Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
Untitled 1

Conselho e Liderança

O nosso modelo de governança tem como objetivo concretizar os princípios de clareza de papéis, transparência e estabilidade que orientam as nossas ações.

As diretrizes e políticas gerais que orientam os nossos negócios são estabelecidas pelo Conselho de Administração, que monitora a implementação dessas iniciativas por meio de reportes dos diretores executivos. O Conselho é assessorado por comitês técnicos e consultivos, conforme quadro a seguir.

O Conselho Fiscal é órgão de funcionamento permanente.

Gráfico da Assembléia Geral Gráfico da Assembléia Geral

Atividades do Conselho em 2021

Devido à significativa renovação do colegiado, um cuidadoso processo de onboarding e teamworking foi executado em 7 reuniões; outras 6 reuniões foram dedicadas especificamente ao ciclo anual de Planejamento Estratégico. A atuação do Conselho, próxima aos executivos, acionistas e sociedade, ocorreu em 23 reuniões ao longo do ano. Os Comitês de Assessoramento realizaram 114 reuniões para analisar temas de sua atribuição em maior profundidade e fazer recomendações ao Conselho. Cabe destacar o primeiro ano de atuação do Comitê de Inovação, que discutiu os assuntos referentes a transformação digital, pesquisa e desenvolvimento, pesquisa mineral, novas tecnologias e novos produtos, com foco na garantia da competitividade e sustentabilidade da Vale.

A supervisão do Conselho teve por foco:

  • O monitoramento periódico do Mapa Integrado Global de Riscos da Vale;
  • A evolução da gestão de barragens de rejeitos, da gestão de estruturas em condições críticas de segurança e do progresso do Programa de Descaracterização de Barragens a Montante;
  • A celebração do Acordo de Reparação Integral de Brumadinho, para manter o ritmo acelerado da reparação;
  • A reparação de Mariana, liderada pela Fundação Renova, com aceleração dos programas, especialmente em indenizações e reassentamentos, mas que ainda precisa avançar para restituir o direito à moradia de muitas famílias. Também acompanhamos o engajamento em discussões com autoridades para viabilizar um novo patamar de governança para a Fundação, com entregas mais eficientes e definitivas no processo de reparação integral;
  • O progresso da transformação cultural, para tornar a Vale uma Companhia mais segura, inovadora, diversa, equânime e inclusiva; uma organização que valoriza o aprendizado coletivo e que transforma o futuro da indústria, da sociedade e do planeta;
  • As ações para a retomada de capacidade de produção segura e competitividade no negócio de minério de ferro;
  • A ampliação do portfólio de produtos de alta qualidade, com o lançamento do briquete verde e ações para o desenvolvimento de soluções em minério de ferro em parceria com clientes;
  • A reorganização do negócio de Metais Básicos, que sofreu impactos operacionais relevantes com paralisação dos empregados em Sudbury e com atividades críticas de manutenção em Sossego e Salobo;
  • As alterações no Comitê Executivo, com a criação das Vice-Presidências Executivas de Sustentabilidade e de Estratégia e Transformação de Negócios e indicação de novos executivos, com destaque para a unidade de Metais Básicos que passou a ser liderada por uma mulher, trazendo diversidade de gênero e étnico-racial;
  • O desinvestimento de ativos non-core, como a operação de carvão em Moçambique e as participações nas Companhias Mosaic e California Steel Industries.

O Conselho iniciou uma ampla revisão das Políticas da empresa, começando por uma política dedicada às Diretrizes para a Elaboração das Políticas Corporativas (em temas de atribuição do Conselho) e delegando certos temas para Políticas Administrativas (de atribuição do Comitê Executivo). Dentre as políticas já atualizadas destaco a Gestão de Empresas e Entidades do Grupo, bem como a Gestão de Consequências.

Saiba mais sobre as atividades do Conselho de Administração.



Conselho de Administração

Nosso estatuto social estabelece um Conselho de Administração composto por um mínimo de 11 até 13 membros, os quais terão mandato unificado de dois anos, sendo permitida a reeleição. Nosso estatuto social estabelece que o Diretor-Presidente não pode atuar como presidente do Conselho de Administração.

O Conselho de Administração conta, em caráter permanente, com sete comitês estatutários. O Conselho também conta com um comitê não estatutário de assessoramento, o Comitê de Nomeação, instalados atualmente.

Em 2019, após o rompimento da barragem de Brumadinho, o Conselho de Administração da Vale criou Comitês Independentes de Assessoramento Extraordinário (CIAEs), compostos por especialistas externos, independentes, respeitáveis e experientes. No ano de 2020, os CIAEs de Apuração e de Apoio e Reparação entregaram seus relatórios finais e foram descontinuados, enquanto o CIAE de Segurança de Barragens foi mantido por mais um ano e será descontinuado em abril de 2021.

Saiba mais sobre as atividades dos Comitês Independentes de Assessoramento Extraordinário aqui

Independência no Conselho de Administração

As novas regras de listagem aplicáveis aos requisitos de independência do Novo Mercado entraram em vigor em janeiro de 2018. Além das regras de registro em bolsa do Novo Mercado, buscou-se definir que a maioria dos membros do conselho seja formada por conselheiros independentes e, nosso estatuto social estabele que pelo menos sete de nossos conselheiros devem ser independentes.

Atualmente, temos oito membros independentes. Para ser considerado independente na forma de nosso estatuto social e das regras de registro em bolsa do Novo Mercado em vigor em 2018, um conselheiro não deve:

Acesse o Regimento Interno do Conselho de Administração para mais informações sobre o funcionamento do órgão da administração:

Perfil do Conselho de Administração

Conheça quem faz parte do Conselho de Administração da Vale e suas principais experiências e qualificações​

Data base das informações: Abril de 2021

José Luciano Duarte Penido

Presidente

Formação acadêmica: Graduado em Engenharia de Minas pela Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (1971).


  • Presidente do Conselho de Administração da Vale S.A (desde maio de 2021).
  • Membro do Comitê de Sustentabilidade (desde maio 2021)
  • Membro do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança (desde maio de 2021).
  • Coordenador do Comitê de Sustentabilidade (de maio de 2019 a abril de 2021).
  • Membro do Comitê de Excelência Operacional e Risco (de maio de 2019 a abril de 2021).

Outras experiências atuais

  • Membro Independente do Conselho de Administração da Copersucar (desde 2013).
  • Membro Independente dos Conselhos de Administração das empresas Algar SA. (desde 2016).
  • Membro da Coalizão Brasil Clima Florestas e Agricultura.
  • Membro do Conselho Curador da ONG Rede Cidadã.
Experiência como CEO
Relações Institucionais
Conhecimento sobre a Vale
Gestão de Risco e Segurança
Talentos Transformação Cultural
Sustentabilidade ESG
Mineração
Siderurgia

Experiências anteriores

  • Presidente Conselho de Administração Fibria Celulose (2009 a 2019).
  • Membro do Conselho de Administração do Banco Santander Brasil (2017 a 2019).
  • Membro independente da Química Amparo Ypê (2013 a 2019). 
  • CEO da VCP – Votorantim Papel e Celulose (2004 a 2008).
  • CEO da Samarco Mineração (1992 a 2003).
  • Membro do Conselho Deliberativo do Instituto Ethos.
  • Membro do Conselho Curador da FDC - Fundação Dom Cabral.
  • Membro do Executive Committee do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD).
  • Presidente do Cons elho Deliberativo da IBÁ – Indústria Brasileira de Árvores.

Outras informações relevantes

33 anos de experiência (sendo 12 como CEO) em Mineração e Siderurgia (minérios de ferro e de manganês) em atividades de pesquisa mineral, operações de lavra e em beneficiamento de minérios, engenharia e implantação de projetos industriais de mineração e pelotização. 15 anos de experiencia (sendo 5 como CEO) na indústria de Florestas Plantadas, Celulose e Papel. Vivência de 27 anos na governança de empresas (sendo 17 anos como CEO e 10 como Chairman), bem como atuação por 10 anos como Conselheiro Independente em diversas industrias. Longo histórico profissional em Sustentabilidade e ESG, especialmente em Mineração, Florestas e Agricultura, com protagonismo no Brasil e internacionalmente, em mudanças climáticas e na gestão socioambiental de territórios com atenção ao relacionamento direto com stakeholders (comunidades, ONG’s socioambientais e grupos sociais críticos à mineração e à indústria de base florestal). Por 4 anos foi Chair do Forest Solutions Group, conjunto das empresas de base florestal membros do WBCSD, dedicado ao aprimoramento da sustentabilidade desta indústria, focando prioritariamente em mudanças climáticas, na inovação em novos produtos de base florestal com menor pegada de carbono que produtos alternativos, e no diálogo e engajamento com as comunidades e povos indígenas circunvizinhos às florestas por meio da iniciativa TFD – The Forest Dialogue.

Fernando Jorge Buso Gomes

Vice-Presidente

Formação acadêmica: Graduado em Ciências Econômicas, Faculdades Integradas Bennet (1979).

  • Vice-presidente do Conselho de Administração da Vale S.A. (desde janeiro 2017) e Conselheiro (desde abril 2015).
  • Membro do Comitê Financeiro (desde maio de 2021)
  • Membro do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança (desde maio de 2021)
  • Coordenador do Comitê Financeiro (desde dezembro 2019 a abril de 2021).
  • Coordenador do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança (desde maio 2019 a abril de 2021)

Outras experiências atuais:

  • Bradespar S.A.: Diretor Presidente e Diretor de Relações com Investidores (desde abril 2015).
  • Diretor da Millennium Security Holdings Corp, sociedade holding (desde outubro de 2015).

