Vale retificou relatório e não “adulterou”, como foi publicado em jornais
Comando para Ignorar Faixa de Opções Ir para o conteúdo principal

Vale retificou relatório e não “adulterou”, como foi publicado em jornais

31/05/2016 19:40



A Vale retificou dados fornecidos em seus Relatórios de Lavra (RALs) sobre a produção da Mina de Alegria cujos rejeitos eram lançados, em parte, na barragem de Fundão, pertencente à Samarco. Essa iniciativa se deu em função de divergências sobre os critérios técnicos adotados em alguns dos 3 mil campos de preenchimento do documento. Diferentemente do que foi publicado em reportagens de jornais, a empresa não adulterou qualquer informação.

Em 18 de dezembro do ano passado foi realizada uma reunião de alinhamento entre a Vale e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) sobre os relatórios. Nesta ocasião, ficou constatado que a Vale havia preenchido os documentos RALs referentes aos anos-base de 2010 a 2014 usando critérios diferentes daqueles considerados pelo órgão. Como resultado deste alinhamento, a Vale corrigiu informações em 50 dos mais de 3.400 campos do documento, o que corresponde a menos de 1% das informações ali constantes. As novas informações foram enviadas via sistema eletrônico RALWeb para o DNPM em 22 de dezembro de 2015. O sistema acusou o recebimento das correções.

Foram corrigidos dados sobre os efluentes líquidos, que antes tinham sido calculados levando em conta o rejeito arenoso mais lama, considerando a recirculação. Após a audiência ficou entendido que deveria ser considerado apenas o volume de água, sem recirculação. Também foi alterada a unidade de medida, que passou de tonelada para metros cúbicos. O advogado da Vale David Rechulski ressalta, no entanto, que não houve alteração em informações relacionadas à concentração de minério de ferro na barragem. “Um dado importante que foi mantido inalterado foi o de teor de concentração de minério de ferro nas operações da usina de Alegria”, destaca ele.

As ações da Vale demonstram claramente a intenção da empresa de atuar de forma clara e transparente. Como o órgão fiscalizador estava ciente da mudança dos dados e de suas causas, não cabe classificar a retificação como adulteração de dados, conforme noticiado.
​​​​​​