Do total de rejeitos depositados pela Samarco em Fundão nos últimos 3 anos, Vale é responsável por apenas 5%: entenda como é o processo
Comando para Ignorar Faixa de Opções Ir para o conteúdo principal

Do total de rejeitos depositados pela Samarco em Fundão nos últimos 3 anos, Vale é responsável por apenas 5%: entenda como é o processo

01/06/2016 19:00

A Vale reafirma que, da totalidade de rejeitos depositada nos últimos 3 anos na Barragem de Fundão, pertencente à Samarco, o percentual que corresponde ao material lançado pela empresa é de apenas 5%. Diferentemente do que foi noticiado, a Vale não adulterou qualquer informação sobre a produção da Mina de Alegria, cujos rejeitos eram lançados, em parte, na estrutura da Samarco.

Entre 2014 e 2015, a Vale destinou uma média anual de 700 mil m³ de rejeito fino para a Samarco. Isso representou aproximadamente 5% do volume total depositado nessa estrutura. Considerando o triênio de 2013 a 2015, o percentual continua sendo da ordem de 5%. Antes desse período, a ocupação da barragem não chegava a 50% da sua capacidade total.

Se fizermos uma comparação do volume transformado em altura, o gráfico abaixo demonstra com clareza que a participação do rejeito da Vale no total de rejeitos da Samarco era muito baixa. Em um maciço de 105m de altura, os rejeitos da Vale não representavam mais do que 3,06m, ou seja, 2,9% da altura total. Confira abaixo:


A Vale possui licença de todas as suas estruturas do Complexo Alegria, inclusive para a destinação de rejeito para a Samarco. A licença ambiental Nº 133 foi emitida pela a Copam em 4 de agosto de 1995 e, desde então, vem sendo renovada a cada 5 anos. Atualmente, a licença que está vigor é a LO 0231.


Entenda o que é o processo de beneficiamento do minério de ferro

A atividade de mineração é similar no mundo todo: envolve uma longa cadeia produtiva e constrói valor para todos os envolvidos. No processo produtivo são necessárias estruturas que permitem a separação do material com valor econômico, o minério, daquele que não possui demanda de mercado, denominado rejeito.

No caso da Mina Alegria, o material extraído é direcionado para usinas de beneficiamento, onde ocorre a concentração do teor do minério de ferro. Neste processo, parte do material se torna produto final e é destinado para pátios de carregamento, enquanto o material sem valor econômico é direcionado para as barragens de rejeito.

As barragens são projetadas e construídas dentro das mais complexas e completas técnicas de engenharia. Sempre respeitando padrões mundialmente aprovados e buscando máxima eficiência e segurança para receber estes materiais.

Os rejeitos das plantas de beneficiamento de Alegria são divididos entre arenoso e fino. O arenoso grosso, proveniente das células de flotação, segue para a barragem de Campo Grande. Já o rejeito fino, proveniente dos espessadores e também chamado lama, é destinado à Samarco desde 1991. De acordo com a relação comercial estabelecida, a Samarco é responsável pela destinação final, manuseio, controle e operação de suas estruturas.

A Vale emprega as melhores práticas de manutenção em suas barragens, que são sistematicamente inspecionadas, auditadas por consultorias externas especializadas. Toda a legislação aplicável é observada e rigorosamente cumprida.

A Vale reforça seu compromisso com o desenvolvimento socioeconômico do país, com a premissa de sustentabilidade na execução de suas atividades e com a relação de transparência e respeito com todas as partes interessadas.

​​​