Experiência como CEO
Relações Institucionais
Conhecimento sobre a Vale
Talentos Transformação Cultural
Sustentabilidade ESG
Finanças

Experiências anteriores


  • Vale S.A.: Coordenador do Comitê de Governança e Sustentabilidade (2015 a 2017) e do Comitê de Sustentabilidade (2017 a 2019). Membro dos Comitês Financeiro (desde 2015), Desenvolvimento Executivo (2015 a 2017), Estratégico (2017) e Pessoas (2017 a 2019).
  • Vice-presidente do Conselho Administração da Bradespar S.A. (2014 a 2019).
  • 2B Capital (2014 a 2018): Conselheiro, Diretor Presidente e Diretor.
  • Presidente da Antares Holdings Ltda., sociedade holding (2015 a 2017).
  • Presidente da Brumado Holdings Ltda. (abril 2015 – abril 2017).
  • Conselheiro de administração: CPFL Renováveis, Sete Brasil, BR Towers, Grupo SMR, Brennad Cimentos.
  • Membro do Comitê de Investimento do Fundo de Investimento em Participação Probes (2011 a 2015).
  • Grupo Bradesco: Head de Private Equity, Diretor Bradesco BBI, Investment Banking, Diretor departamental.
  • Diretor de Mercado de Capitais do Banco BBV.
  • Banco Chase Manhattan: Corporate Finance, Merchant Banking e Mercado de Capitais, dentre outras (1978 a 1997).

Outras informações relevantes:

Mais de 40 anos de experiência em Planejamento de Estratégias Financeiras Complexas, Fusão e aquisição de Empresas, Mercados de capitais, Relacionamento com acionistas e partes interessadas, Formação e gestão de equipes, Desempenho de Conselhos de Administração e Estratégia de negócios, em empresas brasileiras e internacionais.

Daniel André Stieler

Formação acadêmica: Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM (1989). Pós-graduação em Administração Financeira pela Fundação Getúlio Vargas – FGV (1998), MBA em Auditoria pela Fundação Getúlio Vargas – FGV (2000) e MBA em Contabilidade pela Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI (2003).

  • Membro do Conselho de Administração da Vale (desde novembro de 2021)
  • Membro do Comitê Financeiro do Conselho de Administração da Vale (desde novembro de 2021)
  • Presidente da Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil - PREVI (desde junho de 2021)
  • Membro do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar – ABRAPP (desde julho de 2021).

Experiências anteriores

  • Economus Instituto de Seguridade Social:
    • Diretor Superintendente (de janeiro a junho de 2021)
    • Presidente do Conselho Deliberativo (de julho 2020 a janeiro de 2021)
    • Membro do Conselho Fiscal (de junho 2016 a julho 2020)
  • Membro do Conselho de Administração da Alelo S.A (desde abril de 2020).
  • Membro do Conselho de Administração (de abril 2020 a outubro de 2021) da Livelo S.A.
  • Diretor Estatutário de Controladoria (de julho 2019 a janeiro de 2021) do Banco do Brasil S.A.
  • Membro do Conselho Consultivo e de Finanças do Banco Votorantim S.A. (de outubro 2016 a outubro 2019).
  • Membro da Comissão de Assuntos Contábeis de Instituições Financeiras da Federação Brasileira de Bancos - Febraban (de 2009 a 2019).
  • Gerente Executivo da Gerência de Evidenciação Contábil do Conglomerado Banco do Brasil na Diretoria Contadoria do Banco do Brasil S.A. (de março de 2009 a junho de 2019).
  • Membro do Conselho Deliberativo da Universidade Corporativa da Previdência Complementar – UniAbraap, previdência complementar (de fevereiro de 2021 a junho de 2021).

Outras informações relevantes

Possui certificação de Conselheiro Fiscal pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC (validade até março de 2023), tendo também participado de cursos de aprimoramento nas seguintes áreas: Gestão de Pessoas e Processos, pela Columbia University (concluído em 2015); Governança Corporativa, pela Fipecapi / USP (concluído em 2013); e Desenvolvimento de Competências Gerenciais, pela Fundação Getúlio Vargas - FGV (concluído em 2010).

Eduardo de Oliveira Rodrigues Filho

Formação acadêmica: Graduado em Engenharia Civil, PUC-Rio (1978).
Pós-graduação em Planejamento de Transportes, Universidade de Westminster (2000).


  • Membro do Conselho de Administração da Vale S.A. (desde maio 2019).
  • Membro do Comitê de Excelência Operacional e Risco da Vale (desde maio de 2021).
  • Membro do Comitê de Sustentabilidade (desde maio de 2021)
  • Coordenador do Comitê de Excelência Operacional e Risco da Vale ( de maio de 2019 a abril de 2021).

Outras experiências atuais:

  • Sócio Diretor da CWH Consultoria Empresarial (desde 2008).

Conhecimento dos Negócios na Ásia
Relações Institucionais
Conhecimento sobre a Vale
Comercial e Trading
Mineração Siderurgia
Logística de Cadeias Globais

Experiências anteriores

  • Vale S.A.: Membro suplente do Conselho de Administração (2008 a 2018) e Membro dos Comitês Financeiro e de Sustentabilidade.
  • Diretor Comercial da Rio Tinto Brasil (1994 a 2007).
  • Gerente Comercial – MBR – Minerações Brasileiras Reunidas S.A. (1985 a 1994).

Outras informações relevantes:

33 anos de experiência em mineração, com experiência nacional e internacional em estratégia, negociação e logística, principalmente na área de minério de ferro e também em níquel. Habilidade para gerenciar conflitos, bom entendimento de finanças, governança corporativa, relações institucionais e comunicação.

Ken Yasuhara

Formação acadêmica: Graduação em Gestão de Políticas, Keio University, Japão (2001).


  • Membro do Conselho de Administração (desde maio de 2021).
  • Membro do Comitê de Inovação (desde maio de 2021).
  • Membro Suplente do Conselho de Administração da Vale S.A (de dezembro de 2019 a abril de 2021)

Experiências atuais:

  • Diretor, Gerente Geral, Unidade de Recursos Minerais e Metais da Mitsui Co. Brasil (desde 2019).

Conhecimento dos Negócios na Ásia
Conhecimento sobre a Vale
Gestão de Risco e Segurança
Comercial e Trading
Gestão de Operações
Siderurgia

Experiências anteriores

  • Mitsui Co.:
    • Diretor, Gerente Geral Adjunto, Unidade de Recursos Minerais e Metais, Brasil (2018 a 2019).
    • Gerente, Divisão de Minério de Ferro, Tóquio, Japão (2015 a 2018).
  • Sumitomo Corp:
    • Gerente, Divisão de Matéria- Prima para Produção de Aço, Tóquio, Japão (2014 a 2015).
    • Diretor, Unidade de Recursos Minerais, Energia e Aço da Sumitomo Brasil S.A. (2013 a 2014).
    • Diretor, Divisão de Recursos Minerais, Energia e Aço da Sumitomo Brasil S.A. (2010 a 2013).
    • Gerente, Divisão de Matéria- Prima para Produção de Aço, Tóquio, Japão (2008 a 2010).
    • Trainee, Divisão de Matéria- Prima para Produção de Aço, África do Sul (2006 a 2008).
    • Equipe de Coque de Petróleo, Divisão de Carbono, Tóquio, Japão (2001 a 2006).
  • Alumina do Norte Do Brasil S.A. (2018 a 2019):
    • Conselheiro Suplente.
    • Membro do Comitê de Finanças.
    • Membro do Comitê Técnico.

Outras informações relevantes:

Mais de 20 anos de experiência no setor de Mineração, desenvolvido em dois dos maiores conglomerados multinacionais do Japão: Sumitomo e Mitsui. Forte experiência nas áreas de Operações de Minas e Investimentos, além de conhecimentos em Trading de Commodities Globais (minério de ferro, ferro-liga, etc.), Finanças e Contabilidade.

Lucio Azevedo

Formação Acadêmica: O Sr. Lucio Azevedo tem o Ensino Médio incompleto

Comunicação
Operação/Industrial
Logistica
Pessoas

É Membro do Conselho de Administração da Vale (desde abril de 2015) e Empregado da Vale S.A. (desde 1985), ocupando o cargo de maquinista, cedido ao Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, Pará e Tocantins.


Experiências atuais

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, Pará e Tocantins (desde 2013), entidade de classe.

Mauro Gentile Rodrigues da Cunha

Formação acadêmica: Graduação em Economia pela Pontificia Universidade Católica do Rio de Janeiro e MBA pela Universidade de Chicago (Chicago Booth School of Business).

  • Membro Independente do Conselho de Administração da Vale (desde maio de 2021).
  • Membro e Coordenador Interino do Comitê de Auditoria (desde maio de 2021).
  • Coordenador do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança (desde maio de 2021).

Experiências atuais

  • Membro do Conselho de Administração da brMalls, gestora de shopping centers (desde abril de 2016), onde também ocupa o cargo de Presidente do Comitê de Auditoria e Riscos.
  • Membro do Conselho de Administração da Totvs, do setor de desenvolvimento de software (desde abril de 2016), onde também ocupa os cargos de Membro do Comitê de Auditoria e do Comitê de Gente e Remuneração.
  • Membro do Conselho de Administração da Klabin, produtora e exportadora de papéis (desde abril de 2019).

Governança
Finanças

Experiências anteriores

  • Presidente do Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal (entre março de 2019 e outubro de 2020);
  • Presidente da AMEC - Associação dos Investidores no Mercado de Capitais (entre março de 2012 e agosto de 2019);
  • Membro do Conselho de Administração da Eletrobras, companhia aberta do setor elétrico (entre março de 2018 e março de 2021) tendo também presidido o Comitê de Auditoria Estatutário (entre maio de 2018 e março de 2021);
  • Membro do Conselho de Administração da Mahle Metal Leve, companhia aberta que atua no setor de autopeças (entre abril de 2015 e junho de 2017);
  • Membro do Conselho de Administração da Cia Energética do Estado de São Paulo (entre abril de 2013 e abril de 2017).
  • Membro Independente do Conselho de Administração da Petrobras, companhia aberta do setor de exploração e produção de petróleo e gás natural (entre 2013 e 2015).
  • Presidente do Conselho de Administração do IBGC, organização sem fins lucrativos com foco no desenvolvimento das melhores práticas de Governança Corporativa no Brasil (entre 2008 e 2009).

