Samarco dedica-se à recuperação da cor e turbidez do Rio Doce
Comando para Ignorar Faixa de Opções Ir para o conteúdo principal

Samarco dedica-se à recuperação da cor e turbidez do Rio Doce

04/04/2016 12:00

Depois da retirada dos materiais orgânicos do Rio Doce, trabalho que está em andamento desde o dia 10 de novembro, a Samarco dedica-se à recuperação da cor e da turbidez do rio, em todo o trecho impactado pelo acidente com a barragem de Fundão, em Mariana.

Estudos e monitoramentos realizados pela empresa e instituições contratadas apontam que é possível a recuperação desses parâmetros. A expectativa é a de que os trabalhos sejam concluídos em até três anos, de acordo com especialistas. O compromisso da Samarco é fazer com que o rio Doce alcance condições melhores que as registradas antes do acidente.

Trabalhos em andamento

Os trabalhos de recuperação abrangem também outras frentes de atuação, medidas que estão sendo realizadas simultaneamente em diferentes áreas do rio Doce e seus afluentes.

Limpeza do Reservatório de Candonga: a empresa inicia, nesta semana, a dragagem da Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, abastecida pelo reservatório. A expectativa é que a primeira fase desse trabalho dure 120 dias, quando será realizada a limpeza de 400 metros lineares do local.

Já as obras de limpeza do entorno do reservatório, área afetada nas cidades de Santa Cruz do Escalvado e Rio Doce, começaram já no dia 10 de novembro e estão em estágio avançado.

Revegetação: desde o dia 10 dezembro a Samarco realiza o trabalho de revegetação emergencial e temporária das margens dos rios Gualaxo, do Carmo e Doce, entre a cidade de Mariana e a Usina Hidrelétrica Risoleta Neves.

Para o plantio é utilizado um mix de plantas nativas e de rápida germinação. O objetivo é evitar que as margens fiquem expostas e que sedimentos sejam levados até esses rios. A previsão é que os trabalhos sejam concluídos em até 90 dias.

Sonar: outra ação em andamento é o mapeamento da vida no rio Doce, por meio de um sonar. O diagnóstico, realizado por uma consultoria especializada, confirmou a presença de cardumes ao longo do curso d’água. Os estudos promovidos neste momento, a partir dos dados coletados pelo equipamento, embasarão o projeto de repovoamento de espécies do rio.

Próximos passos

As ações e obras das próximas fases do plano de recuperação da cor e turbidez da água do rio Doce serão definidas a partir de uma série de estudos, que vão desde a caracterização de materiais até análises de qualidade da água, da fauna e da flora. A previsão é que já na próxima estação chuvosa os resultados das ações iniciais mostrem os primeiros grandes avanços do trabalho iniciado.