia Geral do Estado de Minas Gerais. Pelo acordo, a Vale irá arcar, pelo período de um ano, a partir de 25 de janeiro de 2019, com pagamentos mensais a título de indenização emergencial para os cidadãos de Brumadinho e para aqueles que vivem a até 1km do leito do Rio Paraopeba, entre Brumadinho e Pompéu, na represa de Retiro Baixo, compreendendo pessoas em 17 municípios. Cerca de 109 mil beneficiários receberam a indenização emergencial. Até a terceira semana de agosto de 2020, o pagamento do auxilio emergencial referente a este Termo de Acordo Preliminar (TAP) totalizava R$ 1.566 milhões.

A quem se destina e quais são as condições?

  • Até 24 de janeiro de 2020: cidadãos de Brumadinho e aqueles que vivem a até 1km do leito do Rio Paraopeba, entre Brumadinho e Pompéu, na represa de Retiro Baixo, compreendendo pessoas em 17 municípios até o momento de fechamento do acordo. Benefício emergencial: 1 salário mínimo por adulto, ½ salário mínimo por adolescente e ¼ de salário mínimo para criança, pelo período de um ano, a partir de 25 de janeiro de 2019, com pagamentos mensais.
  • A partir de 25 de janeiro de 2020: o benefício será integral para as pessoas que comprovadamente residiam, na data do rompimento, nas comunidades de Córrego do Feijão, Parque da Cachoeira, Alberto Flores, Cantagalo, Pires e nas margens do Córrego Ferro-Carvão, além das pessoas que atualmente participam dos seguintes programas de apoio desenvolvidos pela Vale: moradia, assistência social, assistência agropecuária e assistência a produtores locais. Estima-se que entre 10 mil e 15 mil pessoas continuarão recebendo integralmente o auxílio emergencial. As demais pessoas que não estejam incluídas nos critérios acima e que recebem integralmente o pagamento emergencial acordado em fevereiro de 2019, estimadas entre 93 mil e 98 mil beneficiários, receberão 50% do auxílio emergencial por mais 10 meses a partir de 25 de janeiro de2020.
  • Programa de Indenização Individual: termo de compromisso firmado com Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG), prevê indenização de danos materiais e morais, visando uma solução célere e justa para danos individuais. Até a terceira semana de agosto de 2020, 2.838 acordos assinados, envolvendo 6.186 pessoas, totalizando R$ 883,8 milhões já pagos.

A quem se destina?

Pai/mãe, cônjuge/companheiro(a), filhos(as), irmãs(ãos) de falecidos e demais atingidos em decorrência do rompimento da barragem em Brumadinho.

Quais as condições e valores?

  • Pai/mãe, cônjuge/companheiro(a), filhos(as) de falecido: danos morais - R$500.000,00;
  • Para irmãos de falecido: danos morais - R$150.000,00;
  • Demais danos são tratados de acordo com a especificidade de cada caso, respeitando os critérios do Termo de Compromisso.
  • Indenizações trabalhistas: a Vale e o Ministério Público do Trabalho de Minas Gerais assinaram, em julho de 2019, com a participação de sindicatos, acordo com as condições gerais para indenizações trabalhistas. Familiares dos trabalhadores vítimas do rompimento da barragem podem se habilitar para receber reparação, que inclui plano de saúde vitalício para cônjuges, companheiros e filhos. A Vale depositou em juízo, em agosto de 2019, o valor de R$ 400 milhões a título de dano moral coletivo. Até a terceira semana de agosto de 2020 foram celebrados 650 acordos, envolvendo 1.628 familiares de 245 trabalhadores, do total de 270 falecidos. O valor total dos acordos celebrados até início de agosto de 2020 foi de aproximadamente R$1,038 bilhão e de R$ 971,7 milhões em acordos pagos até a terceira semana de agosto.

A quem se destina?

Pai/mãe, cônjuge/companheiro(a), filhos(as), irmãs(ãos) do trabalhador falecido, próprio ou terceirizado.