Marcelo Gasparino da Silva

Formação Acadêmica: Graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC em 1995 e especialização em Administração Tributária Empresarial pela Fundação ESAG – ÚNICA em 2000.


  • Membro independente do Conselho de Administração (desde abril de 2020).
  • Membro do Comitê de Excelência Operacional e Risco (desde maio de 2021).
  • Coordenador do Comitê de Sustentabilidade (desde maio de 2021).
  • Membro do Comitê de Sustentabilidade (entre junho de 2020 e abril de 2021).
  • Membro suplente independente do Conselho de Administração (entre maio de 2019 e abril de 2020).
  • Membro suplente do Conselho de Administração (entre maio de 2016 e abril de 2017).

Habilidades, Conhecimentos e Expertises

Mineração / Operação
Logística
Governança Corporativa
Experiência em Gestão de Riscos
Estratégia e Inovação

Experiências atuais

  • Membro do Conselho de Administração da Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG (desde 2019).
  • Professor da Fundação ENÁ – Escola de Governo para certificação de administradores de empresas estatais e sociedades de economia mista.

Experiências passadas

  • Conselheiro Fiscal da Petróleo do Brasileiro S.A – Petrobras (de abril de 2017 a abril de 2018 e desde abril de 2018 a abril de 2021).
  • Conselheiro da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento – CASAN, companhia do setor de saneamento (de maio de 2019 a fevereiro de 2020).
  • Membro do Conselho de Administração das Centrais Elétricas Brasileiras de Santa Catarina - CELESC (de abril 2018 a abril de 2019).
  • Membro do Conselho de Administração da Kepler Weber S.A (de abril de 2017 a janeiro 2020).
  • Membro do Conselho de Administração da Batistella S.A. (de abril de 2017 a abril de 2018).
  • Conselheiro (de abril de 2016 a abril de 2017) da Eletrobras, companhia aberta do setor elétrico.
  • Presidente do Conselho de Administração (de abril de 2015 a abril de 2016) da Usiminas.
  • Membro do Conselho de Administração da Bradespar (de abril de 2015 a abril de 2016).

Murilo Cesar Lemos dos Santos Passos

Formação acadêmica: Graduado em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1971).


  • Membro do Conselho de Administração da Vale S.A. (desde dezembro de 2019)
  • Membro do Comitê Financeiro (desde dezembro de 2019).
  • Conselhos de Administração de outras companhias listadas:
    • Presidente do Conselho de Administração da São Martinho S.A e Tegma Gestão Logística S.A.
    • Membro do Conselho de Administração da Odontoprev S.A.
    • Membro do Conselho de Administração da Suzano Holding S.A. (de outubro de 2018 a abril de 2021).

Experiência como CEO
Relações Institucionais
Conhecimento sobre a Vale
Gestão de operações
Talentos Transformação Cultural
Comercial e Trading
Mineração

Experiências anteriores:

  • Membro do Comitê de Gestão da Suzano S.A.
  • Presidente do Conselho de Administração da CCR.
  • Presidente do Conselho de Administração da CPFL Energia.
  • Membro do Conselho de Administração da Camil e Brasil Agro.
  • Diretor Superintendente Suzano Papel e Celulose S.A.
  • Diretor Superintendente da Bahia Sul Celulose S.A.
  • Presidente da Celulose Nipo Brasileira S.A. – Cenibra e da Florestas Rio Doce S.A.
  • Vale S.A.: Áreas de Meio Ambiente, Metalurgia e Produtos florestais (1970 a 1990).
  • Membro dos Conselhos:
    • Florestas Rio Doce S.A.
    • Alunorte - Alumina do Norte do Brasil S.A.
    • Aluvale - Vale do Rio Doce Alumínio S.A.
    • Itabira Internacional Co. Ltda.
    • Bahia Sul Celulose S.A.
    • Mineração Rio do Norte S.A.
    • Rio Capim Química S.A.
    • Usiminas S.A.
    • Companhia Siderúrgica de Tubarão.

Outras informações relevantes:

Executivo com mais de 40 anos de experiência nas indústrias de Mineração, Celulose, Energia e Logística. Notória experiência como CEO e como conselheiro, na liderança de algumas das principais empresas brasileiras.

Manuel Lino Silva de Sousa Oliveira (Ollie)

Formação acadêmica: Graduação em Contabilidade e Economia de Negócios (1973).
Pós-Graduação em Contabilidade e Tributário, University of Natal-Durban, África do Sul (1975).

  • Conselhos de Administração de outras companhias listadas:
    • Conselheiro independente sênior da Polymetal International PLC.
    • Conselheiro independente sênior da Antofagasta Minerals PLC:
      • Head dos Comitês de Projetos e Auditoria.
      • Membro do Comitê de Nomeações.

Conhecimento dos Negócios na Ásia
Relações Institucionais
Inovação de Negócios
Sustentabilidade ESG
Finanças
Mineração

Experiências anteriores

  • Conselheiro independente da BlackRock World Mining Trust PLC.
  • Sócio Diretor da Greengrove Capital LLP.
  • Conselheiro da Ferrous Resources do Brasil, Dominion Diamond Mines e Graff Diamonds.
  • Diretor Executivo de Estratégia e Business Development da DeBeers S.A. (1997 a 2008).
  • DeBeers Centenary AG e DeBeers Consolidated Mines Ltd. (1997 a 2001):
    • Head de Corporate Finance.
    • Membro do Comitê Executivo.
  • Anglo American Corporation of South Africa Ltd. (1989 a 1997):
    • Gerente Financeiro.
    • Finanças Corporativas e Internacionais.
  • Diretor Financeiro do Press Corporation (1980 a 1989).
  • Consultor Senior da Touche Ross (1974 a 1980).

Outras informações relevantes:

Mais de 35 anos de experiência executiva em finanças corporativas e estratégia, principalmente no setor de mineração, em empresas como Anglo American e De Beers, incluindo experiência no Brasil. Reconhecido conselheiro independente, tendo atuado em diversos conselhos internacionais do mundo industrial. Notória experiência em Relações Institucionais, Finanças e Mineração. Chartered Accountant e Chartered Management Accountant.

Rachel de Oliveira Maia

Formação acadêmica: Graduação em Contabilidade pelo Centro Universitário FMU e MBA pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Também concluiu o curso de Negociação e Liderança por meio do Programa de Educação Executiva da Harvard Business School e treinamento de Gerenciamento Geral na Universidade de Victoria na Colômbia Britânica, Canadá.


Experiências atuais

  • Fundadora e CEO da RM Consulting, foco em S de ESG e Lideranças (desde abril de 2018);
  • Membro do Grupo de Mulheres Brasileiras (desde 2020).
  • Membro do Comitê Econômico e Social do Conselho de Desenvolvimento (desde 2018).

CEO
Finanças

Experiências anteriores

  • CEO da Lacoste S.A. (Brasil), empresa de vestuário de luxo (entre outubro de 2018 e setembro de 2020);
  • CEO da Pandora Brasil, setor de joias (entre abril de 2010 e abril de 2018);
  • Membro do Conselho para as Américas do Executive Leadership Group (ELG) (entre janeiro de 2013 e março de 2018);
  • Membro do Conselho Geral do Consulado Dinamarquês e Membro da Câmara de Comércio Dinamarquesa  (de abril de 2014 a novembro de 2020).
  • Membro do Comitê do Presidente da Câmara Americana de Comércio (entre abril de 2016 e outubro de 2019).
  • Membro do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (de 2016 a 2018).
  • CFO da Tiffany & Co. Brasil (entre julho de 2002  e outubro de 2009).
  • Controladora financeira sênior na 7-Eleven (entre 1991 a 03/1998).
  • Controladora Sênior de Negócios na Novartis Pharmacy (entre março de 1998 e abril de 2001).

Outras informações relevantes

Foi voluntária por 8 anos para famílias carentes em muitas das regiões mais desafiadoras do Brasil e na Sociedade dos Vicentinos (de 1991 a 1999). Rachel fundou recentemente, em dezembro de 2018) uma organização sem fins lucrativos, CAPACITA-ME, que capacita estudantes e profissionais de comunidades carentes de São Paulo.


Roberto da Cunha Castello Branco

Formação acadêmica: Graduação em Economia pela Faculdade de Economia e Finanças do Rio de Janeiro, Doutorado em Economia pela Escola de Pós-graduação em Economia (EPGE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) e Post Doctoral Fellow pela University of Chicago. Possui também treinamento executivo na Sloan School of Management (MIT), International Institute For Management Development (IMD) e Chicago Booth School of Business.


Liderança
Estratégia
Finanças
Governança
Mineração

Experiências anteriores

  • Presidente e membro do Conselho de Administração da Petrobras (de maio de 2015 a abril de 2016 e de janeiro de 2019 a abril de 2021), companhia aberta do setor de exploração de petróleo;
  • Diretor do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getulio Vargas (de agosto de 2014 a dezembro de 2018);
  • Membro do Conselho de Administração da Invepar S.A. (de maio de 2017 a dezembro de 2018), gestora privada de mobilidade urbana e infraestrutura de transporte;
  • Membro do Conselho de Administração da GRU Airport, administradora de aeroportos (entre maio e dezembro de 2018);
  • Membro do CEO Steering Committee da Oil and Gas Climate Initiative (OGCI) e do US Brazil CEO Forum (de janeiro de 2019 a abril de 2021).

Outras informações relevantes:

Eleito pela revista Exame em 2021 como um dos 100 líderes empresariais do Brasil com melhor reputação, Best CEO of the Latin American Oil and Gas Industry, Latin Finance 2020, Economista do Ano de Minas Gerais em 2019, revista Mercado Comum.

Roger Allan Downey

Formação Acadêmica: Graduado em Administração de Empresas na Australian National Business School e diplomado com Mestrado em Administração de Empresas na University of Western Australia


  • Coordenador do Comitê de Excelência Operacional e Risco (desde maio de 2021).
  • Membro do Comitê de Inovação (desde maio de 2021) .
  • Membro do Comitê de Excelência Operacional e Risco (desde janeiro de 2020 a abeil de 2021).

