Comissão discutirá futuro de animais resgatados
Comando para Ignorar Faixa de Opções Ir para o conteúdo principal

Comissão discutirá futuro de animais resgatados

16/02/2016 11:00

A Samarco e os parceiros na frente de assistência aos animais domésticos resgatados em Mariana (MG) e Barra Longa (MG) começam a definir o futuro dos animais assistidos nos Centros de Recolhimento montados pela empresa. As ações para a destinação dos bichos serão formatadas a partir de reunião que acontece hoje (15), com uma comissão de representantes de instituições, ONGs, veterinários e voluntários que são referência em defesa dos direitos dos animais.

Uma das primeiras ações discutidas será o evento para adoção de animais pequenos, com previsão de realização até 31 de março. Antes disso, serão concluídas as entrevistas para identificação de donos e, quando possível, feita a devolução. Atualmente, encontram-se sob os cuidados da empresa 182 animais de pequeno porte, como cães e gatos.

A comissão foi idealizada em encontro realizado no dia 2 de fevereiro, em Mariana, com os parceiros que atuaram com a Samarco no socorro aos animais. A empresa apresentou os resultados do trabalho que vem sendo executado desde 10 de dezembro, quando assumiu formalmente a gestão dos serviços e suprimentos necessários à qualidade de vida dos animais impactados pelo acidente na barragem de Fundão.

Dentre essas ações realizadas estão a adequação de duas estruturas para atendimento e acomodação de animais de pequeno e grande porte, e melhorias como a instalação de hospital veterinário com centro cirúrgico, farmácia e maternidade. A iniciativa mais recente foi a transferência de animais de grande porte – como cavalos, burros, bois, porcos e outros como patos, gansos e galinhas – de um galpão para a Fazenda Bom Retiro, alugada pela Samarco, no último dia 29 de janeiro. Ao todo, 172 animais estão agora em um ambiente de 240 hectares, onde têm à disposição 2 veterinários dedicados, farmácia, pastagens, piquetes e baias para recolhimento noturno.

Futuramente, os animais que não forem adotados ou cujos donos não tenham condição de acolhê-los, serão levados a um santuário a ser montado pela empresa em local ainda indefinido. Este será um lugar definitivo para que os animais vivam e sejam assistidos e cuidados durante período indeterminado.

Todas as medidas tomadas pela empresa e parceiros estão no Termo de Compromisso Preliminar (TCP) firmado com Grupo Especial de Defesa da Fauna do Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), em 18 de dezembro (link para a matéria de 26/12, referente ao TCP). O documento referendou o esforço feito em parceria com associações e voluntários referente ao cuidado com os animais.

​​​​ ​​