Quais as condições e valores?

Cônjuge/companheiro(a), filhos(as):

  • Danos morais - R$500.000,00;
  • Seguro adicional por acidente de trabalho - R$200.000,00;
  • Danos materiais - piso mínimo garantido de R$800.000,00;
  • Plano de saúde vitalício para cônjuge/companheiro(a) e para os filhos(as) até 25 anos;
  • Auxílio creche - valor de R$920,00/mês para os filhos até a idade de 3 anos;
  • Auxílio educação - valor de R$998,00 para os filhos entre 3 e 25 anos de idade.

Pai/mãe:

  • Danos morais - R$500.000,00;
  • Seguro adicional por acidente de trabalho - R$200.000,00;
  • Assistência psicológica/psiquiátrica.

Irmãos:

  • Danos morais - R$150.000,00.
  • Orientações para receber indenizações: As pessoas afetadas pelo rompimento da Barragem I da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, podem encontrar informações sobre indenizações aqui.

Até novembro de 2019, outros 22 acordos judiciais para compensações econômicas e não econômicas foram firmados com entidades locais, estaduais e federais para estabelecer um quadro jurídico estável à reparação. As principais frentes cobertas são:

Restauração da capacidade socioeconômica:

O Programa de Assistência Integral aos Atingidos da Vale engloba seis frentes de assistência social e técnica. O programa busca apoiar as pessoas impactadas, principalmente aquelas que já receberam indenizações individuais, enquanto se adaptam à nova realidade. A participação no programa é voluntária. Por meio do programa, a Vale oferece assistência e consultoria técnica para:

Projetos sociais apoiados pela Vale

 

  • Novo Rumo: O Projeto Novo Rumo é realizado em parceria com Instituto Kairós. Após o rompimento, foi fortalecido para apoiar os moradores de Córrego do Feijão no resgate da autoestima. Atualmente, mais de 60 moradores têm participado das atividades que potencializam as vocações locais, como os quintais produtivos, horta comunitária e artesanato;
  • Comfio: O Ateliê Social Comfio também é realizado em parceria com o Instituto Kairós. Nas oficinas de artesanato, as moradoras são acolhidas e partilham vivências e sentimentos, trabalhando a noção de pertencimento e resgatando a autoestima. Enquanto criam tramas e formas, as participantes fortalecem a confiança no coletivo e em seu potencial produtivo;
  • Semeando Esperança: O Projeto Semeando Esperança é promovido pela Fundação Vale, em parceria com o Instituto Matizes Dumont, na Estação Conhecimento local. As moradoras de Brumadinho e de várias comunidades da região participam das oficinas de bordado, que estimulam a criatividade, fortalecem os vínculos afetivos e ajudam com o luto;
  • Batucabrum: o projeto Batucabrum está atendendo mais crianças, foi estendido à comunidade de Cantagalo, e agora os adultos também podem participar de aulas de canto coral e violão. As atividades acontecem no contraturno escolar e ajudam cerca de 80 crianças e jovens a lidar com as perdas do rompimento e a transformar a realidade vivida.

 

Aliança por Brumadinho

Passamos a integrar o programa “Aliança por Brumadinho”, lançado pelo Governo Federal, que deixará um legado para a regiões, e avançamos com os Acordos Preliminares para indenizações juntos às autoridades. Para mais informações sobre as iniciativas conduzidas pelas entidades parceiras, acesse o painel de acompanhamento da Aliança por Brumadinho.

Ambiental

724 profissionais envolvidos na recuperação da fauna (veterinários, biólogos, zootecnistas e profissionais de várias áreas do meio ambiente)

+48.800 animais tratados nas operações de resgate


610 pessoas passaram pelas feiras de adoção de cães e gatos proporcionadas pela Vale.