Mineração / Operação
Experiência Internacional  
Logística 
Experiência em Gestão

Experiências atuais

  • Membro do Conselho de Administração da Fertimar S.A. - PrimaSea (desde outubro de 2018).
  • Membro do Conselho de Administração da Tupy S.A. (desde abril de 2021)

Experiências passadas

  • Diretor Presidente da Fertimar Mineração e Navegação S.A. - PrimaSea (2019 a 2020).
  • Vale S.A: Diretor Executivo, Fertilizantes, Carvão e Estratégia (2012 a 2017), Presidente, da Vale Fertilizantes S.A. (2012 a 2017) e Gerente de Marketing Estratégico (2002 a 2005).
  • Presidente da MMX Mineração e Metálicos S.A.
  • Diretor de Análise de Mining & Steel no banco Credit Suisse.
  • Gerente de Marketing da Rio Tinto na Austrália e Brasil.
  • Coordenador de Mercado da Minerações Brasileiras Reunidas S.A – MBR (1991 a 1996)

Outras informações relevantes

Executivo com mais de 35 anos de experiência, em posições de liderança nas indústrias de Mineração, Fertilizantes e Financeira, no Brasil e no exterior. Notória experiência em Relações com Investidores, Fusões e Aquisições, Marketing e Vendas.

Processo de seleção dos membros do Conselho de Administração

O Conselho de Administração, em conjunto com o Comitê de Nomeação e consultorias internacionais especializadas, atualizaram as qualificações e experiências importantes que devem ser representadas no Conselho como um todo, à luz da estratégia de negócios da Vale e de suas futuras necessidades. Dentre os elementos que foram considerados para definição da nova matriz de competências, destacam-se:

O conjunto de circunstâncias que refletem a situação presente e futura da Vale e seus desafios oponíveis.
Competências-chave consistentemente observadas em outras mineradoras.
As cinco alavancas de atuação enunciadas na estratégia da Vale.
As especificidades e particularidades do negócio da Vale.
Derivação da estratégia e da visão para o futuro dos negócios da Vale
Preservação do conhecimento e do histórico sobre a empresa.
Ênfase no contexto atual, com os desafios atuais da Vale.
Foco em competências relevantes para a Vale com os desdobramentos para o longo prazo.
Alinhamento com expectativas do mercado.
Caracterização adequada do calibre e nível de atualização de cada uma das competências.
Competências Administrativas Competências Funcionais Competências Setoriais
Experiência executiva relevante como CEO Experiência prévia de sucesso como CEO de grandes organizações por um período relevante. Gestão de Risco & Segurança em indústrias com perfil de risco compatível com o da Vale Experiência e conhecimento relevantes em gestão de risco e segurança em organizações com perfil de risco compatível com o da Vale. Mineração Experiência e conhecimento relevantes da indústria de mineração, com preferência para o negócio de minério de ferro
Amplo conhecimento do atual ambiente de negócios na Ásia Experiência e conhecimento relevantes do atual ambiente de negócios na Ásia, preferencialmente na área de atuação da Vale e preferencialmente baseado na China. Gestão de Operações voltada para adoção de melhores práticas globais Experiência e conhecimento relevantes em excelência operacional, preferencialmente em indústrias de capital intensivo Siderurgia Experiência e conhecimento relevantes da indústria siderúrgica e metalúrgica e seus drivers de criação de valor.
Amplo conhecimento de relações institucionais, governo e reguladores Experiência e conhecimento relevantes na atuação junto de Governo e Reguladores. Talentos & Transformação Cultural Experiência e conhecimento relevantes relacionados a transformação cultural em grandes organizações, com experiência em gestão de talentos, incluindo remuneração, e em alinhamento de interesses entre a gestão e os stakeholders da companhia. Logística de cadeias globais Experiência e conhecimento relevantes na gestão e otimização de cadeias logísticas preferencialmente de longa distância.
Conhecimento sobre a Vale, contexto atual e histórico Experiência e conhecimento relevantes sobre o histórico da Vale, contexto atual e desafios vividos. Inovação de negócios Experiência e conhecimento relevantes em áreas de inovação dos negócios da Vale, em toda a cadeia de valor da Vale e em áreas adjacentes
Sustentabilidade & ESG Experiência e conhecimento relevantes nas áreas socioambiental e de governança, incluindo Compliance, preferencialmente na indústria de exploração de recursos naturais. Requerida experiência no relacionamento com comunidades.
Finanças & Portfolio com orientação para valor e accountability por performance Experiência e conhecimento relevantes nas áreas de finanças corporativas e gestão de portfólio de ativos em empresas de grande porte
Transformação Digital em B2B/indústria da transformação Experiência e conhecimento relevantes em grandes projetos de Transformação Digital em empresas de grande porte.
Comercial e Trading Compreensão do ambiente competitivo, dos negócios atuais e em desenvolvimento da companhia, e das tendências da indústria.
Competências Administrativas Competências Funcionais Competências Setoriais
Experiência executiva relevante como CEO Experiência prévia de sucesso como CEO de grandes organizações por um período relevante. Gestão de Risco & Segurança em indústrias com perfil de risco compatível com o da Vale Experiência e conhecimento relevantes em gestão de risco e segurança em organizações com perfil de risco compatível com o da Vale. Mineração Experiência e conhecimento relevantes da indústria de mineração, com preferência para o negócio de minério de ferro
Amplo conhecimento do atual ambiente de negócios na Ásia Experiência e conhecimento relevantes do atual ambiente de negócios na Ásia, preferencialmente na área de atuação da Vale e preferencialmente baseado na China. Gestão de Operações voltada para adoção de melhores práticas globais Experiência e conhecimento relevantes em excelência operacional, preferencialmente em indústrias de capital intensivo Siderurgia Experiência e conhecimento relevantes da indústria siderúrgica e metalúrgica e seus drivers de criação de valor.
Amplo conhecimento de relações institucionais, governo e reguladores Experiência e conhecimento relevantes na atuação junto de Governo e Reguladores. Talentos & Transformação Cultural Experiência e conhecimento relevantes relacionados a transformação cultural em grandes organizações, com experiência em gestão de talentos, incluindo remuneração, e em alinhamento de interesses entre a gestão e os stakeholders da companhia. Logística de cadeias globais Experiência e conhecimento relevantes na gestão e otimização de cadeias logísticas preferencialmente de longa distância.
Conhecimento sobre a Vale, contexto atual e histórico Experiência e conhecimento relevantes sobre o histórico da Vale, contexto atual e desafios vividos. Inovação de negócios Experiência e conhecimento relevantes em áreas de inovação dos negócios da Vale, em toda a cadeia de valor da Vale e em áreas adjacentes
Sustentabilidade & ESG Experiência e conhecimento relevantes nas áreas socioambiental e de governança, incluindo Compliance, preferencialmente na indústria de exploração de recursos naturais. Requerida experiência no relacionamento com comunidades.
Finanças & Portfolio com orientação para valor e accountability por performance Experiência e conhecimento relevantes nas áreas de finanças corporativas e gestão de portfólio de ativos em empresas de grande porte
Transformação Digital em B2B/indústria da transformação Experiência e conhecimento relevantes em grandes projetos de Transformação Digital em empresas de grande porte.
Comercial e Trading Compreensão do ambiente competitivo, dos negócios atuais e em desenvolvimento da companhia, e das tendências da indústria.

Comitê de Nomeação

A Vale acredita que o aprimoramento das práticas de governança corporativa irá ajudar a melhorar suas operações e a competir com mais eficiência. Nesse sentido, propõe-se uma otimização da estrutura de governança, com o estabelecimento do Comitê de Auditoria e do Comitê de Nomeação.

O Comitê de Nomeação trabalhou em estreita colaboração com importantes stakeholders de governança e empresas de consultoria internacionais, considerando o nível de independência, a estrutura do conselho, o tamanho e os parâmetros de diversidade. Esses critérios são essenciais para definir os indicados para compor o Conselho de Administração. Também buscou referências nas melhores práticas de players nacionais e internacionais, aprofundando ainda mais o entendimento das perspectivas dos investidores institucionais sobre esses temas. Para mais informações, acesse o Relatório Final do Comitê de Nomeação.


Avaliação do Conselho de Administração

O Conselho de Administração reconhece que um processo de avaliação robusto e construtivo é um componente essencial de boa governança corporativa e da eficácia do Conselho.

O Conselho de Administração adotou a prática de realizar anualmente avaliação de desempenho, com o apoio do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança para análise e recomendação da metodologia de avaliação, incluindo suas eventuais melhorias, com uma avaliação intermediária cobrindo apenas os aspectos identificados como passíveis de aprimoramento na avaliação anterior.

Os Comitês de Assessoramento (excluindo Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário) também realizam a avaliação bianual de desempenho, cujo resultado é levado para conhecimento do Conselho de Administração.

Os conselheiros são avaliados individualmente todos os anos e o resultado consolidado das avaliações é levado para conhecimento do Conselho enquanto os resultados individuais são compartilhados com o Presidente do Conselho para posterior discussão de feedback com cada conselheiro.

Em 2019 e 2020, com o apoio do Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança, a Vale contratou uma consultoria externa especializada para realizar a avaliação e desenvolver o processo de avaliação da efetividade do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento (excluindo Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário), como órgãos colegiados e, individualmente, de seus membros, inclusive do Presidente do Conselho de Administração.

O escopo da avaliação do Conselho e dos comitês de assessoramento abrange, para cada órgão colegiado, o cumprimento de seu mandato, sua composição e estrutura, sua dinâmica, seus processos e estruturas de apoio e suas contribuições efetivas para a execução dos objetivos da Companhia, além de destacar oportunidades de melhoria e fornecer feedback aos membros.

Componentes e processos de avaliação
1. Consultor externo especializado Desenvolver e conduzir o processo de avaliação
2. Questionário Os Diretores fornecem feedback sobre:
  • Execução do mandato do Conselho com base em suas funções e responsabilidades;
  • Estrutura e composição do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento com base em comportamentos e habilidades;
  • Contribuições para o negócio: estratégia, governança, pessoas, inovação, risco, compliance e finanças;
  • Dinâmica do Conselho de Administração baseada na interação entre conselheiros e administradores;
  • Processos e estruturas de apoio.

Para avaliação do Conselho, os conselheiros e diretores executivos fornecem suas percepções sobre:
  • Execução do mandato do Conselho com base em suas funções e responsabilidades;
  • Estrutura e composição do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento com base em comportamentos e habilidades;
  • Contribuições para o negócio: estratégia, governança, pessoas, inovação, risco, compliance e finanças;
  • Dinâmica do Conselho de Administração baseada na interação entre conselheiros e administradores;
  • Processos e estruturas de apoio.

Para avaliação dos Comitês de Assessoramento, os feedbacks foram fornecidos pelos membros de cada comitês, pelos demais conselheiros e pelos diretores executivos, cobrindo as mesmas dimensões acima.

Para avaliação dos conselheiros, cada conselheiros fez sua auto-avaliação e foi avaliado pelos pares, cobrindo as seguintes dimensões:
  • Contribuições
  • Participação e Engajamento
  • Competências e Perfil Pessoal

3. Entrevistas Individuais Realizados pela consultoria com conselheiros e diretores executivos
4. Análise Avaliar a efetividade do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento e comparar os resultados com benchmarks nacionais e internacionais, identificar seu grau de desenvolvimento, bem como analisar a evolução, em comparação com a avaliação anterior. Baseado nos resultados da avaliação dos órgãos colegiados, um plano de ação é definido e mudanças nas práticas ou procedimentos são consideradas e implementadas, se aplicável, para evolução do desempenho do colegiado e individual.
5. Feedback Incorporado Feedback dos conselheiros realizado com o PCA e/ou consultoria externa.
Componentes e processos de avaliação
Componentes e processos de avaliação anual
1. Consultor externo especializado Desenvolver e conduzir o processo de avaliação
2. Questionário Os Diretores fornecem feedback sobre:
  • Execução do mandato do Conselho com base em suas funções e responsabilidades;
  • Estrutura e composição do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento com base em comportamentos e habilidades;
  • Contribuições para o negócio: estratégia, governança, pessoas, inovação, risco, compliance e finanças;
  • Dinâmica do Conselho de Administração baseada na interação entre conselheiros e administradores;
  • Processos e estruturas de apoio.

Para avaliação do Conselho, os conselheiros e diretores executivos fornecem suas percepções sobre:
  • Execução do mandato do Conselho com base em suas funções e responsabilidades;
  • Estrutura e composição do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento com base em comportamentos e habilidades;
  • Contribuições para o negócio: estratégia, governança, pessoas, inovação, risco, compliance e finanças;
  • Dinâmica do Conselho de Administração baseada na interação entre conselheiros e administradores;
  • Processos e estruturas de apoio.

Para avaliação dos Comitês de Assessoramento, os feedbacks foram fornecidos pelos membros de cada comitês, pelos demais conselheiros e pelos diretores executivos, cobrindo as mesmas dimensões acima.
Para avaliação dos conselheiros, cada conselheiros fez sua auto-avaliação e foi avaliado pelos pares, cobrindo as seguintes dimensões:
  • Contribuições
  • Participação e Engajamento
  • Competências e Perfil Pessoal

3. Entrevistas Individuais Realizados pela consultoria com conselheiros e diretores executivos
4. Análise Avaliar a efetividade do Conselho de Administração e dos Comitês de Assessoramento e comparar os resultados com benchmarks nacionais e internacionais, identificar seu grau de desenvolvimento, bem como analisar a evolução, em comparação com a avaliação anterior. Baseado nos resultados da avaliação dos órgãos colegiados, um plano de ação é definido e mudanças nas práticas ou procedimentos são consideradas e implementadas, se aplicável, para evolução do desempenho do colegiado e individual.
5. Feedback Incorporado Feedback dos conselheiros realizado com o PCA e/ou consultoria externa.

Resultados da Avaliação Intermediária de 2020

A avaliação intermediária de 2020 foi realizada pelo Conselho no último trimestre do ano. Entre os resultados obtidos, merecem destaque:

Evolução na Maioria dos Itens Avaliados
Maior Envolvimento em Assuntos Críticos
Avanços na Governança para Transição a “Corporation”
Reforço de Capacitações Críticas ao CA
Melhoria na Dinâmica do Grupo

Principais oportunidades de melhorias:

Responsabilidade Conselho x Executivos
Agenda de Inovação
Onboarding de Conselheiros
Fornecimento de Informações
Pauta de Reuniões
Competências Críticas

Saiba mais sobre o processo de avaliação do Conselho e resultados da avaliação intermediária de 2020 aqui

Comitês de Assessoramento do Conselho de Administração

Os Comitês de Assessoramento apoiam o Conselho de Administração, inclusive propondo melhorias relacionadas às suas áreas de atuação. A fim de conferir maior eficiência e qualidade nas decisões, o Conselho garante que as atividades da Companhia são conduzidas de acordo com as leis, princípios éticos e controles internos.

Supervisão do Conselho

O Conselho delibera sobre diretrizes e planos estratégicos, monitora e avalia o desempenho econômico-financeiro da Vale, analisa suas políticas de riscos corporativos e financeiros, elege e avalia os membros da Diretoria Executiva.

Comitês

  • Auditoria: Supervisiona a qualidade das demonstrações financeiras, controles internos, compliance, integridade e gerenciamento de riscos.

  • Pessoas, Remuneração e Governança: Avalia e recomenda as melhores práticas de governança corporativa, métricas de remuneração e nomeação do Conselho.
  • Excelência Operacional e Risco: Monitora sistemas e práticas de controles internos, garante conformidade de todos os requisitos.

  • Finanças: Supervisiona a estrutura de capital, orçamento e financiamento anual, fusões e aquisições, projetos de capital e remuneração de acionistas.

  • Sustentabilidade: Avalia a estratégia de sustentabilidade, garantindo que está sendo implementada na estratégia geral.

  • Nomeação: Avalia e recomenda adequações às melhores práticas de governança corporativa em relação à estrutura, tamanho e composição do Conselho de Administração.

  • Inovação: rever e recomendar os assuntos referentes à Transformação Digital, Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação e a sua forma de abordagem, no planejamento estratégico da Companhia, avaliando, complementando e sugerindo alterações nas estratégias da Companhia, acompanhando a respectiva implementação.
  • Auditoria: Supervisiona a qualidade das demonstrações financeiras, controles internos, compliance, integridade e gerenciamento de riscos.
  • Pessoas e Governança: Avalia e recomenda as melhores práticas de governança corporativa, métricas de remuneração e nomeação do Conselho.
  • Excelência Operacional e Risco: Monitora sistemas e práticas de controles internos, garante conformidade de todos os requisitos.
  • Finanças: Supervisiona a estrutura de capital, orçamento e financiamento anual, fusões e aquisições, projetos de capital e remuneração de acionistas.
  • Sustentabilidade: Avalia a estratégia de sustentabilidade, garantindo que está sendo implementada na estratégia geral.
  • Nomeação: Avalia e recomenda adequações às melhores práticas de governança corporativa em relação à estrutura, tamanho e composição do Conselho de Administração.
  • Inovação: rever e recomendar os assuntos referentes à Transformação Digital, Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação e a sua forma de abordagem, no planejamento estratégico da Companhia, avaliando, complementando e sugerindo alterações nas estratégias da Companhia, acompanhando a respectiva implementação.

Supervisão do Conselho

O Conselho delibera sobre diretrizes e planos estratégicos, monitora e avalia o desempenho econômico-financeiro da Vale, analisa suas políticas de riscos corporativos e financeiros, elege e avalia os membros da Diretoria Executiva.

Comitês

  • Auditoria: Supervisiona a qualidade das demonstrações financeiras, controles internos, compliance, integridade e gerenciamento de riscos.
  • Pessoas e Governança: Avalia e recomenda as melhores práticas de governança corporativa, métricas de remuneração e nomeação do Conselho.
  • Excelência Operacional e Risco: Monitora sistemas e práticas de controles internos, garante conformidade de todos os requisitos.
  • Finanças: Supervisiona a estrutura de capital, orçamento e financiamento anual, fusões e aquisições, projetos de capital e remuneração de acionistas.
  • Sustentabilidade: Avalia a estratégia de sustentabilidade, garantindo que está sendo implementada na estratégia geral.

Comitês

  • Auditoria: Supervisiona a qualidade das demonstrações financeiras, controles internos, compliance, integridade e gerenciamento de riscos.
  • Pessoas e Governança: Avalia e recomenda as melhores práticas de governança corporativa, métricas de remuneração e nomeação do Conselho.
  • Excelência Operacional e Risco: Monitora sistemas e práticas de controles internos, garante conformidade de todos os requisitos.
  • Finanças: Supervisiona a estrutura de capital, orçamento e financiamento anual, fusões e aquisições, projetos de capital e remuneração de acionistas.
  • Sustentabilidade: Avalia a estratégia de sustentabilidade, garantindo que está sendo implementada na estratégia geral.

Gestão

Os Diretores Executivos são responsáveis pelas operações do dia a dia e pela implementação das políticas e diretrizes estabelecidas pelo Conselho de Administração.

Gestão

Os Diretores Executivos são responsáveis pelas operações do dia a dia e pela implementação das políticas e diretrizes estabelecidas pelo Conselho de Administração.