204 animais foram adotados



90 pontos de monitoramento da qualidade da água, entre o
rio Paraopeba e a foz do
rio São Francisco

 6,4 milhões de análises da água, do solo, do rejeito e do sedimento

2 mil árvores nativas foram plantadas

O trabalho de recuperação ambiental e de proteção de fauna avança continuamente e envolve entidades especializadas nas análises, tratamento de água e cuidado com animais.

Rio Paraopeba

A Vale mantém pontos de monitoramento diário da qualidade da água, entre o Rio Paraopeba e a foz do Rio São Francisco. Há pontos instalados ao longo: do Ribeirão Ferro-Carvão; rios Paraopeba e São Francisco até sua foz, no Oceano Atlântico; nos reservatórios das usinas de Retiro Baixo e Três Marias; além dos principais afluentes do Paraopeba. Também são realizadas análises de turbidez 24 horas por dia, em pontos do rio, por meio de sondas automáticas. Hoje, já é possível verificar que a água, em alguns pontos do Rio Paraopeba, começa a voltar a sua condição original, observada antes do rompimento, após início do período de estiagem.

Estação de Tratamento de Água Fluvial (ETAF)

A água tratada na estação chega com valores em torno de 6.300 NTU (unidade de medição de turbidez) e é devolvida ao Paraopeba com índices abaixo de 29 NTUs, em média. Os padrões de turbidez do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) são de até 100 NTU.

Cuidado com os animais

A Vale tem realizado Feiras de Adoção de Cães e Gatos, promovendo adoções responsáveis, conseguindo um novo lar para os animais que hoje são mantidos na Fazenda Abrigo de Fauna ou promovendo o reencontro com seus antigos donos. . Além da feira de adoção, a Vale será responsável por realizar o acompanhamento dos animais adotados durante seis meses. Esse é um acordo firmado com o Ministério Público de Minas Gerais.

Canal de Atendimento para questões relacionadas à fauna: 0800 031 0831

Obras emergenciais

A Vale continua atuando em diferentes frentes de obras emergenciais para recuperação ambiental, contenção e remoção dos rejeitos, com foco em minimizar os impactos causados.

Estruturas de contenção e remoção de rejeitos

A construção e instalação dessas estruturas reduz o carreamento de sedimentos para o Rio Paraopeba, além de contribuir com os trabalhos de limpeza do rio e do córrego Ferro-Carvão.

Tratamento de água

As obras focam na limpeza e na devolução de água tratada ao ribeirão Ferro-Carvão e Rio Paraopeba.

Dragagem de parte da área do rio Paraopeba

Por meio da dragagem, é realizada a remoção do rejeito acumulado na região assoreada do Paraopeba. O planejado é que a dragagem siga até 2020, começando na confluência do Ribeirão Ferro-Carvão com o Rio Paraopeba e seguindo por cerca de 2 km a jusante deste ponto. Nesse trecho, estima-se que estejam depositados entre 300 mil m³ e 350 mil m³ do material que vazou da barragem B1.

Sistema de abastecimento de água na Região Metropolitana de Belo Horizonte

A Vale aplicará cerca de R$ 450 milhões em obras nos sistemas de captação de água para abastecimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Pelo acordo firmado entre a empresa e o Ministério Público de Minas Gerais, com participação da COPASA, Estado de Minas Gerais e Ministério Público Federal, serão realizados os seguintes investimentos:

  • Construção de um novo sistema de captação de água no rio Paraopeba, a montante da confluência do rio com o ribeirão Ferro-Carvão, em Brumadinho;
  • Realização de ações preventivas na captação no rio das Velhas;
  • Contratação de uma auditoria externa para analisar os projetos e acompanhar o volume de água armazenado nos reservatórios da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

 

Sistema de abastecimento de água em Pará de Minas

A Vale assinou um Termo de Compromisso para execução de obras que garantam o abastecimento de água de Pará de Minas. Com isso, foi construído um novo sistema de captação de água na confluência dos córregos Moreira e Cova Danta (interligado na tubulação já existente da concessionária) e foram realizadas a perfuração de novos poços artesianos e a manutenção dos já existentes. Além disso, está em andamento a construção de uma nova adutora, com cerca de 50 km de extensão e vazão de 284 litros por segundo, para captação de água no Rio Pará.