Auditoria

  • Número de reuniões: 33
  • Taxa de participação: 99,8%

Atividades:

  • Monitoramento das recomendações do Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração (“CIAE-Apuração”) e acompanhamento da evolução dos planos de ação, em conjunto com o Comitê de Excelência Operacional e Risco e a Diretoria de Auditoria e Conformidade.
  • Revisão das informações financeiras trimestrais e anuais de 2021 e de outros documentos regulatórios da Vale.
  • Discussões periódicas junto aos Auditores Externos sobre os principais aspectos observados durante os trabalhos de auditoria da Companhia.
  • Acompanhamento dos processos de análise de provisões, de contingências judiciais e de contingências relacionadas ao acidente da Samarco e ao rompimento da barragem de Brumadinho.
  • Revisão da Política de Transações com Partes Relacionadas e Conflito de Interesses, em função do fim do Acordo de Acionistas em novembro de 2020, e monitoramento trimestral das transações com partes relacionadas.
  • Acompanhamento das correspondências e interações da Companhia com os órgãos reguladores do mercado de capitais (SEC, CVM e B3).
  • Acompanhamento periódico, junto com a Diretoria de Auditoria e Conformidade, do fluxo de recebimento e do protocolo de apuração de denúncias do Canal de Denúncias, dos procedimentos relacionados a integridade corporativa e do andamento de Auditorias Internas.
  • Aprovação da Política de Gestão de Consequências e do novo Regimento Interno do Comitê de Conduta e Integridade, em conjunto com o Comitê de Pessoas, Remuneração e Governança.
  • Acompanhamento da evolução dos testes e controles para certificação SOx, da evolução do Mapa Integrado de Riscos, bem como da implementação do Sistema de Gestão de Riscos da Vale (Bwise).
  • Acompanhamento dos Projetos Estruturantes de Segurança da Informação, Gestão de Contratos e Plano de Ação Sistêmico para Temas de Segurança e Manutenção.
  • Acompanhamento do Programa de Incorporação e Extinção de Empresas e Programa de Desinvestimento.

Finanças

  • Número de reuniões: 22
  • Taxa de participação: 96,5%

Atividades:

  • Monitoramento dos principais indicadores financeiros relacionados aos negócios e segmentos de atuação da Companhia, incluindo caixa, alocação de capital, investimentos de risco e mapa de riscos financeiros.
  • Acompanhamento, sob a perspectiva financeira, de gastos decorrentes do contexto pandêmico do Covid 19, Brumadinho, Projetos Legados e Fundação Renova.
  • Revisão das informações financeiras trimestrais e anuais e de outros documentos regulatórios da Vale, além do monitoramento da performance orçamentária da Companhia.
  • Acompanhamento das principais iniciativas de negócios, sob a ótica financeira, de acordo com o Planejamento Estratégico aprovado pelo Conselho de Administração.
  • Acompanhamento da simplificação do portfólio com desinvestimentos de ativos non-core.
  • Análise, recomendação e acompanhamento dos Programas de Recompra de Ações, Dividendos, Hedge e Trade.
  • Revisão de Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários

Sustentabilidade

  • Número de reuniões: 17
  • Taxa de participação: 98,7%

Atividades:

  • Analisou os assuntos relacionados à sustentabilidade, às estratégias socioambientais, à pesquisa mineral e novas tecnologias, à agenda de mudança climática e assuntos com temáticas sociais.
  • Avaliou o desempenho e acompanhou os indicadores da Vale com relação aos aspectos de sustentabilidade e, ainda, acompanhou o Mapa Integrado de Riscos (acompanhamento por meio do Comitê Executivo de Riscos de Sustentabilidade e Reputação).
  • Avaliou e orientou sobre Políticas de sua competência, posicionamentos e estratégia de comunicação e reputação da Vale relativas à sua atuação nos temas segurança, direitos humanos, meio ambiente, saúde, relacionamento (diálogo social) com comunidades e outros stakeholders, relacionamentos institucionais (Governamentais e com Entidades Prioritárias), reconhecimento do talento local. Além disso, propôs diretrizes e recomendou a aprovação do Relato Integrado e acompanhou a Jornada para o DJSI (resultado 2021).
  • Avaliou, dentro de sua competência, as propostas de doações, bem como o acompanhamento, conjuntamente com o CA, de gastos não obrigatórios relativos aos assuntos de sua atribuição.
  • Deu continuidade ao trabalho no acompanhamento das ações de reparação referentes a Mariana (Fundação Renova) e Brumadinho, zelando pela aplicação dos direcionadores estabelecidos pelo Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apoio e Reparação (“CIAEAR”) e exigindo providências na direção da agilidade da conclusão de todos os projetos e das indenizações aos afetados pelo Desastre de Mariana, além de ter, se reunido cinco vezes com a Diretoria Especial de Reparação e Desenvolvimento.
  • Acompanhou os seguintes projetos: Legados, Fechamento de Mina, Greenfield de Exploração Mineral; Coprodutos / Reaproveitamento de Rejeitos, Descaracterização de Barragens.
  • Enfatizando a agenda “Estratégia Vale Carbono Neutro” e de proteção, restauração e contribuição para neutralidade (carbono zero) até 2050, o Comitê se aprofundou no tema estratégia de investimento florestal, realizando sessões específicas para tratar dos assuntos como a atuação em áreas protegidas pela Vale, meta florestal 2030, possibilidades e alternativas para offsets de carbono.
  • Acompanhando a participação da Vale na COP-26.
  • Nessa mesma linha, recebeu convidado externo o coordenador do projeto de desenvolvimento de florestas plantadas integradas à paisagem da WWF, que realizou apresentação sobre os programas de parceria nesta área que estão sendo desenvolvidos entre esta ONG e empresas, inclusive no Brasil.
  • Além disso, o Comitê teve em sua pauta o letramento em Diversidade, Equidade e Inclusão (DE&I) e o letramento Ético- Racial com apresentações realizadas pela Conselheira e membro do Comitê, Rachel Maia, tendo como convidadas nas sessões as VPs de Pessoas e de Sustentabilidade.

Pessoas, Remuneração e Governança

  • Número de reuniões: 19
  • Taxa de participação: 94,8%

Atividades:

  • Discussões e monitoramento dos projetos de “Transformação Cultural”, “Gestão de Talentos” e “Promoção da Diversidade, Equidade & Inclusão,” principalmente no reforço à cultura e a comunicação relacionada à abordagem ESG na Vale.
  • Aprovação/Atualização do Plano de Sucessão do CEO e da Diretoria Executiva.
  • Avaliação de Desempenho da Diretoria Executiva.
  • Acompanhamento do painel de metas de remuneração variável para 2021 e estabelecimento de metas para 2022 do CEO e dos Diretores Executivos.
  • Discussão de políticas de remuneração da administração e órgãos de governança.
  • Projeto de aprimoramento do modelo de governança da Companhia.
  • Desenvolvimento e revisão de Políticas consideradas prioritárias para a Companhia, tais como: Política de Elaboração e Publicação de Políticas, Política de Gestão de Empresas e Entidades do Grupo Vale, Política de Gestão de Riscos, Política de Delegação de Autoridade, Política de Divulgação de Informações e Negociação de Valores Mobiliários, Política de Gestão de Consequências e Regulamento Interno da Auditoria Interna.
  • Evolução do Projeto de Non-Operated JVs.

Excelência Operacional e Risco

  • Número de reuniões: 17
  • Taxa de participação: 100%

Atividades:

  • Monitoramento dos principais planos de mitigação de riscos, gestão de crises e continuidade de negócios com base na Matriz de Riscos e no Mapa Global Integrado de Riscos.
  • Prosseguimento nas interações com o CIAE-SB até abril de 2021 (quando foi descontinuado), visando fortalecer ainda mais a governança relacionada a riscos, revisando e recomendando a divulgação do Relatório CIAE-SB e acompanhando as execuções das atividades constantes do farol de recomendações CIAE-SB.
  • Acompanhamento do Programa de Descaracterização de Barragens a Montante.
  • Acompanhamento da evolução na implementação do Sistema de gestão de barragens e rejeitos (TDMS), e seu alinhamento com o padrão Global Industry Standart Tailings Management (GISTM).
  • Análise do modelo de governança, composição, atribuições e realizações dos Independent Tailings Review Boards.
  • Acompanhamento da implementação e dos avanços do VPS em toda a Companhia.
  • Acompanhamento dos temas referentes a geotecnia, saúde e segurança.
  • Revisão da Política de Gestão de Riscos da Companhia.

Nomeação

  • Número de reuniões: 7
  • Taxa de participação: 100%

Atividades:

  • Atualização da Matriz de Competências Críticas do Conselho de Administração.
  • Condução do processo de autoavaliação do Conselho de Administração de acordo com a Matriz de Competências Críticas atualizada e atividades correlatas.
  • Recomendação ao Conselho dos indicados a membros do Conselho de Administração.
  • Recomendação ao Conselho dos indicados aos cargos de Presidente e Vice-Presidente do Conselho de Administração.
  • Apresentação de outras recomendações relativas ao Conselho de Administração.
  • Elaboração do Relatório Final do Comitê de Nomeação.

Inovação

  • Número de reuniões: 6
  • Taxa de participação: 95,8%

Atividades:

  • Discussão das principais iniciativas de inovação da Companhia, incluindo tecnologia mineral e Agenda de Carbono, com destaque para PowerShift e Ecoshipping.
  • Revisão da abordagem referente à construção do Portfólio de Futuro, Inovação Aberta, Corporate Venture Capital, Corporate Venture Builder, Parcerias, Joint Ventures e Estratégia Corporativa.
  • Revisão dos programas de inovação direcionados a Segurança, apresentando o programa de Safety Transformation e Programa de Automação e Operações Autônomas e Novos Produtos.
  • Discussão sobre oportunidades de sinergia entre os Centros de Desenvolvimento Tecnológico da Vale, e expansão de hubs e projetos para disseminação de equipes ágeis, transformação digital e inovação, acompanhando a transformação cultural da Vale.
  • Discussões com consultorias especializadas sobre temas estratégicos de inovação para a Companhia.

Conheça os membros de cada comitê:

Conselho Fiscal e Comitê de Auditoria

O Conselho Fiscal é um órgão de supervisão independente da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração, que busca, através dos princípios de transparência, equidade e responsabilidade, contribuir para o melhor desempenho da organização. O Conselho Fiscal é responsável pela supervisão dos atos de compliance e cumprimento de seus deveres estatutários e legais; opinar sobre o Relatório da Administração; opinar sobre as propostas dos órgãos de administração aplicáveis à alteração do capital social, emissão de debêntures ou bônus de subscrição, planos de investimento ou orçamentos.

Durante o exercício de 2019, o Conselho Fiscal atuou principalmente no exame de demonstrações financeiras e balanços, propostas enviadas pelo Conselho de Administração à Assembleia Geral, principalmente as relacionadas à distribuição de dividendos, planos de investimentos, transformação, incorporação, fusão ou cisão - além de avaliar os controles financeiros e contábeis da Companhia e supervisionar o trabalho do Auditor Externo, entre outras atividades relevantes para suas atribuições estatutárias e regimentais. Além disso, o Conselho Fiscal atuou na análise dos relatórios de Auditoria Interna, Auditoria Externa e Ouvidoria e, também, na discussão das ações referentes à Samarco Mineração e Fundação Renova e no acompanhamento de projetos estruturais, tais como: gestão de contratos, estoques, manutenção de ativos e segurança da informação. O Conselho Fiscal também interagiu com o Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração para garantir que o trabalho ocorresse sem problemas.

O Conselho Fiscal é um órgão em funcionamento permanente, formado por 3 a 5 membros, que permanecerão em seus cargos até a primeira Assembleia Geral após sua eleição. A eleição dos membros do Conselho Fiscal obedecerá ao disposto na legislação em vigor e no estatuto da Vale.

O comitê de auditoria deve refletir os requisitos dos órgãos reguladores em conformidade com as recomendações dos órgãos reguladores. Anteriormente, na ausência de um Comitê de Auditoria, o Conselho Fiscal assumia essa responsabilidade como atribuições extras ou “turbinadas”, tais como garantir que os mecanismos de recebimento de denúncias sejam confidenciais e anonimato aos denunciantes, além de supervisionar e avaliar o trabalho de auditores externos.

As principais informações sobre o Conselho Fiscal e o Comitê de Auditoria estão resumidos na tabela

Comitê de Auditoria Conselho Fiscal
Descrição Descrição Órgão de assessoramento do Conselho de Administração, a ser estabelecido de acordo com o estatuto social da Vale e as regras de listagem do segmento B3 do Novo Mercado. Órgão separado e independente contemplado na legislação societária brasileira para supervisionar as atividades do Conselho de Administração da empresa e dos diretores executivos. Órgão separado e independente contemplado na legislação societária brasileira para supervisionar as atividades do Conselho de Administração da empresa e dos diretores executivos.
Membros Nomeado pelo Conselho de Administração. Como a lei brasileira não permite que o Conselho delegue seus poderes a um comitê, o comitê tem deveres consultivos. Os membros são eleitos diretamente pelos acionistas e se reportam diretamente aos acionistas.
Atribuições (não exaustivas)
  • Opinar sobre a nomeação e destituição do auditor independente da empresa
  • Rever as demonstrações financeiras intermediárias e anuais da empresa.
  • Monitorar o auditor interno e os controles internos da empresa.
  • Avaliar, monitorar e recomendar a administração com relação à melhoria das políticas internas da Companhia.
  • Ter meios apropriados para receber e tratar informações relacionadas à violação de requisitos legais, regulatórios e de políticas internas da empresa, incluindo meios de proteger a confidencialidade da denúncia.
  • Supervisionar as atividades dos membros do Conselho de Administração e dos executivos e monitorar o cumprimento de suas obrigações e responsabilidades.
  • Opinar sobre o Relatório Anual da Administração e incluir qualquer informação adicional considerada relevante para a assembleia geral de acionistas.
  • Opinar sobre as propostas do Conselho e da administração submetidas à assembleia geral de acionistas relacionadas à estrutura de capital da Companhia.
  • Relatar aos órgãos corporativos apropriados da empresa qualquer fraude, crime ou informação urgente e relevante.
  • Analisar as demonstrações financeiras intermediárias e anuais da empresa.
Comitê de AuditoriaConselho Fiscal
Comitê de Auditoria Conselho Fiscal
Descrição Descrição Órgão de assessoramento do Conselho de Administração, a ser estabelecido de acordo com o estatuto social da Vale e as regras de listagem do segmento B3 do Novo Mercado. Órgão separado e independente contemplado na legislação societária brasileira para supervisionar as atividades do Conselho de Administração da empresa e dos diretores executivos. Órgão separado e independente contemplado na legislação societária brasileira para supervisionar as atividades do Conselho de Administração da empresa e dos diretores executivos.
Membros Nomeado pelo Conselho de Administração. Como a lei brasileira não permite que o Conselho delegue seus poderes a um comitê, o comitê tem deveres consultivos. Os membros são eleitos diretamente pelos acionistas e se reportam diretamente aos acionistas.
Atribuições (não exaustivas)
  • Opinar sobre a nomeação e destituição do auditor independente da empresa
  • Rever as demonstrações financeiras intermediárias e anuais da empresa.
  • Monitorar o auditor interno e os controles internos da empresa.
  • Avaliar, monitorar e recomendar a administração com relação à melhoria das políticas internas da Companhia.
  • Ter meios apropriados para receber e tratar informações relacionadas à violação de requisitos legais, regulatórios e de políticas internas da empresa, incluindo meios de proteger a confidencialidade da denúncia.
  • Supervisionar as atividades dos membros do Conselho de Administração e dos executivos e monitorar o cumprimento de suas obrigações e responsabilidades.
  • Opinar sobre o Relatório Anual da Administração e incluir qualquer informação adicional considerada relevante para a assembleia geral de acionistas.
  • Opinar sobre as propostas do Conselho e da administração submetidas à assembleia geral de acionistas relacionadas à estrutura de capital da Companhia.
  • Relatar aos órgãos corporativos apropriados da empresa qualquer fraude, crime ou informação urgente e relevante.
  • Analisar as demonstrações financeiras intermediárias e anuais da empresa.

Além das regras brasileiras aplicáveis, a Vale deve cumprir as regras do Comitê de Auditoria de acordo com a Regra 10A-3, de acordo com a Lei da Bolsa de Valores dos EUA de 1934. Atualmente, o Conselho Fiscal da Vale possui alguns poderes adicionais para permitir atender aos requisitos de isenção de acordo com o parágrafo (c) (3) da Regra 10A-3. Com a criação de seu Comitê de Auditoria, a Vale contará com o Comitê de Auditoria para atender aos requisitos previstos no parágrafo (c) (3) da Regra 10A-3, e o Conselho Fiscal não terá mais esses poderes "turbinados"

Conheça os membros do Conselho Fiscal:

Diretoria Executiva

Os diretores-executivos da Vale são representantes legais da empresa e responsáveis pelo dia a dia operacional, além de serem encarregados pela implementação das políticas e metas estabelecidas pelo Conselho de Administração. De acordo com o Estatuto Social, a Diretoria Executiva é composta por no mínimo seis e no máximo nove membros.

O Conselho de Administração elege os Diretores Executivos por período de três anos, podendo destituí-los a qualquer tempo. Segundo a Legislação Societária brasileira, eles devem ser residentes no Brasil. Reúnem-se quinzenalmente, podendo ser convocadas reuniões extraordinárias por qualquer Diretor Executivo.

A Diretoria Executiva, para seu assessoramento, conta, em caráter permanente, com seis comitês não estatutários, técnicos e consultivos, denominados:

Conheça os membros estatutários da Diretoria Executiva da Vale.​

Eduardo Bartolomeo

Diretor-presidente​

Eduardo Bartolomeo é o diretor-presidente da Vale desde abril de 2019. O executivo tem sólida experiência em operações de bulk commodities, supply chain e turnaround de negócios. Em sua trajetória profissional, destaca-se sua grande competência para liderar operações complexas e estabelecer uma cultura de excelência operacional.

Em sua trajetória na Vale, teve grande destaque à frente de diretorias como Operações Logística e Metais Básicos. O executivo idealizou o Sistema de Produção da Vale (VPS, em inglês) que, aliado ao investimento em tecnologia e à formação de pessoas, gerou grandes ganhos para a empresa. Além disso, estruturou a logística para apoiar as operações da Vale na África e foi um dos principais artífices da negociação que levou a Vale a arrematar a subconcessão do trecho de 720 km da Ferrovia Norte-Sul. O negócio foi fundamental para viabilizar, em dezembro de 2010, a Valor da Logística Integrada (VLI), empresa de transporte de carga geral, estruturada por ele.

Bartolomeo também liderou o projeto de duplicação da Estrada de Ferro Carajás e a ampliação do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (TMPM), no Maranhão, que possibilitou à Vale aumentar a capacidade de produção do Sistema Norte. Atualmente, Ponta da Madeira é considerado o maior porto privado em movimentação de cargas do país.

Baixar perfil completo

Alexandre Pereira

Diretor-executivo de Suporte aos Negócios​

Alexandre Pereira é o diretor-executivo de Suporte aos Negócios da Vale desde agosto de 2017. Ele é responsável pelas áreas de Tecnologia da Informação, Suprimentos, Projetos de Capital, Energia, Segurança e Serviços Corporativos em todas as linhas de negócios onde a Vale atua.

Com paixão por pensamento estratégico e melhoria continua, Alexandre é um executivo global reconhecido por sua liderança dinâmica e carismática, com forte capacidade de engajar equipes multiculturais. Empreendedorismo, desafio puro e gestão geral são as suas âncoras de carreira, que contribuem para o foco na inovação e sua capacidade de entregar resultados sustentáveis em circunstâncias competitivas e desafiadoras.

Ao longo de seus 26 anos de experiência profissional, Alexandre ocupou diversos cargos executivos globais e obteve conhecimento diversificado, sempre na busca de uma empresa global e trabalhando com iniciativas internacionais, transformações de gestão e projetos de grande escala.

Alexandre é graduado em Matemática e Ciência da Computação pela UERJ e tem duas pós- graduações – uma em Gestão Empresarial pela Fundação Dom Cabral e outra em Redes de Computadores pela UFES. Também possui um MBA em Business pela USP. Alexandre possui três cidadanias: brasileira, canadense e portuguesa.