Obras emergenciais - Dados da Reparação:

R$ 227,34 milhões Investidos em obras relacionadas ao Manejo de Rejeitos

R$ 450 milhões em obras nos sistemas de captação de água para abastecimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)

Segurança

Descaracterização de barragens a montante

A Vale iniciou as ações para descaracterizar suas barragens a montante. Por esse processo, a empresa eliminará as estruturas com o mesmo método de alteamento da barragem que rompeu em Brumadinho. Essas estruturas deixarão, portanto, de representar risco para as pessoas.

Ações em execução nas barragens

Antes de remover o barramento e o rejeito, são necessárias medidas para melhorar o fator de segurança das estruturas. Nesse sentido, estão em andamento ações como:

  • Rebaixamento do nível da água superficial dos reservatórios;
  • Perfuração de poços para retirada da contribuição subterrânea de água;
  • Construção de canais para desvio de contribuições, como água pluvial.

 

Contenções emergenciais em andamento

A Vale também está construindo contenções nas proximidades de suas barragens a montante que entraram em nível máximo de emergência. O objetivo dessas obras emergenciais é aumentar a segurança na Zona de Autossalvamento. As estruturas terão capacidade para reter todo o material depositado nas barragens em cenário extremo de rompimento.

Foco total na segurança das pessoas

As obras são executadas com todos os cuidados para proteger os trabalhadores. Entre as ações, estão o plano de evacuação, treinamento de emergência, simulados de resgate aéreo, monitoramento 24h das equipes e aparelho de geolocalização usado por todos os trabalhadores que acessam áreas de risco.

Dados da Reparação:

R$ 7,1 bilhões provisionados para descaracterização, cerca de R$ 400 milhões serão gastos em 2019

+4,5 mil trabalhadores no pico das obras


16 empresas de grande porte contratadas



R$ 1,8 bilhão serão investidos no total de obras emergenciais


Nossa gestão

Diretoria Especial de Reparação e Desenvolvimento

Com a missão de garantir foco às ações estruturantes que envolvem a reparação dos danos causados e o restabelecimento socioeconômico e ambiental de Brumadinho e municípios impactados, criamos a Diretoria Especial de Reparação e Desenvolvimento. A governança estabelece reporte direto à presidência e participação semanal especial nas reuniões de diretoria executiva, para garantir a celeridade e a flexibilidade necessárias às ações de reparação.

Diretoria Executiva de Segurança e Excelência Operacional

Criada em junho de 2019, alinhada com os novos pilares estratégicos da Vale de “segurança e excelência operacional” e do “novo pacto com a sociedade”, e também com o compromisso de tornar a Vale uma das mais seguras e confiáveis empresas de mineração no mundo.

Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Segurança de Barragens (CIAESB)

Em 15 fevereiro de 2019, o Conselho de Administração da Vale deliberou a criação do Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Segurança de Barragens (CIAE de Segurança de Barragens), para assessorá-lo em questões relacionadas ao diagnóstico das condições de segurança, gestão e mitigação dos riscos relacionados às barragens e diques da Vale.

Balanço de Reparação

O Balanço da Reparação apresenta as ações da Vale para minimizar o impacto causado pelo rompimento da Barragem B1, informando a evolução do trabalho da Vale em Brumadinho e ao longo do Rio Paraopeba. Sabemos que há muito o que fazer. Vamos continuar fazendo e prestando contas à sociedade.

Vídeos

Veja mais:

Leia também

Impacto às Comunidades

Conheça as nossas iniciativas de relacionamento com comunidades

Leia mais

Territórios Impactados

Buscamos prevenir riscos, remediar impactos e promover um legado social nas comunidades impactadas por nossas ações

Leia mais