Alexandre Silva D'Ambrosio

Diretor-executivo de Assuntos Corporativos e Institucionais

Alexandre D´Ambrosio é Diretor-Executivo de Assuntos Corporativos e Institucionais da Vale (desde junho de 2022), onde também ocupa os cargos de membro não independente do Comitê de Conduta e Integridade (desde março de 2018) e do Comitê Executivo de Riscos de Negócios – Conformidade (desde agosto de 2019), e já exerceu os cargos de Diretor Executivo Jurídico (de março de 2021 a junho de 2022) e Consultor Geral (de março de 2018 a março de 2021). Também atua como Diretor Estatutário da Vale International S.A., Membro do Conselho de Administração da PT Vale – Indonésia (desde junho de 2018) e Membro do Board of Commissioners da PV Vale Indonésia. Foi membro suplente do Conselho Curador da Fundação Renova.

De 2016 a 2018, foi Vice-Presidente-Executivo do Banco Santander (Brasil) S.A. Foi também membro do Conselho de Administração do Santander Security Services Ltda (“S3”). De 2003 a 2016, foi Diretor Jurídico Corporativo do Grupo Votorantim. Integrou os Conselhos de Administração da Aracruz Celulose S.A. – posteriormente Fibria S.A. – de 2004 a 2013, da Cimentos Itambé S.A. de 2006 a 2016 e da Citrosuco S.A. de 2009 a 2016.

Nos Estados Unidos da América, onde permaneceu de 1985 a 1996, atuou como associado e sócio de grandes escritórios de advocacia, em Washington, D.C., e Nova York, nas áreas de comércio internacional, fusões e aquisições, project finance e mercado de capitais (cross border finance). Alexandre graduou-se pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (LLB ’84), pela Harvard Law School (LLM ’86), e pela National Law Center da George Washington University (obtenção de título equivalente a Juris Doctor ’89).

Carlos Medeiros

Diretor-executivo de Segurança e Excelência Operacional​

Executivo sênior com carreira de destaque internacional, com comprovada capacidade de conduzir grandes projetos de transformação, Carlos Medeiros foi designado em junho de 2019 para liderar a Diretoria Executiva de Segurança e Excelência Operacional da Vale, área criada especialmente com o propósito de aprimorar a segurança e a confiabilidade da empresa, de acordo com seus pilares estratégicos de segurança, excelência operacional e de reformulação do pacto com a sociedade.

Como profundo conhecedor do sistema lean manufacturing, cujos objetivos principais são otimizar processos, melhorar continuamente a produtividade e a qualidade e, por conseguinte, aumentar a competitividade, Medeiros atua para garantir a segurança e a eficiência das operações da companhia. A escolha de seu nome reforça, portanto, o compromisso da Vale de seguir os melhores padrões operacionais reconhecidos globalmente.

Gustavo Pimenta​

Diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores​

Ocupando a posição de diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores na Vale, Gustavo Pimenta atuou, nos 12 anos anteriores, na AES – por 3 anos como CFO global. Além das funções como CFO no Brasil e no exterior, já assumiu papéis na Diretoria de Planejamento e Estratégia e na Vice-Presidência de Performance e Serviços da mesma companhia.​

Liderou o reposicionamento global da AES para uma empresa focada em ESG e baixo carbono e participou, também, de inciativas de Diversidade e Inclusão no grupo. No início da carreira, trabalhou como Auditor da KPMG por 3 anos e, posteriormente, assumiu como vice-presidente de estratégia e M&A do Citibank em Nova Iorque.

Membro de diversos Conselhos de empresas como AES Gener no Chile e AES Clean Energy nos EUA, é formado em Economia pela Universidade Federal de Minas e possui mestrado em Finanças e Economia pela Fundação Getúlio Vargas.

Luciano Siani Pires

​Diretor-executivo de Estratégia e Transformação de Negócios​​

Luciano Siani Pires é Vice-Presidente Executivo de Estratégia e Transformação de Negócios, responsável por liderar iniciativas que posicionam a Vale para o futuro. Ele ingressou na empresa em 2008 e ocupou cargos como Diretor de Estratégia Global e Diretor Global de Recursos Humanos e Governança.

Antes de assumir sua atual função, ocupou o cargo de Vice-Presidente Executivo de Finanças e Relações com Investidores (CFO) de 2012 a 2021, período em que também liderou áreas como Serviços Compartilhados, Compras, Tecnologia da Informação, Projetos de Capital e Vale Fertilizantes. Ele também é atualmente o presidente do conselho administrativo da VLI, o segundo maior provedor de logística do Brasil.

Possui ampla experiência profissional nas áreas de Finanças, Mercado de Capitais e Planejamento Estratégico, tendo ocupado diversos cargos executivos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além de participação em Conselhos de Administração de empresas como The Mosaic Company, Suzano Papel e Celulose e as holdings Vale e Telemar (atual Oi). Ele também foi consultor da McKinsey & Co. no início de sua carreira.

É formado em Engenharia Mecânica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e possui mestrado em Administração de Empresas, com distinção pela New York University (Leonard N. Stern School of Business).

Marcello Spinelli

Diretor-executivo de Ferrosos​

Marcello Spinelli é diretor-executivo de Ferrosos da Vale desde maio de 2019. Construiu sólida experiência em operações integradas de logística ao longo dos quase 10 anos em que esteve à frente da Valor da Logística Integrada (VLI), líder no setor de serviços de transportes intermodais no Brasil. Na VLI, conduziu um ciclo de robustos investimentos em eficiência operacional e no crescimento da companhia.

Já havia ocupado destacados cargos de liderança na Vale de 2002 a 2010 na área comercial de carga geral e nas operações do Complexo de Tubarão. Foi diretor-presidente do Terminal de Vila Velha e acumulou o cargo de diretor de Logística da Vale com o de presidente da Ferrovia Centro-Atlântica. Liderou, em 2008, a criação da VLI. Anteriormente, trabalhou na Submarino e na Ambev.

Graduado em engenharia de produção pela USP, possui diferentes cursos de extensão no Brasil e no exterior em negócios, operações, gestão e infraestrutura.

Maria Luiza de Oliveira Pinto e Paiva

Diretora-executiva de Sustentabilidade

Maria Luiza de Oliveira Pinto e Paiva é diretora-executiva de Sustentabilidade. Ela atua há 34 anos em Sustentabilidade e Recursos Humanos e antes de vir para a Vale, era diretora de Sustentabilidade da Suzano.

Também atuou como diretora-executiva de Sustentabilidade, Comunicação e Relações Corporativas da Fibria Celulose de março de 2015 a dezembro de 2018. Foi executiva no Banco ABN AMRO Real/Santander e no Banco Nacional – com uma trajetória focada em transformação cultural e desenvolvimento de lideranças. Como diretora-executiva de Desenvolvimento Sustentável do ABN AMRO Real Santander, liderou a criação e implementação da estratégia de sustentabilidade que se tornou uma referência nacional e internacional. Liderou equipes e projetos multiculturais nos períodos em que dirigiu a área de RH para a América Latina, Caribe e Europa.

É psicóloga com especialização em Recursos Humanos pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e também está cursando Negócios e Sustentabilidade na Universidade de Cambridge, Inglaterra.

Marina Quental

Diretora-executiva de Pessoas​
Imagem de Marina Quental em um fundo preto. Ela sorri, está de cabelos soltos, blusa branca e tem um cordão colorido no pescoço.

Marina Quental foi designada diretora-executiva de Pessoas da Vale em novembro de 2017. A executiva é responsável pela estratégia e implementação de operações globais de recursos humanos da empresa e lidera o Comitê de Pessoas do Conselho de Administração.Um de seus principais desafios é impulsionar a transformação cultural e organizacional da Vale.

Construiu uma sólida trajetória profissional em empresas brasileiras e estrangeiras, atuando em processos de transformação cultural, fusão e aquisição, desenvolvimento organizacional e de pessoas, compensation, benefícios e responsabilidade social.

Previamente à Vale, de abril de 2014 a novembro de 2017, foi vice-presidente de Recursos Humanos da Raízen, uma joint venture da Shell e da Cosan no Brasil, de cuja criação participou ativamente. Anteriormente, ocupou a Diretoria de Recursos Humanos da Shell Brasil por seis anos e diversas posições de liderança na IBM no Brasil e nos Estados Unidos. Presidiu a Fundação Raízen entre abril de 2014 e novembro de 2017, braço de responsabilidade social dessa empresa.

Formada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), possui MBA Executivo pela Fundação Dom Cabral.

A Diretoria Executiva da Vale também conta com membros não-estatutários.

Deshnee Naidoo

Diretora Executiva de Metais Básicos

Deshnee Naidoo é Diretora Executiva de Metais Básicos da Vale desde dezembro de 2021. Ela iniciou na Vale em janeiro do mesmo ano como CFO do negócio de Metais Básicos e, desde então, tem colaborado para entender os desafios e oportunidades para acelerar a transformação do negócio.

Ela foi três vezes “South Africa Mining Rainmaker”, além de ter sido reconhecida entre as 100 mulheres globais mais inspiradoras da mineração em 2018. Ela também atuou como membro do Conselho de Mineração da África do Sul.

Antes de ingressar na Vale, Deshnee foi CEO da Zinc International na Vedanta Resources, de 2014 a 2020, onde era responsável P&L internacional de zinco. Assumiu a posição de CEO da Metais Básicos na África durante sua gestão na Vedanta. Anteriormente, trabalhou na Anglo American de 1998 a 2014, onde ocupou vários cargos executivos, incluindo o de Chief of Staff, de 2009 a 2011. Deshnee também foi CFO da Anglo American do negócio de Carvão térmico de 2011 a 2014.

Leia também

Imagem Ética e transparência

Ética e transparência

Todas as nossas relações estão pautadas por padrões éticos

Leia mais
Imagem Nossas Pessoas

Nossas Pessoas

Cada empregado é essencial para o sucesso e o crescimento de nossa empresa

Leia mais